Corrupção: Papa impõe medidas de transparência a todo o pessoal da Santa Sé

| 29 Abr 21

papa francisco assembleia geral onu, print screen

Papa definiu normas e disposições sobre “transparência na gestão das finanças públicas” da Santa Sé. Foto: Direitos reservados.

Impedir investimentos em paraísos fiscais e estabelecer um montante para ofertas que possam ser aceites pelos funcionários do Vaticano são algumas das medidas esta quinta-feira estabelecidas pelo Papa Francisco, como forma de combater a corrupção.

Numa carta apostólica em forma de “motu proprio”, o Pontífice define normas e disposições sobre “transparência na gestão das finanças públicas” da Santa Sé, objectivo que se inscreve numa série de outras decisões já tomadas e que esteve subjacente a uma das “incumbências” que Francisco recebeu dos cardeais, quando foi eleito, em 2013.

O “motu próprio” aplica-se ao pessoal que presta serviço nos dicastérios da Cúria Romana, nas instituições ligadas à Santa Sé, ou que a ela se referem, e nas administrações do Governo do Estado da Cidade do Vaticano.

As medidas visam acautelar o princípio da transparência e salvaguardar qualquer conflito de interesses. Os visados passam a ter de apresentar, no início e cessação de funções, declaração na qual certifiquem não terem sido objeto de sentenças definitivas por crimes dolosos nem terem processos criminais pendentes; não estarem sujeitos a investigações por “crimes de participação em organização criminosa, corrupção, fraude, terrorismo ou relacionado a atividades terroristas, lavagem do produto de atividades criminosas, exploração de menores, formas de tráfico ou exploração de seres humanos, evasão ou elisão fiscal”. Não podem, ainda, deter interesses (dinheiro ou investimentos de qualquer espécie) em empresas e negócios problemáticos e/ou em países incluídos na lista de jurisdições com alto risco de lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo; e que os bens que detenham procedem de actividades lícitas.

O documento introduz também uma alteração no Regulamento da Cúria Romana, mediante a qual fica vedado a todo o pessoal solicitar ou aceitar presentes, donativos ou outras vantagens, de valor superior a 40 euros.

A carta apostólica prevê ainda que o Secretariado da Economia da Santa Sé pode verificar a veracidade das declarações apresentadas e que “sem prejuízo dos casos de responsabilidade penal, a falta de declaração ou a declaração falsa ou mentirosa constitui contra-ordenação grave (…) e legitimar a Santa Sé para solicitar os danos sofridos”.

O Papa Francisco faz notar que “ser desonesto em assuntos de pouca importância também está relacionado com ser desonesto em assuntos importantes” e recorda que a Santa Sé, ao aderir à Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção (Convenção de Mérida), decidiu cumprir as melhores práticas para prevenir e combater a corrupção nas suas várias formas.

Esta é uma medida que se presume requerida pela equipa do Moneyval, um comité do Conselho da Europa, que tem estado a preparar a avaliação da eficiência do sistema posto em prática pela Santa Sé, desde que aderiu a esta instituição em 2011. O Moneyval está, nestes dias, reunido, sendo expectável que venha a adotar alguma deliberação ou recomendação a este propósito.

 

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This