Lisboa 2023

Corrida global solidária para angariar fundos para a JMJ

| 26 Out 21

 

Uma corrida solidária a nível global, de nome WYD Global Race, que visa angariar fundos para a preparação e realização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, foi lançada esta terça-feira pela organização da JMJ e a Move Sports.

“Aceitamos com gratidão e expectativa a proposta da Move Sports para sermos parceiros de uma iniciativa que, para além do seu carácter inovador, alia a prática do exercício físico à dimensão solidária e desejamos que os frutos desta corrida possam ajudar milhares de jovens a viver a experiência única de participar numa Jornada Mundial da Juventude”, refere Duarte Ricciardi, secretário-executivo da JMJ 2023, num comunicado sintetizado pela Agência Ecclesia.

As verbas vão ser recolhidas “tanto através das inscrições como dos patrocínios da corrida”, uma iniciativa que é apresentada como “pioneira no seu género”.

Segundo a organização, este projeto “reveste-se de particular importância, porque tem como grande missão promover a JMJ Lisboa 2023 e angariar fundos para a sua preparação e realização”.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This