Covid ataca eu-tanásia e faz dela “cré”-tanásia?

| 16 Jul 20

(Cré-tanásia – a partir do grego: morte utilitária, conveniente, necessária)

Até parece: depois da preocupação (sincera?) com os “idosos”, sugere-se que estes não têm assim tanta utilidade para o bem da família e da sociedade. Por isso, até convém não falar do contributo deste numeroso grupo para o crescimento da economia: não só pelo dinheiro que movimentam como também por alimentarem variados tipos de emprego e por serem a retaguarda de trabalhadores e famílias mais jovens; e que são o grande público-alvo de muitas iniciativas empresariais. Só interessa dizer que as pessoas mais idosas ou gravemente doentes ocupam excessivamente os hospitais, dificultando o atendimento à gente mais nova e mais rentável economicamente (por hipótese).

Apeteceria dizer, em conformidade com esta posição, que a “cré-tanásia” se devia estender a todas as pessoas inúteis e sobretudo às que fazem mal à sociedade, com especial incidência, no interesse do bem-estar geral, sobre “certos” políticos, dirigentes de bancos, etc… Enfim: um feliz regresso ao puro nazismo. Evidentemente, a lei louvaria a coragem de todos aqueles que, independentemente da idade ou profissão, escolhessem sacrificar-se ao bem público, aceitando a sua “cré-tanásia” …

Moral da história: a covid19 deixou bem à vista que a sociedade não se sabe preparar para a vida. Tem medo de sofrer, mas pouco ou nada se importa de fazer sofrer. Tem medo de morrer, mas não se importa de matar – aos outros e a si própria – mais ou menos violentamente. E utiliza outra modalidade de gerir a morte (a não confundir com a “cré-tanásia”) – a que podíamos chamar “crio-tanásia”: levar à “morte pelo frio” ou frieza nas relações humanas e nas estratégias de domínio e enriquecimento.

Outra moral da história: os movimentos em prol da vida humana (e onde muita gente dedica a vida à vida dos outros) dão frequentemente a imagem de ficarem presos ao sentido negativo de eutanásia: como se tivessem medo de identificar as causas reais da indiferença e desprezo para com o valor da vida. Perdem-se no jogo da burocracia: lei para lá, lei para cá, artigo para lá ou para cá, vírgulas e interrogações a mais ou a menos…

Precisa-se de coragem e bom-senso para abaixo-assinados contra as causas concretas, que multiplicam a indiferença e os ataques directos ao respeito devido a todos os seres humanos. E outros tantos abaixo-assinados pela promoção de atitudes e comportamentos que dêem mais vida à nossa vida, respeito sincero e relação amistosa.

Contra a corrupção e abuso de poder, sem medo de concretizar. Por exemplo: a nova escravatura no trabalho, que impede e até destrói a saúde física e psíquica, atitudes humanas e o desenvolvimento cultural, aniquilando os contributos positivos da família, utilizando mão-de-obra barata para a descartar, abusando notoriamente da gente nova mais responsável e matando à nascença muitos futuros promissores…

Ou a favor de explícito reconhecimento do valor de certas profissões em que mal pensamos – mas cuja actividade não só é imprescindível como especialmente dura e perigosa. Por exemplo, os recolectores do lixo, expostos a um arriscado ambiente higiénico e que não costumamos cumprimentar… Ou as forças de segurança, castigadas quantas vezes por terem que seguir ordens menos sensatas, acusadas e agredidas tanto por não aparecerem como por terem aparecido…

Temas? Basta olhar para a vida e meditar.

A sociedade precisa de ser mais criativa, para que todas as gerações promovam a vida. Cada pessoa, quando é a sua vez de sair do palco desta vida, deve entregar ao actor seguinte a deixa necessária para o final feliz do enredo da história humana.

Em todas as idades, cumpre-nos passar o testemunho de como é bom saber apreciar a maravilha que é viver.

Em todas as idades, é próprio do ser humano exercitar mentalidade aberta, livre de ideias feitas – a que nos podemos apegar sem razão suficiente; e ser capaz de auto-crítica, de aceitar opiniões novas, enriquecendo continuamente o nosso nível cultural.

Sentimentos positivos de respeito pela dignidade humana, racionalmente discutidos e fundamentados, são a fonte de atitudes e comportamentos que trarão respostas eficazes aos desafios da nebulosa e ideologicamente manipulada questão da eutanásia.

 

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This