Em forma de álbum

Costa oferece ao Papa 124 santuários marianos

| 1 Ago 2023

Imagens de Nossa Senhora numa colecção particular. Foto © Luís Filipe Catarino/livro Santuários Marianos em Portugal. 

 

São 124 santuários marianos do país, distribuídos por todo o território do Continente e Regiões Autónomas. E também pelo mar, como refere o cardeal-patriarca de Lisboa no prefácio da obra que na tarde desta quarta-feira, dia 2, o primeiro-ministro António Costa oferecerá ao Papa Francisco, em nome do Governo português.

O livro Santuários Marianos em Portugal foi preparado pelo Grupo de Projecto para Jornada Mundial da Juventude, a estrutura criada pelo Governo para acompanhar a preparação da Jornada Mundial da Juventude. “O motivo mariano tornou-se culturalmente tão forte que acabou por simbolizar as fases sucessivas da nossa história comum”, escreve o patriarca no prefácio. “Um país é uma geografia. Geografia territorial, com dimensão variável, de fronteira a fronteira, terrestre ou marítima, plana ou montanhosa. No caso português, com alguma terra, continental e insular, e muito mar pelo meio.”

No texto, o cardeal Clemente explica ainda: “Quando digo ‘muito mar’, indico já um lugar mariano por excelência, tantas são as devoções à Mãe de Jesus, com diversas designações, em lugares costeiros ou em nomes de embarcações”.

O livro inclui a reprodução da escultura da Visitação, da autoria de José Pedro, operário da antiga Fábrica de Loiça de Sacavém, que será oferecida pela Câmara de Loures ao Papa [ver 7MARGENS]. E ainda uma aguarela de Tomás Saragoça Mendes com o mesmo tema, que é a origem do lema desta Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

Tomás Saragoça Mendes, "Visitação", Arte, Santuários Marianos

Tomás Saragoça Mendes, “Visitação” (2023). Aguarela reproduzida no livro Santuários Marianos em Portugal

 

Num segundo prefácio da obra, o padre jesuíta António Júlio Trigueiros escreve que a obra apresenta “uma muito pertinente viagem ao Portugal mariano em todas as suas épocas e expressões, tomando como critério maioritariamente as igrejas classificadas como santuários marianos”. Assim, encontramos aqui catalogados vários dos santuários mais conhecidos: Fátima, Sameiro (Braga), Agonia (Viana), Balsamão (Bragança), Remédios (Lamego), no Norte; e, mais a Sul, a Senhora da Luz (Lisboa), Senhora do Cabo (Sesimbra), Conceição (Vila Viçosa), Senhora de Aires (Viana do Alentejo) e Mãe Soberana (Loulé). E, nas ilhas, a Senhora do Monte (Funchal) e Conceição (Angra). O conjunto apresenta a “diversidade arquitectónica, as diferentes épocas históricas e a especificidade da envolvente de cada santuário”, de modo a mostrar a “riqueza cultural e ambiental” do país.

Com fotografias de Luís Filipe Catarino, a obra foi coordenada por José Sá Fernandes e teve a colaboração de Cláudia ferreira, Marise Francisco, Miguel Rato e Sara Lages da Veiga. A edição é da Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

O mesmo Grupo de Projecto apresentou na manhã desta terça-feira outra obra produzida no âmbito da JMJ: Plantas da Bíblia nos Jardins de Belém faz uma catalogação das árvores que são referidas na Bíblia e se encontram nos jardins daquela zona da cidade, onde se situa a Cidade da Alegria desta JMJ – que inclui o Parque do Perdão e a Feira das Vocações.

Neste caso, o livro, que inclui um mapa da zona com a indicação da localização das árvores, foi editado por Maria Cristina Duarte, César Augusto Garcia, Arnaldo do Espírito Santo e Ana Luís Soares, da Universidade de Lisboa, que apoiou a realização científica.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This