Crianças passam cada vez mais tempo nas creches e não há incentivos para famílias mais pobres

| 27 Nov 19

Deve cuidar-se da dimensão educativa, mas ter cuidado para não sacrificar a criança à produtividade, alerta Maria Emília Brederode Santos. Foto © Pixabay[/caption]

 

Dez horas por semana – é o tempo a mais em relação à média europeia que os bebés e as crianças portuguesas passam nas creches, amas e jardins-de-infância. Os dados foram publicados num relatório anual preparado pelo Conselho Nacional de Educação. Com mais de 300 páginas, o documento, citado pela Renascença, apresenta outros dados: a taxa de cobertura das respostas sociais para a primeira infância (amas e creches) registou um crescimento nos últimos dez anos; Portugal tem uma taxa de cobertura de 36,7%, nas respostas sociais para crianças com menos de três anos, o que é superior à média da OCDE e da União Europeia; a taxa de pré-escolarização (dos três aos cinco anos) registou um crescimento, situando-se atualmente nos 90%.

O estudo, divulgado nesta terça-feira, 26 de novembro, mostra que as crianças com menos de três anos passam, em média, 39,1 horas por semana nas creches e amas, enquanto as crianças com mais de três anos passam 38,5 horas – tempos que são “dos mais elevados de entre os países da União Europeia”, onde a média para as crianças com menos de três anos é de 27,4 horas e, para as de mais de três anos, é de 29,5 horas.

 
“Quase uma semana de trabalho pesado”

Como refere a presidente do Conselho Nacional de Educação, Maria Emília Brederode Santos, em entrevista à Renascença, “é quase uma semana de trabalho e do trabalho pesado, não é das 35 horas.” A responsável defende que deve existir um reforço da componente educativa na primeira infância, mas com cautelas. “Por um lado, acho que se deve reforçar a dimensão educativa,” acrescenta, mas “tem de se ter muito cuidado para não estar a sacrificar o interesse da criança à produtividade e ao facto de os pais terem de trabalhar durante tantas horas.”

Outro fator que também causa frustração nos jovens pais é o preço de admissão em creches financiadas pelo Estado, pertencentes a IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social). Em resposta a uma pergunta do Público, o Instituto da Segurança Social confirma que as instituições não estão sujeitas a quaisquer quotas que as obriguem a aceitar determinadas percentagens de utentes de cada escalão de rendimentos, nomeadamente de famílias mais pobres.

Desta forma, o financiamento do Estado a estas instituições (mais de 1,2 mil milhões de euros por ano) não depende dos rendimentos dos utentes ou das suas famílias, acrescenta a mesma fonte. O subsídio é atribuído por cabeça e é fixado, de dois em dois anos, nos protocolos estabelecidos entre os ministérios da tutela e as organizações que representam o setor. A partir daí, as instituições são livres de determinar o valor que os utentes têm que pagar, em função dos rendimentos dos agregados familiares e de acordo com os critérios estabelecidos por cada uma delas.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?” novidade

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco