Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

| 24 Fev 2024

Flores, velas e cartazes a evocar Alexei Navalny, junto da Embaixada russa em Lisboa, um memorial improvisado fotografado neste sábado, 24, dia em que se completaram dois anos sobre a invasão da Ucrânia. Foto © António Marujo/7MARGENS.

Flores, velas e cartazes a evocar Alexei Navalny, junto da Embaixada russa em Lisboa, um memorial improvisado fotografado neste sábado, 24, dia em que se completaram dois anos sobre a invasão da Ucrânia. Foto © António Marujo/7MARGENS.

 

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Entre os que apelaram estavam padres ortodoxos russos e membros da Igreja que apelaram por escrito às autoridades que entregassem o corpo de Navalny à família para ser enterrado. A carta, assinada por mais de 800 pessoas, afirma que Navalny era “um homem de fé, um cristão ortodoxo”, cuja família merecia a oportunidade de lhe dar um enterro digno. “Mesmo Pôncio Pilatos, que decidiu executar Cristo por medo de deslealdade para com o imperador (…) não impediu a libertação do corpo do Salvador e o seu enterro. Não sejais mais cruéis do que Pilatos”, concluía a carta.

No sábado, Yulia Navalnaya, a viúva de Navalny, acusou o Presidente Vladimir Putin de zombar do cristianismo ao tentar forçar a sua mãe a concordar com um funeral secreto após a sua morte numa colónia penal do Ártico. “Muito obrigado. Obrigado a todos os que escreveram e gravaram mensagens de vídeo. Todos fizeram o que tinham de fazer. Obrigado a todos. O corpo de Alexei Navalny foi entregue à sua mãe”, escreveu Zhdanov.

A mãe de Navalny, Lyudmila Navalnaya, ainda está em Salekhard, disse a secretária de imprensa de Navalny, Kira Yarmysh, no X, antigo Twitter. Lyudmila Navalnaya está na região do Ártico há mais de uma semana, exigindo que as autoridades russas lhe devolvam o corpo do seu filho.

Vigília na Praça do Comércio, ao final da tarde deste sábado, em Lisboa, promovida pela Amnistia Internacional nos dois anos de invasão russa da Ucrânia. Foto © António Marujo | 7MARGENS

Vigília na Praça do Comércio, ao final da tarde deste sábado, em Lisboa, promovida pela Amnistia Internacional nos dois anos de invasão russa da Ucrânia. Foto © António Marujo | 7MARGENS

 

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This