Coronavírus: Trabalho dos voluntários junto dos sem-abrigo “tem sido absolutamente fantástico”

| 20 Mar 20

Um homem sem-abrigo em Lisboa, num dos corredores de acesso ao metropolitano. Foto © Ozias Filho

 

As principais instituições de ajuda aos sem-abrigo estão a conseguir manter-se em funcionamento graças ao empenho e esforço de inúmeros voluntários para continuar a desempenhar diariamente as suas funções e de alguns novos que, perante a pandemia de covid-19, têm oferecido também a sua ajuda. Henrique Joaquim, gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, considera que o trabalho desenvolvido por estes voluntários “tem sido absolutamente fantástico” e assinala também “a enorme capacidade de cooperação que tem existido entre as diversas instituições”.

“Todo este esforço é de louvar e agradecer, porque agora, mais do que nunca, não podemos deixar ninguém para trás”, afirma aquele responsável, em declarações ao 7MARGENS.

Henrique Joaquim, que foi durante oito anos responsável por uma dessas instituições, a Comunidade Vida e Paz, garante que “é possível e necessário continuar a manter os contactos com os sem-abrigo e prestar-lhes apoio”. E explica que, neste momento, “as autarquias estão também a servir de base para que a coordenação seja possível”. Não nega, no entanto, que “houve diversos voluntários e profissionais que já tiveram de se retirar, por pertencerem a grupos de risco ou por terem filhos pequenos a seu cargo”.

A estratégia tem passado por fazer “pontos de situação diários com as autarquias e instituições” e garantir que “são criados canais de comunicação para que os sem-abrigo possam pedir ajuda rapidamente, caso necessitem”. Em cidades como Lisboa e Porto, “já foram dadas respostas mais robustas para aumentar os espaços de acolhimento, mas há vários outros municípios, como Almada, que estão também mobilizados para encontrar respostas”.

 

“Não podemos desistir”

A atual diretora da Comunidade Vida e Paz (CVP), Renata Alves, confirma que até agora têm conseguido manter o apoio prestado aos sem-abrigo, salientando também ela “a enorme colaboração e dedicação por parte dos voluntários”. Muitos deles, sublinha, “têm-se disponibilizado para fazer mais do que o seu trabalho habitual e têm sido incansáveis no apoio prestado diariamente”.

Da parte dos sem-abrigo – a quem têm entregue todos os dias refeições e folhetos informativos sobre o novo coronavírus – as equipas da CVP têm sentido “um enorme receio de serem abandonados”, conta Renata Alves. “As pessoas sem-abrigo estão bastante informadas do que se passa e têm sido muito cumpridoras das medidas de higiene e segurança. Têm medo do que possa acontecer e estão-nos muito agradecidas pelo facto de continuarmos a ir ao encontro deles.”

Pertences de uma pessoa sem-abrigo, em Lisboa. Foto © Ozias Filho

 

A responsável pela Comunidade Vida e Paz não sabe até quando conseguirão assegurar todos os apoios que a instituição presta diariamente, mas afirma que “independentemente do que venha a acontecer ou seja decretado, é necessário garantir a ajuda às pessoas que estão mais desprotegidas”. E acrescenta: “Ninguém estava preparado para esta pandemia, mas não podemos desistir”.

 

Necessárias ainda mais iniciativas

No Porto, o presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza, padre Agostinho Jardim Moreira, também assegura que até agora tem sido dada resposta às necessidades dos sem-abrigo, “pelo menos no centro da cidade”, mas manifesta grande preocupação com a evolução da situação. “Houve várias paróquias vizinhas que tiveram de fechar os seus centros de atendimento”, explica o também pároco de Vitória e São Nicolau, no centro do Porto.

“Nós temos aqui 40 sem-abrigo e conseguimos receber mais três. Sei que alguns albergues do Porto também estão a abrir as suas portas e a Santa Casa da Misericórdia vai disponibilizar dez camas”, informa. Mas, ao mesmo tempo, “há refeitórios a fechar e muitos profissionais e voluntários a terem de ir para casa para tomar conta dos seus filhos”, afirma.

O padre Jardim Moreira diz não ter ainda “qualquer indicação de que haja sem-abrigo infetados” e avança uma possível explicação para este facto: “Como acabam por viver mais isolados, isso pode estar a protegê-los um pouco nesta fase.” Mas defende que serão necessárias, em breve, ainda mais iniciativas para apoiar os mais desprotegidos. E deixa o aviso: “De um modo geral, há um descartar de responsabilidades do que acontece aos sem-abrigo, mas agora não nos podemos descartar.”

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Igreja Católica no Brasil critica decisões de Bolsonaro e diz que “sensato” é ficar em casa novidade

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro incluiu as atividades religiosas na lista das atividades consideradas essenciais e autorizadas a funcionar no país durante o estado de emergência provocado pela pandemia de covid-19. Mas a Igreja Católica reagiu contra o decreto publicado quarta-feira, 26, reiterando os apelos para que todos permaneçam em casa e mantendo a suspensão das celebrações religiosas com presença de fiéis.

Semana Santa sem povo é para evitar o contágio e não a fé, diz responsável do Vaticano novidade

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou um decreto com as normas a seguir nas celebrações da Semana Santa (que se inicia no Domingo de Ramos e termina no Domingo de Páscoa), dirigido aos países afetados pela pandemia de covid-19 onde estão em vigor medidas de isolamento social. Os bispos e sacerdotes deverão celebrar os ritos sem a participação dos fiéis, evitar as concelebrações, e omitir alguns momentos específicos, nomeadamente o abraço da paz e a procissão do Domingo de Ramos.

Coronavírus nos campos de refugiados Rohingya será “um novo massacre”

Com a chegada da pandemia de covid-19 ao Bangladesh, o líder da comunidade Rohyngia, Mohammad Jubayer, teme que esta alastre no campo de refugiados do sul do país, o maior do mundo, onde vive quase um milhão de pessoas. Será como “um novo massacre, muito maior do que o que aconteceu em 2017”, quando esta minoria muçulmana fugiu da perseguição na Birmânia, alertaram grupos de ativistas, em declarações à AFP.

PAR alerta para tragédia nos campos de refugiados e pede intervenção junto da Grécia

Mais de 40 organizações humanitárias, entre as quais a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), pediram já ao Governo grego que, em coordenação com as instituições europeias, “tome as medidas de saúde públicas necessárias” para proteger “todos os residentes” nos campos de refugiados nas ilhas gregas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio novidade

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

“Jesus chorou” novidade

Esta frase do capítulo 11 do Evangelho de São João (Jo.11,35), faz parte do episódio da ressurreição de Lázaro e remete para o momento em que Jesus se encontra com Maria, irmã de Lázaro.

Oração, cidadania e solidariedade contra a pandemia

Esta sexta-feira, às 17h (hora de Lisboa), o Papa volta a estar em oração a partir do adro da basílica de São Pedro, perante uma praça vazia, naquela que será seguramente uma das imagens mediáticas que registarão este período difícil da humanidade.

Cultura e artes

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

“Louvor da Terra”, um jardim para cuidar

O filósofo sul-coreano (radicado na Alemanha) Byung-Chul Han é já conhecido do público português através da publicação de numerosos dos seus diretos e incisivos ensaios, onde a presença da pessoa numa sociedade híper-digitalizada é refletida e colocada em questão. Agora, em “Louvor da Terra”, possibilita-nos uma abordagem diferente e original, fruto da experiência do autor com o trabalho de jardinagem.

A esperança é uma coisa perigosa

O título deste breve comentário ao filme 1917, de Sam Mendes, é uma frase dita, já quase no final, pelo general Mackenzie quando recebe – desiludido? – a informação para cancelar o ataque programado às linhas alemãs que, aparentemente, se tinham retirado. Afinal, tratava-se de uma cilada…

Sete Partidas

Um refúgio na partida novidade

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco