A monarquia e a Igreja de Inglaterra

Coroação de Carlos III procura integrar a diversidade religiosa

| 3 Mai 2023

Rei Carlos III e Rainha Consorte

“De facto, após ser coroado, Carlos III passará a ser o chefe da Igreja Anglicana, mas já na década de 1990 o então príncipe Carlos sugeriu que gostaria de ser conhecido como ‘o defensor das [diferentes tradições] de fé” e não apenas como o monarca “defensor da fé [cristã]’.” Foto: Rei Carlos III e Rainha Consorte

Como ser ‘chefe supremo’ da Igreja de Inglaterra e, em simultâneo, soberano de todos os súbditos do Reino Unido quando apenas menos de metade destes se diz cristão e não poucos se reconhecem como muçulmanos, hindus ou judeus? A interrogação está presente na forma vai decorrer no próximo sábado 6 de maio a coroação de Carlos II, mas desde há 30 anos que o príncipe a tem encarado de um modo que deixa tranquilos os líderes das diversas comunidades religiosas.

“Quando ele diz que quer ser o defensor das diferentes religiões, isso significa todo um mundo novo, porque a nossa história nem sempre foi simples, nem sempre vivemos livremente, nem sempre conseguimos praticar a nossa religião”, disse o rabi Nicky Liss, da Highgate Synagogue no norte de Londres, à Associated Press, continuando “mas saber que o rei Carlos age dessa maneira e fala dessa maneira é muitíssimo reconfortante.”

De facto, após ser coroado, Carlos III passará a ser o chefe da Igreja Anglicana, mas já na década de 1990 o então príncipe Carlos sugeriu que gostaria de ser conhecido como “o defensor das [diferentes tradições] de fé” e não apenas como o monarca “defensor da fé [cristã]”. Na subtil diferença que então usou, o príncipe preferiu dizer que se via a si próprio como “the defender of faith,” e não como “the defender of the faith”, sendo esta a fé cristã proclamada pela Igreja Anglicana. No mesmo sentido, recorda, em artigo datado de 2 de maio, a jornalista Danica Kirka da Associated Press, Carlos afirmou em setembro último num encontro com líderes religiosos: “Sempre pensei na Grã-Bretanha como uma ‘comunidade de comunidades’”.

E serão essas várias comunidades religiosas que estarão pela primeira vez representadas na sua coroação, através de lordes pertencendo a diferentes tradições religiosas – judaísmo, islamismo, hinduísmo e sikhismo – que lhe apresentarão símbolos da “regalia” sem significado ou simbolismo cristão. De igual modo, no final da procissão de encerramento da cerimónia, o rei receberá uma saudação recitada em uníssono por representantes das mesmas comunidades judaica, hindu, sikh, muçulmana e budista.

A coroação mostrará um Reino Unido muito diferente daquele que presenciou a de Isabel II, em 1953. Naquele tempo, mais de 80 por cento dos britânicos diziam-se cristãos, mas agora são menos de 50 por cento e 37 por cento dos cidadãos dizem-se sem qualquer religião, muitos afirmam-se muçulmanos (6,5%) alguns (1,7%) hindus e um grupo ainda mais minoritário diz-se judeu.

“Numa época em que a religião está a alimentar as tensões em todo o mundo – desde os nacionalistas hindus na Índia aos colonos judeus na Cisjordânia, passando pelos cristãos fundamentalistas nos Estados Unidos –, Carlos procura superar as clivagens entre os grupos religiosos que compõem a cada vez mais diversificada sociedade da Grã-Bretanha”, escreve Danica Kirka no citado artigo da AP, que remata concluindo: “Atingir esse objetivo é fundamental nos esforços do novo rei para mostrar que a monarquia, uma instituição milenária com raízes cristãs, ainda pode representar o povo de uma Grã-Bretanha moderna e multicultural”.

 

Uma cerimónia cheia de novidades

A liturgia da coroação do próximo dia 6 de maio e as novidades que ela comporta foram anunciadas no final de abril num comunicado do arcebispo de Cantuária, Justin Welby, que presidirá à cerimónia na Abadia de Westminster. O desenrolar da coroação foi fixado em diálogo com o futuro rei e o a liturgia organiza-se de roda do lema ‘Chamados a Servir’, lema que, explica a nota de Justin Welby, “reflete o compromisso que sua majestade fará para servir a Deus e ao povo”.

Ao entrar na Abadia de Westminster, Carlos será saudado pelos membros mais jovens da congregação – um coro da Capela Real – a quem dirigirá estas palavras: “Em Seu nome e seguindo o Seu exemplo, não venho para ser servido, mas para servir”.

O Arcebispo de Canterbury selecionou a carta de São Paulo aos Colossenses 1; 9-17 como Epístola para esta coroação. A passagem será lida pelo primeiro-ministro, Rishi Sunak, e foi escolhida por ser um hino à primazia de Jesus Cristo sobre todas as coisas. Ainda antes do juramento de Carlos, Justin Welby explicará que a Igreja da Inglaterra procura promover um ambiente onde “pessoas de todas as fés e crenças possam viver livremente”.

Pela primeira vez, outras línguas além do inglês serão ouvidas durante a liturgia: uma oração em galês; e um hino (Veni Creator) cantado em galês, gaélico escocês e gaélico irlandês. Noutro momento, o rei rezará em voz alta usando um texto especialmente escrito para a ocasião que reflete o dever e o privilégio do soberano servir todas as comunidades.

Carlos já o afirmara publicamente quando por diversas vezes declarou que é dever do soberano “proteger a diversidade do nosso país, inclusive protegendo o espaço para a fé de cada um e a sua prática por meio das religiões, culturas, tradições e crenças para as quais o coração e a mente de cada um o direciona”.

 

Católicos: três dias de oração pelo novo rei

O cardeal Vincent Nichols, arcebispo de Westminster e presidente da conferência episcopal de Inglaterra e Gales solicitou, em carta dirigida aos fiéis católicos destas duas nações, que “de quarta-feira, 3 de maio, até sexta-feira, 5 de maio, todos os católicos rezem por sua majestade e pela rainha” e enviou um texto específico para tal oração.

Na carta, o cardeal, que estará também presente na cerimónia da Abadia de Westminster, salienta: “Nenhum de nós pode imaginar o incrível fardo que sua majestade assumirá ao ser coroado rei ao lado de sua esposa e rainha, Camilla. O mundo mudou imensamente desde 1953 [ano da coroação da rainha Isabel II] com muito mais oportunidades e desafios para a vida de todos”.

O tríduo de oração culminará na noite de sexta-feira, quando é pedido “a cada comunidade católica que celebre uma missa especial pelo rei antes da coroação de sábado”.

A propósito da sua presença na Abadia, o cardeal Nichols disse: “Tenho recebido muitas distinções, mas esta será uma das maiores: desempenhar um papel na coroação do monarca.”

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This