Covid-19: por que meter Deus ao barulho?

| 23 Mar 20

As pessoas religiosas têm tipicamente dois tipos de atitudes perante a tragédia da covid-19. Em primeiro lugar, os mais fanáticos chegam a defender que é um castigo de Deus (a ministra da Defesa do Zimbabué disse-o há dias). O problema é que, nesse caso, estamos perante uma inconsistência ou contradição lógica básica. Pois, suponha-se para fins argumentativos que há Deus e que a covid-19 é um castigo de Deus. Ora, se há Deus, sendo ele omnipotente, omnisciente, e omni-benevolente, então as ações de Deus respeitam a proporcionalidade da justiça. Mas, se a covid-19 é um castigo de Deus, então, dada a natureza de tal vírus que afeta indiscriminadamente as pessoas morais e imorais (isto é, o vírus é completamente insensível ao caráter moral das pessoas), as ações de Deus não respeitam a proporcionalidade da justiça. Assim, chegamos a uma contradição lógica: as ações de Deus respeitam e não respeitam a proporcionalidade da justiça.

Uma vez que chegamos a uma contradição, isto significa que a suposição inicial é falsa e, por isso, não pode ser simultaneamente verdadeiro que há Deus e que a covid-19 é um castigo de Deus. Ou seja, quem defende que o novo coronavírus é um castigo de Deus está simplesmente a cometer uma contradição lógica, tal como uma pessoa que defendesse que existem irmãos filhos únicos ou quadrados redondos.

Em segundo lugar, as pessoas religiosas mais moderadas, ainda que não aceitem que a covid-19 é um castigo de Deus, apelam constantemente à oração de pedido ou de petição para que Deus acabe com o flagelo da doença. Ainda há dias se relatava que o Papa Francisco foi a uma igreja de Roma rezar pelo fim da pandemia diante de um crucifixo milagroso. Assim, pensa-se que a oração de petição é útil ou eficaz para acabar com a covid-19.

O problema é que, neste último caso, é argumentável que, dada a natureza de Deus, uma tal oração de petição é inútil ou ineficaz. Suponha-se que pedimos a Deus por alguma coisa na nossa oração, por exemplo, para Deus eliminar a covid-19 do mundo. Por um lado, se esse pedido for mau, um Deus omni-benevolente não iria conceder-nos isso, quer o pedíssemos ou não. Por outro lado, se esse pedido for bom, um Deus omni-benevolente iria conceder-nos isso, quer o pedíssemos ou não. Assim, de uma forma ou de outra, a oração de petição não parece funcionar. Este problema foi levantado, entre outros, pela filósofa tomista Eleonore Stump no seu artigo de 1979 Petitionary Prayer.

Como resposta a este último problema, talvez se possa alegar que a oração de petição poderá dar alguma razão para Deus agir (caso ele exista). Esta ideia pode ser defendida com base na seguinte analogia: se o leitor me vê a caminhar ao longo da estrada, pode parar e oferecer-me boleia ou pode, simplesmente, continuar a viagem. O leitor não está moralmente obrigado a parar. Mas, quando eu começo a esbracejar e a correr para si, isso pode dar-lhe alguma razão para parar. É verdade que isso não proporciona uma razão final para parar, pois pode ainda assim haver razões contrárias para você não parar e que eu desconheça por completo, mas essas razões têm de ser mais significativas do que o meu pedido. De forma análoga, quando pedimos a Deus para fazer algo, isso dá-lhe pelo menos alguma razão para o fazer. Mas será esta uma boa analogia?…

Ainda que não o seja completamente, pode-se também argumentar que, mesmo se a oração de petição não faz qualquer diferença sobre aquilo que Deus faz ou deixa de fazer, tem mesmo assim um propósito, uma vez que pode fazer uma diferença nas pessoas religiosas. De um ponto de vista mais prudencial, a oração de petição pode aumentar a consciência das nossas necessidades e das necessidades dos outros e, dessa forma, aumentar a probabilidade de agirmos para atender essas necessidades. Seria assim uma forma de reorientar o nosso foco do mal para o bem, do desespero para a esperança. Com base nesta ideia, pelo menos de uma perspetiva prudencial a oração de petição teria alguma eficácia.

 

Domingos Faria é investigador no Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa nas áreas de Epistemologia e Filosofia da Religião

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Igreja Católica no Brasil critica decisões de Bolsonaro e diz que “sensato” é ficar em casa novidade

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro incluiu as atividades religiosas na lista das atividades consideradas essenciais e autorizadas a funcionar no país durante o estado de emergência provocado pela pandemia de covid-19. Mas a Igreja Católica reagiu contra o decreto publicado quarta-feira, 26, reiterando os apelos para que todos permaneçam em casa e mantendo a suspensão das celebrações religiosas com presença de fiéis.

Semana Santa sem povo é para evitar o contágio e não a fé, diz responsável do Vaticano novidade

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou um decreto com as normas a seguir nas celebrações da Semana Santa (que se inicia no Domingo de Ramos e termina no Domingo de Páscoa), dirigido aos países afetados pela pandemia de covid-19 onde estão em vigor medidas de isolamento social. Os bispos e sacerdotes deverão celebrar os ritos sem a participação dos fiéis, evitar as concelebrações, e omitir alguns momentos específicos, nomeadamente o abraço da paz e a procissão do Domingo de Ramos.

Coronavírus nos campos de refugiados Rohingya será “um novo massacre”

Com a chegada da pandemia de covid-19 ao Bangladesh, o líder da comunidade Rohyngia, Mohammad Jubayer, teme que esta alastre no campo de refugiados do sul do país, o maior do mundo, onde vive quase um milhão de pessoas. Será como “um novo massacre, muito maior do que o que aconteceu em 2017”, quando esta minoria muçulmana fugiu da perseguição na Birmânia, alertaram grupos de ativistas, em declarações à AFP.

PAR alerta para tragédia nos campos de refugiados e pede intervenção junto da Grécia

Mais de 40 organizações humanitárias, entre as quais a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), pediram já ao Governo grego que, em coordenação com as instituições europeias, “tome as medidas de saúde públicas necessárias” para proteger “todos os residentes” nos campos de refugiados nas ilhas gregas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio novidade

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

“Jesus chorou” novidade

Esta frase do capítulo 11 do Evangelho de São João (Jo.11,35), faz parte do episódio da ressurreição de Lázaro e remete para o momento em que Jesus se encontra com Maria, irmã de Lázaro.

Oração, cidadania e solidariedade contra a pandemia

Esta sexta-feira, às 17h (hora de Lisboa), o Papa volta a estar em oração a partir do adro da basílica de São Pedro, perante uma praça vazia, naquela que será seguramente uma das imagens mediáticas que registarão este período difícil da humanidade.

Cultura e artes

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

“Louvor da Terra”, um jardim para cuidar

O filósofo sul-coreano (radicado na Alemanha) Byung-Chul Han é já conhecido do público português através da publicação de numerosos dos seus diretos e incisivos ensaios, onde a presença da pessoa numa sociedade híper-digitalizada é refletida e colocada em questão. Agora, em “Louvor da Terra”, possibilita-nos uma abordagem diferente e original, fruto da experiência do autor com o trabalho de jardinagem.

A esperança é uma coisa perigosa

O título deste breve comentário ao filme 1917, de Sam Mendes, é uma frase dita, já quase no final, pelo general Mackenzie quando recebe – desiludido? – a informação para cancelar o ataque programado às linhas alemãs que, aparentemente, se tinham retirado. Afinal, tratava-se de uma cilada…

Sete Partidas

Um refúgio na partida novidade

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco