Temas raciais e LGBTQ+ os mais visados

Campanha para proibir certos livros nas escolas americanas já atingiu 1640 títulos

| 19 Set 2022

livros, homossexualidade

Entre os mais de 1.640 livros proibidos ou colocados na sombra em cinco mil escolas dos EUA, 674 títulos abordam explicitamente temas LGBTQ+ ou têm protagonistas (ou personagens secundários proeminentes) que são LGBTQ+. Foto © 7Margens.

 

Mais de 1.640 títulos de livros foram proibidos em cerca de cinco mil escolas dos EUA ao longo do ano letivo 2021-2022, revela um estudo publicado hoje, 19 de setembro, pelo PEN America, que calcula em cerca de quatro milhões o número de estudantes afetados pelas proscrições.

Os dados recolhidos pelo estudo evidenciam “o ritmo cada vez mais rápido com que categorias inteiras de livros estão a ser retirados das prateleiras das salas de aula e das bibliotecas escolares”, atingindo “especialmente as obras com protagonistas de cor, as que abordam questões de raça e as com personagens e temas LGBTQ+”. Em termos mais precisos: 674 títulos proibidos (41%) abordam explicitamente temas LGBTQ+ ou têm protagonistas (ou personagens secundários proeminentes) que são LGBTQ+; 659 títulos proibidos (40%) têm protagonistas (ou personagens secundários proeminentes) de cor; finalmente, 338 títulos proibidos (21%) abordam diretamente questões de raça e racismo.

Por outro lado, o relatório do PEN America estima que pelo menos 40 por cento das proibições estão ligadas a pressões políticas, ou a legislação destinada a restringir o ensino e a aprendizagem.

Este é um dos aspetos que mais preocupa Suzanne Nossel, diretora executiva do PEN América, para quem a investigação mostra que, ao contrário do que se pensa, “as proibições de livros” nas escolas não resultam da intervenção “de cidadãos individuais preocupados”, mas sim “de uma campanha coordenada para banir certos livros”, campanha “lançada por organizações sofisticadas, ideológicas e com muitos recursos”. Segundo Nossel, “este movimento de censura está a transformar as escolas públicas em campos de batalha política, criando clivagens nas comunidades, excluindo professores e bibliotecários dos seus empregos e lançando um balde de água fria sobre o espírito de investigação aberta e a liberdade intelectual que sustentam uma democracia florescente”.

De igual modo, Jonathan Friedman, diretor dos Programas de Expressão e Educação do PEN America e principal autor do relatório, afirmou que as campanhas organizadas para proibir certos livros nas escolas e nas bibliotecas escolares “retira a um número cada vez maior de estudantes o acesso à literatura que os tornaria aptos a enfrentar os desafios e as complexidades da cidadania democrática”, acrescentando: “O trabalho de grupos que organizam e defendem a proibição de livros nas escolas é especialmente prejudicial para estudantes de origens historicamente marginalizadas, que vêm desaparecer das salas de aula e das prateleiras das bibliotecas escolares as histórias que validam as suas vidas.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This