Crise económica e renovação da democracia nas Conferências de Maio

| 18 Mai 21

“Quero trabalhar.” A crise desde 2008 atingiu trabalhadores por todo o mundo. Foto: Direitos reservados

A crise económica e social é o tema da terceira das Conferências de Maio, que decorre nesta quarta-feira, 19, via vídeo. Na próxima semana o tema é a renovação da política. Para falar sobre a economia, esta conferência conta com a participação do economista Carlos Farinha Rodrigues, da presidente da Cáritas Portuguesa, Rita Valadas, e de Rita Sacramento Monteiro, uma das dinamizadoras da iniciativa A Economia de Francesco, em Portugal.

Este ano, o ciclo de debates promovido pelo Centro de Reflexão Cristã (CRC), de Lisboa, pretende debater as quatro crises identificadas pelo Papa Francisco no discurso do início deste ano ao Corpo Diplomático e os modos de “renovar a esperança para lá da pandemia”.

As quatro conferências estão a realizar-se através da via digital, às quartas-feiras, sempre a partir das 18h, através da plataforma Zoom, com o ID da reunião 814 2179 7207 e a senha de acesso 774423.

Na próxima semana, a última das Conferências de Maio debruça-se sobre “Renovar a política e a democracia”. O tema será debatido por Isabel Capeloa Gil (reitora da Universidade Católica), Isabel Estrada Carvalhais (eurodeputada pelo Partido Socialista) e Sara Belo Luís (jornalista da Visão).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This