Cristãos dispostos a ser presos pelo clima na Rebelião da Extinção

| 25 Abr 19

Um filme da primeira semana dos protestos em Londres, num vídeo do The Guardian, disponível também no canal YouTube.

 

Nove dias depois do início dos protestos da Extinction Rebellion (Rebelião da Extinção) em Londres, no dia 15, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI/WCC) decidiu publicar uma foto-galeria na sua página digital mostrando o modo como a tradição cristã da desobediência civil não-violenta está activa também nestes protestos de Londres contra as mudanças climáticas e a ausência de decisões políticas eficazes sobre a matéria. Alguns deles admitem ser presos enquanto o CMI, que reúne três centenas e meia de igrejas protestantes e ortodoxas, pretende com esta iniciativa fotográfica fazer crescer a participação cristã nos protestos da mudança climática.

O fotógrafo Sean Hawkey retrata várias pessoas – incluindo padres anglicanos – envolvidos na manifestação, que tem crescido nos últimos dias: em Londres, mais de mil activistas já foram detidos, depois de terem controlado ou bloqueado várias ruas e praças; e em Paris, na sexta-feira, também se registou uma manifestação contra a “República dos Poluidores”.

Nas fotos divulgadas na página do CMI, podem ver-se pessoas de diferentes gerações a serem presas, outras a dormir no chão, outras a manifestar-se com cartazes…

Giles Goddard, vigário anglicano de St John’s, Waterloo, decidiu ajudar os manifestantes abrindo a igreja para que eles possam descansar. “Concretizo a fé através da rede climática. Todas as principais religiões têm o cuidado com a criação no centro do que elas prezam. Agora, mais do que nunca, é extremamente urgente que tomemos medidas pelo cuidado da criação de que somos responsáveis”, diz, citado pelo CMI.

Giles Goddard, vigário anglicano de St John’s: “É extremamente urgente que tomemos medidas pelo cuidado da criação”. Foto © Sean Hawkey/WCC

 

Outro clérigo, no caso o padre católico da congregação dos passionistas, Martin Newell, justifica deste modo a sua participação: “Estou aqui porque temos uma emergência climática, precisamos de fazer mudanças radicais na nossa economia e, para isso, precisamos de um terramoto político. Para que isso aconteça, precisamos de uma revolta civil não-violenta.”

O padre Newell, que integra também a Christian Climate Action (Acção Cristã pelo Clima) acrescenta outras motivações e objectivos concretos: “Precisamos de ter uma economia de carbono zero até 2030, o mais tardar. Este tipo de mudança não tem precedentes na história da humanidade, por isso queremos que o governo declare o estado de emergência e lide com a questão como uma emergência e não como de costume.”

Padre Martin Newell, católico: “Esse é o caminho da cruz, é o caminho que sou chamado a seguir nestas situações.” Foto © Sean Hawkey/WCC

 

A acção não-violenta pode, no entanto, ter consequências que o padre católico está disposto a enfrentar: “Ser preso, ir para a prisão, é algo que estou disposto a fazer. Não é algo que eu queira, tenho outras coisas que prefiro fazer com a minha vida, mas estou disposto a fazer algo para que a mudança aconteça. E há muitos de nós dispostos a fazer sacrifícios. Por mim, tento seguir Jesus, ele mostrou-nos o poder redentor do amor sofredor, na cruz e na sua paixão. Esse é o caminho da cruz, é o caminho que sou chamado a seguir nestas situações.”

A participação dos cristãos já se traduziu mesmo na organização de tempos de oração inter-religiosas, organizadas pela presbítera anglicana Helen Burnett, da paróquia de Caterham e que contou com a participação de Rowan Williams, ex-arcebispo de Cantuária e primaz da Comunhão Anglicana. “Há um profundo sentimento de crise espiritual que está profundamente entrelaçada com a crise ecológica que estamos a enfrentar. Este é um movimento que une tudo isso”, dizia também ao CMI.

A anglicana Helen Burnett, que já dinamizou momentos de oração durante os protestos: “A crise espiritual está profundamente entrelaçada com a crise ecológica.” Foto © Sean Hawkey/WCC

 

“À beira de um suicídio”, dizia o Papa

Na segunda metade de 2015, a propósito da Cimeira do Clima, em Paris, vários grupos cristãos mobilizaram-se para pressionar os governos no sentido de que estes tomem decisões concretas: uma peregrinação de cristãos atravessou vários países europeus, uma petição que congregou as redes Act Alliance (protestante) e Global Catholic Climate Movement (católica) reuniu quase um milhão de assinaturas. O texto, que tinha também o apoio explícito do Papa Francisco, afirmava: “A mudança climática afecta a todos, mas principalmente aos mais pobres e vulneráveis entre nós.”

No voo que o levou ao Quénia, Uganda e República Centro-Africana, pouco antes da Cimeira de Paris, naquele que foi um dos seus apelos mais dramáticos, o Papa dizia: “É agora ou nunca mais! Até hoje, fez-se pouca coisa e, cada ano que passa, os problemas são mais graves. Atingimos o limite! Estamos à beira de um suicídio – para usar uma palavra forte.”

O texto da encíclica tem servido também de inspiração para várias intervenções de cristãos no campo ambiental – quer individualmente, quer em diferentes organizações confessionais ou ecuménicas. Marcial Felgueiras confirma isso mesmo: “A Laudato Si’ é um texto profético para toda a Igreja [cristã], até vir a ser plenamente entendida e vivida pelos cristãos. Há muito caminho a fazer ainda e a encíclica pode ajudar.”

 

Um princípio fundamental do Deus da Bíblia

Uma manifestante a ser detida pela policia enquanto meditava na ponte de Waterloo, no centro de Londres. Foto © Sean Hawkey/WCC

 

“Preocupar-se com o conjunto da criação de Deus é um princípio fundamental do Deus da Bíblia e vital para o cumprimento da sua finalidade, para os seres humanos”, escreve Dave Bookless, pastor anglicano e director teológico de A Rocha, organização ambientalista de inspiração cristã. Ainda mais neste tempo em que as alterações climáticas e vários outros problemas colocam em questão a própria sobrevivência do planeta – da humanidade e da natureza em conjunto.

No livro Dieu, L’écologie et moi (Deus, a ecologia e eu), Dave Bookless acrescenta que a missão de salvação de Deus “não se destina apenas às pessoas que Deus criou, que ele ama, cuida e para as quais restaurou um relacionamento justo com Ele através de Jesus, mas abrange toda a criação”.

“Qualquer cidadão, com qualquer fé ou sem nenhuma, tem uma responsabilidade ambiental. Mas, para um cristão, essa responsabilidade tem um suporte bíblico, pois o primeiro mandamento é lavrar e cuidar da terra”, acrescentava, em declarações à revista Bíblica, Marcial Felgueiras, responsável da Cruzinha, o centro de interpretação e investigação de A Rocha no Algarve.

Esta não é um organização diferente de muitas outras, acrescenta o responsável português da organização. “O que nos torna únicos é combinarmos diferentes características, sendo uma delas a fé cristã, pela esperança que ela nos traz de que o mundo criado pela bondade de Deus terá um destino final bom.”

Marcial Felgueiras pensa, no entanto, que há ainda muito por fazer em conjunto: “O trabalho ambiental não é feito apenas de grandes coisas. Ela tem a ver com pequenos hábitos familiares quotidianos, como o poupar água e luz, ter uma condução amiga do ambiente ou reduzir o consumismo. Esquecemo-nos que essas tarefas pequenas são muito importantes. Mas há muito para fazer também a nível ecuménico e interconfessional.”

O irmão Finnian, franciscano anglicano, esteve uma semana num convento a estudar a encíclica Laudato Si, do Papa Francisco, antes de decidir participar nos protestos: “Somos chamados a viver a fraternidade com a criação.” Foto © Sean Hawkey/WCC

 

O Extinction Rebellion protagonizou já também várias acções de protesto em Portugal, de que o último exemplo foi a interrupção de um discurso do primeiro-ministro, António Costa.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Já só faltam €875 para alcançarmos a meta dos €15.000 que vos propusemos como objetivo para esta campanha de recolha de fundos em favor do 7MARGENS. Estamos muito perto de chegarmos ao montante desejado, mas, tal como na maratona, os últimos metros são sempre os mais difíceis!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Leigo nomeado líder pastoral de paróquia alemã

Pela primeira vez, foi atribuída a um leigo a gestão pastoral de uma paróquia, por decisão da diocese de Münster, na Alemanha. A medida, aplicada à paróquia de St. Georg en Saerbeck, surge na sequência da saída do pároco anterior e da impossibilidade de o substituir, devido ao reduzido número de padres, avança o jornal ABC.

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão novidade

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao código penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islamismo) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

É notícia

Entre margens

Oração do silêncio novidade

O cristianismo tem uma longuíssima experiência da oração silenciosa ou meditação ou contemplação ou oração de Presença ou do Coração que, no Ocidente, se foi esfumando até quase desaparecer. O Concílio Vaticano II exprimiu a importância desta oração nos leigos, mas não pegou muito. Agora, surgem livros sobre o assunto e há mais prática desta oração. Há um livro que achei muito interessante: Pequeno Tratado da Oração Silenciosa, de Jean-Marie Gueullette, OP (2016, Paulinas Editora).

A sustentável leveza do jugo de Jesus

É incontestável o facto de que cada um de nós experimenta, uns mais do que outros e de formas variadas, o peso da vida. E esse peso manifesta-se de múltiplas maneiras, seja a depressão e solidão, a tensão e a ansiedade, a angústia e medo, a dor e a hostilidade. Carregamos até, voluntariamente ou não, os pesos de outros.

Desafia-te a viver positiva(mente)!

Assim, viver positivamente deverá impulsionar-nos a transcender essa visão ontológica do ser humano que tende a acentuar mais aquilo que é negativo ou que não funciona, procurando antes focar o olhar naquilo que cada circunstância oferece como aprendizagem, caminho necessário à mudança e ao crescimento, assim como naquilo que no mundo e no ser humano há de melhor.

Cultura e artes

Hagia Sophia, música de uma sublime respiração novidade

“Lost Voices of Hagia Sophia” (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita.

Filmar o desejo como quem pinta

Retrato da Rapariga em Chamas é um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco