Covid ataca eu-tanásia e faz dela “cré”-tanásia?

| 16 Jul 20

(Cré-tanásia – a partir do grego: morte utilitária, conveniente, necessária)

Até parece: depois da preocupação (sincera?) com os “idosos”, sugere-se que estes não têm assim tanta utilidade para o bem da família e da sociedade. Por isso, até convém não falar do contributo deste numeroso grupo para o crescimento da economia: não só pelo dinheiro que movimentam como também por alimentarem variados tipos de emprego e por serem a retaguarda de trabalhadores e famílias mais jovens; e que são o grande público-alvo de muitas iniciativas empresariais. Só interessa dizer que as pessoas mais idosas ou gravemente doentes ocupam excessivamente os hospitais, dificultando o atendimento à gente mais nova e mais rentável economicamente (por hipótese).

Apeteceria dizer, em conformidade com esta posição, que a “cré-tanásia” se devia estender a todas as pessoas inúteis e sobretudo às que fazem mal à sociedade, com especial incidência, no interesse do bem-estar geral, sobre “certos” políticos, dirigentes de bancos, etc… Enfim: um feliz regresso ao puro nazismo. Evidentemente, a lei louvaria a coragem de todos aqueles que, independentemente da idade ou profissão, escolhessem sacrificar-se ao bem público, aceitando a sua “cré-tanásia” …

Moral da história: a covid19 deixou bem à vista que a sociedade não se sabe preparar para a vida. Tem medo de sofrer, mas pouco ou nada se importa de fazer sofrer. Tem medo de morrer, mas não se importa de matar – aos outros e a si própria – mais ou menos violentamente. E utiliza outra modalidade de gerir a morte (a não confundir com a “cré-tanásia”) – a que podíamos chamar “crio-tanásia”: levar à “morte pelo frio” ou frieza nas relações humanas e nas estratégias de domínio e enriquecimento.

Outra moral da história: os movimentos em prol da vida humana (e onde muita gente dedica a vida à vida dos outros) dão frequentemente a imagem de ficarem presos ao sentido negativo de eutanásia: como se tivessem medo de identificar as causas reais da indiferença e desprezo para com o valor da vida. Perdem-se no jogo da burocracia: lei para lá, lei para cá, artigo para lá ou para cá, vírgulas e interrogações a mais ou a menos…

Precisa-se de coragem e bom-senso para abaixo-assinados contra as causas concretas, que multiplicam a indiferença e os ataques directos ao respeito devido a todos os seres humanos. E outros tantos abaixo-assinados pela promoção de atitudes e comportamentos que dêem mais vida à nossa vida, respeito sincero e relação amistosa.

Contra a corrupção e abuso de poder, sem medo de concretizar. Por exemplo: a nova escravatura no trabalho, que impede e até destrói a saúde física e psíquica, atitudes humanas e o desenvolvimento cultural, aniquilando os contributos positivos da família, utilizando mão-de-obra barata para a descartar, abusando notoriamente da gente nova mais responsável e matando à nascença muitos futuros promissores…

Ou a favor de explícito reconhecimento do valor de certas profissões em que mal pensamos – mas cuja actividade não só é imprescindível como especialmente dura e perigosa. Por exemplo, os recolectores do lixo, expostos a um arriscado ambiente higiénico e que não costumamos cumprimentar… Ou as forças de segurança, castigadas quantas vezes por terem que seguir ordens menos sensatas, acusadas e agredidas tanto por não aparecerem como por terem aparecido…

Temas? Basta olhar para a vida e meditar.

A sociedade precisa de ser mais criativa, para que todas as gerações promovam a vida. Cada pessoa, quando é a sua vez de sair do palco desta vida, deve entregar ao actor seguinte a deixa necessária para o final feliz do enredo da história humana.

Em todas as idades, cumpre-nos passar o testemunho de como é bom saber apreciar a maravilha que é viver.

Em todas as idades, é próprio do ser humano exercitar mentalidade aberta, livre de ideias feitas – a que nos podemos apegar sem razão suficiente; e ser capaz de auto-crítica, de aceitar opiniões novas, enriquecendo continuamente o nosso nível cultural.

Sentimentos positivos de respeito pela dignidade humana, racionalmente discutidos e fundamentados, são a fonte de atitudes e comportamentos que trarão respostas eficazes aos desafios da nebulosa e ideologicamente manipulada questão da eutanásia.

 

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado

 

Artigos relacionados

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Queremos multiplicar o número de leitores do 7MARGENS.
Todos os apoios são relevantes. E a ajuda para que seja cada vez mais vasta a nossa comunidade de leitores é imprescindível: com mais leitores poderemos ter mais apoios e com estes podemos fazer mais e melhor informação.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Abertura da nova sede do CELAM

Francisco relembra as três idolatrias

Recusem a mediocridade espiritual, o pragmatismo dos números e o funcionalismo que sempre ameaçam a marcha do Povo de Deus, recomendou o Papa Francisco aos bispos latino-americanos na sua mensagem por ocasião da inauguração da nova sede do Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (CELAM).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

No Mosteiro Trapista de Palaçoulo

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

Filha de Trás-os-Montes e Alto Douro, acolhi com muita alegria a notícia da construção de um Mosteiro Cisterciense Trapista no planalto mirandês. Monjas italianas escolheram Portugal e estabeleceram-se aqui. Neste lugar aberto às montanhas azuis, ao longe; terra ressequida de xisto: urze, estevas, plantas rasteiras, juntamente com velhos carvalhos e sobreiros. Terra amarela do centeio. Cabras, ovelhas, vacas – o que resta. Nas aldeias, casas fechadas, tantas…

É notícia

Entre margens

Na ressaca da abundância

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Férias — a alegoria das formigas

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias. Até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48. E destes apenas três são tempo de férias.

É possível sonhar na velhice e alcançar

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Cultura e artes

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This