Para “construir uma fortaleza”

Crianças polacas derrubam lápides de sepulturas judaicas

| 29 Jun 21

 

Antisemitismo. Judaísmo. Berlim. Alemanha

Folhas Caídas, instalação de Menashe Kadishman no Museu Judaico de Berlim: 10 mil rostos feitos de ferro, que podem ser pisados. Foto © António Marujo

 

Cinco crianças polacas derrubaram 63 lápides de sepulturas judaicas porque queriam utilizar as lajes para construir uma fortaleza, disseram à polícia.

As crianças, de 12 anos de idade, tinham estado a trabalhar no projecto durante vários dias no cemitério desactivado em Wroclaw, na Polónia ocidental, informou a Gazeta Wyborcza na quinta-feira, 24. Depois disso, a polícia deteve-os ao ouvir ruídos de martelos na quarta-feira. Algumas das lápides foram esmagadas, enquanto outras foram parcialmente danificadas e derrubadas, noticia agora o Jewish News.

Dias antes, tinha sido noticiado que, na Polónia oriental, uma lápide de uma sepultura judaica que tinha sido utilizada há décadas como material de construção em Kraśnik foi extraída de uma calçada e colocada no cemitério judeu local. A lápide foi descoberta há três anos após o pavimento que a cobria ter rachado. A acção burocrática que então foi lançada para substituir a pedra teve finalmente consequências.

Em Bielsko-Biala, no sul do país, a cidade está a planear construir um espaço comemorativo com lápides judaicas, em reconhecimento da destruição do cemitério judeu ali existente nos anos 60. Um centro desportivo foi construído no local, informara a Gazeta Wyborcza no início deste mês.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This