Crimes, denúncias e outras farfúncias

| 30 Set 20

A sociedade portuguesa está cada vez mais extremada, o que não augura nada de bom. O caso de Rui Pinto – um pirata informático transformado em herói – é exemplar na arte de dividir a opinião pública.

 

Segundo um inquérito realizado pela Intercampus para o Jornal de Negócios e o Correio da Manhã, cerca de metade dos participantes vê o denunciante português como um herói, e uma esmagadora maioria de 87,6% considera que a justiça devia utilizar as informações que o denunciante português recolheu ilegalmente,

Vejam-se os casos Football Leaks e Luanda Leaks, sobre os quais o jovem divulgou “informação e documentos sigilosos que ajudaram a expor vários crimes, como fraudes fiscais e corrupção no mundo do futebol.” Todavia, mais de 81,6% dos inquiridos não acreditam que a justiça consiga punir os culpados pelo descalabro do BES.

Este panorama merece algumas reflexões.

Desde logo configura a falência do sistema judiciário, que se revela impotente para investigar com sucesso os crimes económicos no âmbito do quadro legal e constitucional em que vivemos. Parece que necessita de recorrer a quem se move através de meios ilegais e criminais para o conseguir. Se a ética pública é uma batata, então os fins justificam os meios. Se é assim seremos hoje discípulos de Maquiavel: “O que é de desejar é que se o facto for condenável, o resultado desculpá-lo-á; se o resultado for bom, será aceite” (Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio, 1531).

Consta que Rui Pinto poderá vir a ser recrutado (se o não foi já) para trabalhar ao serviço da Polícia Judiciária. Sabe-se que terá havido um braço de ferro no sentido de o hacker descodificar grande parte da informação recolhida ilegalmente, permitindo o seu acesso aos agentes da PJ, e que a sua libertação terá sido moeda de troca neste acordo, incluindo as declarações públicas do director daquela polícia em abono do jovem, assim como a sua disponibilidade como testemunha a seu favor.

Como cidadão, creio que o sistema de justiça deve utilizar toda a informação de que dispõe, uma vez que a ilegitimidade dos meios de prova funciona frequentemente como uma chico-espertice usada para livrar os criminosos da alçada da lei. Já temos casos suficientes na nossa história judicial para o confirmar, até de altos dirigentes desportivos (como no caso Apito Dourado), em que toda a gente sabe que foram cometidos crimes, mas foi o vício de forma no processo de obtenção de prova que então inviabilizou a possibilidade de se fazer justiça.

Outra questão é fechar ou não os olhos ao conjunto de crimes cometidos por Rui Pinto. Não sei se terá tentado ou não extorquir verbas ao fundo Doyen, mas a máxima popular “ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão”, por mais que possa sugerir um fundo moral (e até um secreto desejo de vingança), não se pode aplicar à Justiça. De todo.

Sabe-se, porém, que Rui Pinto invadiu a correspondência, arquivos e demais ficheiros informáticos de advogados, empresas e até de procuradores do Ministério Público. Ora, tais comportamentos estão claramente tipificados como crimes no nosso quadro legal (crimes de acesso indevido, de violação de correspondência, acesso ilegítimo, sabotagem informática e extorsão na forma tentada), estando a eles associadas penalizações. O estado de Direito não pode pactuar com tais comportamentos. Se um homem com fome rouba uma galinha para dar de comer aos filhos é penalizado, mas se alguém provoca graves danos na vida profissional dum advogado, destruindo-lhe o sagrado capital de confiança entre ele e os seus constituintes e provocando graves danos económicos, chamam-lhe herói? Herói de quê? Só se for dos piratas.

Entretanto é confrangedor ouvir a candidata presidencial Ana Gomes na defesa cerrada dum alegado criminoso em nome da luta contra a corrupção. Que sinal está a dar aos criminosos, caso viesse a ganhar as eleições, ao fechar os olhos às ilicitudes de acordo com os interesses do momento? Ana Gomes pode estar a destruir uma candidatura que até é útil, por causa destes tiques populistas e atentatórios do estado de Direito.

Quando a guarda do templo de Jerusalém, seguindo Judas Iscariotes, veio prender Jesus no Getsémani, Pedro sacou duma adaga e tentou rachar a cabeça a um dos servos do sumo-sacerdote, de nome Malco, o qual se deve ter desviado e acabou apenas com a orelha cortada: “Então Simão Pedro, que tinha espada, desembainhou-a, e feriu o servo do sumo-sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. E o nome do servo era Malco.” (João 18:10).

Mas Jesus reagiu de imediato: “Deixai-os; basta. E, tocando-lhe a orelha, o curou” (Lucas 22:51). E acrescentou: “Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão.” (Mateus 26:52). Ou seja, quem atropela a lei, seja por que motivo for, corre o risco de acabar atropelado por ela. Portanto, investiguem-se, julguem-se e punam-se todos os alegados crimes, tanto os denunciados como os do denunciante.

Faça-se justiça.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Antigo engenheiro militar sucede a Barbarin como arcebispo de Lyon

O Papa nomeou esta quinta-feira, 22 de outubro, Olivier de Germay, até agora bispo de Ajaccio (na Córsega), como novo arcebispo de Lyon. Está assim encontrado o sucessor do cardeal Philippe Barbarin, cuja renúncia tinha sido aceite por Francisco em março deste ano. 

Declarações do Papa sobre homossexuais “não afetam a doutrina da Igreja”, dizem bispos portugueses

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considera que as declarações do Papa sobre a proteção legal a uniões de pessoas do mesmo sexo “não afetam a doutrina da Igreja” sobre o matrimónio. Em nota enviada à agência Ecclesia esta quarta-feira, 22, os bispos portugueses sublinham que as afirmações de Francisco contidas no novo documentário “Francesco” já eram conhecidas anteriormente e “revelam a atenção constante do Papa às necessidades reais da vida concreta das pessoas”.

Índia: Bispos fazem greve de fome em defesa das escolas cristãs

Três bispos católicos fizeram greve de fome na passada terça-feira, 20 de outubro, diante da Secretaria de Estado de Kerala (um dos 28 estados indianos), para reivindicar o cumprimento dos direitos constitucionais das escolas cristãs no país, divulgou a UCA News.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Luto nacional a 2 de novembro, missa pelas vítimas da pandemia no dia 14

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 22, o decreto que declara a próxima segunda-feira, 2 de novembro, dia de luto nacional “como forma de prestar homenagem a todos os falecidos, em especial às vítimas da pandemia”. No próximo dia 14 de novembro, será a vez de a Conferência Episcopal Portuguesa celebrar uma eucaristia de sufrágio pelas pessoas que já faleceram devido à covid-19 no nosso país.

Camarões: Padre jesuíta detido por fazer uma peregrinação a pé

Ludovic Lado, um padre jesuíta que se preparava para iniciar, sozinho e a pé, uma “peregrinação pela paz” entre as cidades de Japoma e Yaoundé, capital dos Camarões, foi detido pela polícia, que o acusou de estar a praticar uma “atividade ilegal na via pública”. O padre foi depois submetido a um interrogatório, onde o questionaram sobre eventuais motivações políticas e lhe perguntaram especificamente se era apoiante do líder da oposição, Maurice Kamto.

Twitter segue exemplo do Facebook e proíbe negação do Holocausto

Depois do Facebook, agora foi a vez de o Twitter banir da sua rede social conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto. “Condenamos fortemente o antissemitismo e a conduta de ódio não tem lugar absolutamente  nenhum no nosso serviço”, afirmou um porta-voz da empresa em comunicado à imprensa. O responsável garantiu também que irão agir “contra conteúdos que glorifiquem ou elogiem atos históricos de violência e genocídio, incluindo o Holocausto”.

Entre margens

… E as Cuidadoras? novidade

Durante o confinamento reli um livro de que muito gosto, “Passagens” de Teolinda Gersão, que ganhou o Prémio Fernando Namora em 2015. Trata-se de uma obra escrita a várias vozes, tomando como ponto de partida uma senhora idosa (Srª D. Ana, ex-farmacêutica) que morre durante o sono no lar onde residia. Ao longo do livro várias “falas” se fazem ouvir à sua volta, enquanto repousa no caixão na capela do lar.

A pena de morte na visão de Francisco: clareza e inspiração

Em boa hora este documento. Custa acreditar que a Igreja Católica, na sua representação máxima, tenha demorado 20 séculos após o nascimento do fundador do cristianismo – que foi vítima de pena de morte – a tomar posição inequívoca e final sobre o tema. Outros antecessores falaram sobre este assunto, Francisco encerra-o.

Ter ou ‘Bem Viver’?

“Todos nós, seres humanos, nascemos nesta terra com a mesma dignidade (…). Se alguém não tem o necessário para viver com dignidade, é porque outrem se está a apropriar do que lhe é devido.” Na encíclica Fratelli Tutti (“Todos irmãos”), caída ao húmus do mundo no início do outono, o papa Francisco desfaz o estuque do grande pilar do capitalismo e da grande ilusão do ocidente: a propriedade privada. E propõe: e se à ideia de propriedade sobrepuséssemos a de solidariedade?

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco