Covid-19: uma das vacinas tem levantado problemas éticos no espaço cristão

| 9 Dez 2020

Uma das questões em causa é a da “distância moral” dos materiais utilizados no fabrico das vacinas. Foto: BaLL LunLa/Shutterstock

 

Os bispos de Inglaterra e do País de Gales afirmam, em comunicado, que “os católicos podem, em sã consciência, receber qualquer uma” das vacinas contra a covid-19, “para o bem dos outros e de si próprios”. Entretanto, quem entender recusar uma vacina específica, “continua a ter o dever de proteger os outros do contágio”.

Em setembro último, a Conferência Episcopal daquelas nações do Reino Unido solicitou ao Governo esclarecimentos quanto à origem e eventual uso de tecidos e células provenientes de fetos abortados, matéria que se inscreve na doutrina católica relativamente ao aborto, contrária a esse uso. Idênticas preocupações foram apresentadas noutras partes do mundo, por igrejas cristãs, católicas e protestantes.

Das três vacinas que estão prestes a surgir no mercado, a da AstraZeneca, desenvolvida com a Universidade de Oxford, recorreria a materiais fetais. Em resposta enviada aos bispos, foi reconhecido que algumas instituições de investigação estão a pesquisar linhagens celulares desenvolvidas a partir de restos de fetos abortados no passado, dando, porém, garantia de que nenhum novo embrião humano será usado na fabricação da vacina.

Invocando posições recentes quer da Pontifícia Academia da Vida quer da Congregação para a Doutrina da Fé sobre estas matérias, segundo as quais “se pode, em sã consciência e por grave motivo, receber uma vacina fornecida desta forma, desde que haja uma distância moral suficiente entre a atual administração da vacina e a ação injusta original”, a Conferência Episcopal aconselhou os católicos a tomar a vacina, salvaguardando a liberdade de consciência de cada um, de acordo com o comunicado de dia 3.

Para compreender o sentido e alcance desta “distância moral”, podem citar-se estas declarações à Reuters, difundidas em 16 de novembro passado, da autoria de David Matthews, professor de Virologia da Universidade de Bristol e coautor do estudo da vacina da AstraZeneca:

“Muitas vacinas de vírus são feitas em linhas de células derivadas de embriões/fetais e, em seguida, a vacina é purificada dessas células para padrões excecionalmente elevados. A maioria dessas linhas celulares (…) foram derivadas de amostras de tecido retiradas de fetos abortados nas décadas de 1960 e 1970 e as células foram cultivadas em laboratórios em todo o mundo desde então.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Fraternidade sem fronteiras

Fraternidade sem fronteiras novidade

A fraternidade é imprescindível na vida e na missão. No Congresso sobre o tema, a realizar nos dias 14 e 15 de Outubro, em Lisboa, queremos reflectir sobre a construção da fraternidade na sociedade, na política, na economia, na missão, no diálogo entre as religiões e na reconstrução da esperança.

Irmã Elis Santos: “São mais de 500 anos a sobreviver, e nós queremos existir”

Indígena do povo Mura em entrevista

Irmã Elis Santos: “São mais de 500 anos a sobreviver, e nós queremos existir” novidade

Aos 35 anos, Elis Santos, religiosa da Divina Providência, é uma das vozes mais ativas no Brasil na luta pelos direitos dos povos indígenas. Descendente do povo Mura e mestre em Antropologia Social, a irmã Elis falou ao 7MARGENS durante o encontro d’A Economia de Francisco, que decorreu na semana passada em Assis, e lamentou que no seu país continue a prevalecer “uma economia que mata”. 

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This