Corrupção em Timor-Leste, um desafio para o catolicismo

| 9 Fev 21

Escola Portuguesa, Timor-Leste

Escola Portuguesa em Timor-Leste: a corrupção é uma herança do colonialismo, como defendem alguns, ou um problema cultural, como propõem outros? Foto: Universe Awareness/Wikimedia Commons

 

A corrupção é um problema crónico e entranhado na cultura de Timor-Leste e a Igreja Católica pode ter um papel relevante em combatê-lo, se assumir a sua influência na sociedade local e souber passar a ideia de que, como disse um dia o Papa Francisco, “a corrupção é pior do que o pecado”. É esta a mensagem central de um artigo denso de Justin Wejak, docente na Universidade de Melbourne, Austrália, publicado no La Croix International.

Em 2019, de acordo com o índice de corrupção da Transparência Internacional, Timor-Leste recebeu uma pontuação de 38 numa escala de 100. Desde que se tornou uma nação independente, há cerca de duas décadas, procura erradicar a corrupção, de que é exemplo a criação, em 2010, da Comissão Anticorrupção (CAC), “parte integrante da tarefa legislativa”. No entanto, observa o artigo citado, “muitos já começaram a duvidar se a CAC algum dia conseguirá concretizar a sua visão de criar um futuro sem corrupção”.

La Croix International cita o investigador timorense e ex-presidente da CAC, Adérito de Jesus Soares, num seu artigo de 2013 intitulado “Corrupção: Evitando ‘Ritualismo Institucional’”, segundo o qual muitos em Timor-Leste estão convencidos de que a corrupção é um produto histórico da colonização e, portanto, “uma importação ou legado estrangeiro”, com Portugal e, particularmente, a Indonésia a serem investidos como principais culpados.

“Este bode expiatório, faz notar o autor, pode, em parte, ser visto como uma forma de evitar a responsabilidade no combate à corrupção. Observa-se que, durante a ocupação da Indonésia, a corrupção era galopante em todos os níveis da sociedade. Infelizmente, continua a ocorrer após a independência” e “muitos dos que estiveram envolvidos na luta pela independência (…) continuaram com os hábitos corruptos do passado colonial.”

 

“Uma forte tradição de dar presentes”

Justin Wejak, que fez formação em teologia, filosofia e antropologia, entende que existe localmente “uma forte tradição de dar presentes, aceites como uma expressão de gratidão” às pessoas com algum tipo de poder, para se obter a resolução de algum problema. Cita a propósito, Jonas Guterres, um timorense que desempenhou funções como consultor do CAC, para explicar que não existe uma palavra local em tetum para “obrigado”. As pessoas usam comummente a palavra portuguesa, mas no sentido de “uma ação que deve ser executada”, uma gratidão que deve ser traduzida em dádivas e presentes, que são objetivamente pequenas ou grandes formas de corrupção. Como diziam os romanos, “do ut des” (dou para que tu me dês).

Seria assim esta corrupção instalada e entranhada como hábito quotidiano, como ‘cultura, misturada com redes de solidariedade familiar, que tornariam o problema mais desafiante e difícil de combater, sobretudo quando este combate é concebido sobretudo como problema de leis e tribunais. E é aqui que Wejak vê o repto e mesmo a responsabilidade de uma instituição como a Igreja Católica que é a referência religiosa para mais de 90 por cento da população timorense.

“A Igreja – refere o autor – deve usar o seu poder institucional para tecer uma narrativa que evidencie que a corrupção é má; que é ‘pior do que o pecado’, como nas palavras do Papa Francisco”. Ela “sabe que institucionalmente pode usar o seu poder para promover a honestidade e a integridade entre os católicos, especialmente aqueles que trabalham no setor público… Afinal, o catolicismo é, no fundo, uma religião de valores, e não apenas uma religião de ritual”, acrescenta.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This