“Cozinhar é um modo de amar os outros”

| 8 Nov 18

A situação é mais grave nos países em vias de desenvolvimento “que não têm sistemas de saúde capazes de responder”, disse Francisco Sarmento, da FAO (foto Markus Spiske/temporausch.com/Pexels)

Debate na Mesquita Central de Lisboa realça papel das religiões na promoção de uma alimentação saudável, valorizando o acto de comer e os sistemas tradicionais de produção. 

“Cozinhar é um modo de amar os outros” – as palavras de Mia Couto serviram de ingrediente para uma conversa servida na Mesquita Central de Lisboa com uma pergunta na ementa: “Como alimentar a Humanidade de forma sustentável?”  

O debate, realizado na noite de terça, 6 de Novembro, foi promovido pelo Clube de Filosofia Al-Mu’tamid, uma parceria entre a Comunidade Islâmica de Lisboa e a Área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona, que todos os meses organiza um jantar-tertúlia ao salão principal da Mesquita.  

Francisco Sarmento, o representante da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) em Portugal, abriu o apetite da conversa citando o poeta moçambicano, biólogo e escritor, para realçar a importância de se encarar a alimentação com responsabilidade ética: “Cozinhar é o mais privado e arriscado acto, no alimento se coloca ternura e ódio, na panela se verte tempero ou veneno. Cozinhar não é um serviço, cozinhar é um modo de amar os outros.”

A partir das palavras de Mia Couto, Sarmento salientou que “alimentação e sustentabilidade têm de estar juntas”, pois “não se pode alimentar a Humanidade de forma insustentável”.

Especialista em gestão alimentar e políticas agrícolas, o representante da FAO alertou para o novo problema da produção excessiva de calorias, em vez de nutrientes, que faz aumentar a incidência de doenças como a obesidade ou a diabetes, desencadeando indirectamente, entre outros dramas, a exclusão social e o absentismo laboral. A situação é mais grave nos países em vias de desenvolvimento “que não têm sistemas de saúde capazes de responder”, afirmou. Francisco Sarmento alertou ainda para a necessidade de “mudarem os padrões de consumo alimentar, com a evolução para dietas” mais saudáveis e ecologicamente sustentáveis e admitiu que esta discussão pode ser frustrante: as soluções são conhecidas mas parece faltar vontade política para contrariar uma “alimentação cada vez mais industrializada, que afecta os grupos mais desfavorecidos”.

A preocupação social foi reforçada pelo presidente da Cáritas Portuguesa, Eugénio Fonseca. “A comida não deve ser um negócio”, disse, lembrando que “não se pode desligar o modelo económico da realidade da má alimentação e suas consequências”.

Para Eugénio Fonseca é inconcebível que 1,2 mil milhões de pessoas tenham hoje insuficiência alimentar e fome crónica, quando nos países desenvolvidos “se produz em excesso e se come demais” deixando o que sobra para as redes de solidariedade. O presidente da Cáritas critica as acções de luta contra o desperdício, “que se limitam a distribuir os excessos, mantendo a pobreza, em vez de actuarem no início do sistema de produção”, desencadeando assim políticas de combate às desigualdades e à pobreza.

As estruturas sociais, incluindo as religiosas, “têm um papel pedagógico na alimentação saudável, valorizando o acto de comer e os sistemas tradicionais de produção”, acrescentou Francisco Sarmento, insistindo no reforço “dos produtores familiares, ligando o meio-ambiente à agricultura, reconstruindo sistemas localizados, de proximidade, na produção e na confecção”, para atenuar o uso químico de conservantes.

Paulo Mendes Pinto, coordenador da Área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona, lembrou que as religiões, e sobretudo os monoteísmos, “em que a refeição é central na sociabilização e na prática religiosa, valorizam o acto de comer”. As narrativas religiosas monoteístas, acrescentou, falam num “mandato” dado ao homem para distribuir com justiça e “cuidar da Terra participando no acto da Criação”. O desafio religioso é o da “igualdade”, concluiu, “a alimentação é uma responsabilidade ética”, sendo por isso “assustador voltar a ver imagens de crianças a morrer à fome quando se sabe como superar essa carência”.

Entre os participantes no debate, esteve também o embaixador de Israel, Raphael Gamzou, e o deputado israelita Josse Jonnah, do Partido Trabalhista de Israel, que interveio para realçar a “responsabilidade das religiões”, pois o problema da alimentação e até das alterações climáticas, “é consequência do comportamento humano”.

O deputado, que é também professor de filosofia na Universidade de Ben-Gurion, lembrou o exemplo de Israel no aproveitamento sustentável e cuidadoso dos recursos naturais e propôs o intercâmbio de conhecimentos de forma a “promover a uma gestão sustentável”.

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Pessoas

Considerado “inocente” após investigação de abusos, padre Mário Rui critica Comissão Independente e Diocesana

"Processo sofrido e vexatório"

Considerado “inocente” após investigação de abusos, padre Mário Rui critica Comissão Independente e Diocesana novidade

O padre Mário Rui Pedras – um dos quatro do Patriarcado de Lisboa que esteve suspenso do exercício de funções públicas por acusações de abusos sexuais e que entretanto tinha voltado a celebrar missa publicamente, assim que a investigação prévia terminou sem acusações – foi considerado inocente pela Comissão de Proteção de Menores e Adultos Vulneráveis, afirmou o Patriarcado em comunicado divulgado esta segunda-feira, 15 de abril. Numa mensagem que entretanto dirigiu aos seus paroquianos, o visado tece duras críticas à atuação da Comissão Independente e da Comissão Diocesana.

Sete Partidas

Por quem os sinos dobram

Por quem os sinos dobram

Nas férias da passagem de ano li Não Terão o Meu Ódio, o diário que Antoine Leiris escreveu nos dias que se seguiram ao ataque ao Bataclan [em Paris], onde perdeu a sua companheira. O quotidiano subitamente rasgado pela violência. As coisas simples: a hora do banho do filhinho, as papas que as mães de outras crianças do infantário preparavam para o bebé, os vestígios da existência da companheira no cheiro das coisas espalhadas pela casa, nos rituais. E em tudo, para sempre: a sua ausência. [Texto de Helena Araújo]

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Interfaces relacionais insubstituíveis

Interfaces relacionais insubstituíveis novidade

Numa típica sala de aula do século XVIII, repleta de jovens alunos mergulhados em cálculos e murmúrios, um desafio fora lançado pelo professor J.G. Büttner: somar todos os números de 1 a 100. A esperança de Büttner era a de ter um momento de paz ao propor aquela aborrecida e morosa tarefa. Enquanto rabiscos e contas se multiplicavam em folhas de papel, um dos rapazes, sentado discretamente ao fundo, observava os números com um olhar penetrante. [Texto de Miguel Panão]

“Cada bispo é rei no seu reinado”

“Cada bispo é rei no seu reinado” novidade

No trabalho da Comissão Independente (CI) confrontámo-nos bem cedo com o facto de a Igreja Católica portuguesa (ICP) estar longe de ser um edifício piramidal compacto, organizado numa hierarquia firme, onde a ordem se impõe naturalmente de cima para baixo. Nada disso. Encontrámos uma estrutura de tipo “feudal”, fragmentada, consolidada ora em territórios geográficos e sociais com características históricas próprias (as dioceses) ora em carismas e esferas de ação distinta (as ordens religiosas). [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This