Amnistia Internacional

Crianças são alvo de grupos armados no Níger

| 13 Set 2021

Crianças estão em perigo no Níger. Foto © Mamoudou L. Kane / Amnesty International

 

Há cada vez mais crianças a morrerem ou a serem recrutadas por grupos armados, em conflitos que assolam as fronteiras do Níger com o Mali e o Burkina Faso, denuncia a Amnistia Internacional (AI), num relatório divulgado nesta segunda-feira, 13.

“Não tenho nada mais a não ser eu mesmo – O impacto devastador nas crianças em situação de conflito na região Tillabéri do Níger” é o título deste documento, que explica que os conflitos envolvem grupos armados do designado Estado Islâmico no Grande Sara (ISGS, na sigla inglesa) e da Jama’at Nusrat al-Islam wal-Muslimin (JNIM), filiada na Al-Qaeda.

De acordo com um comunicado desta organização de defesa de direitos humanos, os dois grupos já “cometeram crimes de guerra e outros abusos, como o assassinato de civis e a perseguição/destruição de escolas”, notando ainda que “devido à intensidade da violência e ao nível de organização do ISGS e da JNIM, a Amnistia Internacional considera a situação no Níger um conflito armado não internacional”.

No relatório (em inglês) agora divulgado, a AI regista alguns números expressivos: “A violência contra civis resultou em 544 mortes relacionadas com o conflito entre 1 de janeiro e 29 de julho de 2021 no Níger, valor que já ultrapassou as 397 mortes de 2020.” Entre as vítimas, contam-se mais de 60 crianças mortas às mãos dos grupos armados na zona das três fronteiras do Níger, só neste ano de 2021. 

“O ISGS, que opera principalmente na fronteira com o Mali, parece ser o responsável pela maior parte das mortes em grande escala. Em algumas zonas, as mulheres e raparigas têm sido impedidas de realizar atividades no exterior, enfrentando o risco de rapto ou casamento forçado com combatentes”, acrescenta a Amnistia.

 

Mãe e filha no Níger. Foto © Mamoudou L. Kane / Amnesty International

 

Entre outros dados avançados pelo relatório está o facto de o recrutamento de crianças pela JNIM ter aumentado “significativamente”, no decorrer deste ano de 2021, perto da fronteira do Burkina Faso (na região de Torodi). “De acordo com testemunhas, a JNIM procura homens jovens e rapazes entre os 15 e os 17 anos, às vezes mais novos, incentivando-os com comida, dinheiro e vestuário”, relata a AI. 

Estes dois grupos armados têm também como alvo a educação das crianças da região: escolas foram queimadas e professores ameaçados, pelo ISGS e pela JNIM, “o que resultou num encerramento generalizado de estabelecimentos educativos”. 

Os números são, de novo, expressivos: “Em junho de 2021, pelo menos 377 escolas na região de Tillabéri tinham encerrado, privando mais de 31.000 crianças do acesso à educação. Os grupos armados também assaltaram instalações de saúde, dificultando o acesso das crianças aos cuidados de saúde. Devido a isso, as taxas de imunização baixaram e doenças como o sarampo estão a aumentar.”

Outros alvos relatados no documento divulgado esta segunda-feira são estabelecimentos de venda de cereais que foram incendiados; e há ainda o registo de animais roubados, o que deixa “as famílias, especialmente crianças, a enfrentarem riscos acrescidos de subnutrição e doenças relacionadas”.

 

Bispos e Governo timorense renovam acordo de cooperação

20 anos de independência

Bispos e Governo timorense renovam acordo de cooperação novidade

O primeiro-ministro de Timor-Leste, Taur Matan Ruak, e o presidente da Conferência Episcopal Timorense (CET), o bispo Norberto do Amaral, de Maliana, renovaram um acordo de cooperação que alarga uma cláusula da Concordata entre o país de maioria católica e o Vaticano e que atribui à Igreja Católica a gestão de 15 milhões de dólares (cerca de 14 milhões, 171 mil euros).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Santuário católico vandalizado na Índia

Tensão entre religiões

Santuário católico vandalizado na Índia novidade

As tensões interreligiosas na Índia voltaram a conhecer novos episódios, depois da vandalização por desconhecidos de estátuas de Maria, do Menino Jesus e do Sagrado Coração de Jesus num santuário no estado de Andhra Pradesh, causando “choque entre os católicos locais”. Um articulista ataca o ódio incentivado por “fascistas” contra as minorias cristãs e muçulmanas.

Sermos pessoas “Laudato Si’” sem esforço

Sermos pessoas “Laudato Si’” sem esforço novidade

Há quase dois anos que em nossa casa deixámos de comprar iogurtes e começámos a fazê-los em casa. Um dia fizemos as contas e essa pequena mudança representa cerca de 1000 embalagens de plástico que deixámos de consumir. Se 1000 famílias fizessem como nós, seria 1 tonelada a menos de plástico. As grandes mudanças começam pelas pequenas.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This