Cristãos dispostos a ser presos pelo clima na Rebelião da Extinção

| 25 Abr 19 | Casa Comum, Destaques, Espiritualidades, Igrejas Cristãs, Newsletter, Últimas

Um filme da primeira semana dos protestos em Londres, num vídeo do The Guardian, disponível também no canal YouTube.

 

Nove dias depois do início dos protestos da Extinction Rebellion (Rebelião da Extinção) em Londres, no dia 15, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI/WCC) decidiu publicar uma foto-galeria na sua página digital mostrando o modo como a tradição cristã da desobediência civil não-violenta está activa também nestes protestos de Londres contra as mudanças climáticas e a ausência de decisões políticas eficazes sobre a matéria. Alguns deles admitem ser presos enquanto o CMI, que reúne três centenas e meia de igrejas protestantes e ortodoxas, pretende com esta iniciativa fotográfica fazer crescer a participação cristã nos protestos da mudança climática.

O fotógrafo Sean Hawkey retrata várias pessoas – incluindo padres anglicanos – envolvidos na manifestação, que tem crescido nos últimos dias: em Londres, mais de mil activistas já foram detidos, depois de terem controlado ou bloqueado várias ruas e praças; e em Paris, na sexta-feira, também se registou uma manifestação contra a “República dos Poluidores”.

Nas fotos divulgadas na página do CMI, podem ver-se pessoas de diferentes gerações a serem presas, outras a dormir no chão, outras a manifestar-se com cartazes…

Giles Goddard, vigário anglicano de St John’s, Waterloo, decidiu ajudar os manifestantes abrindo a igreja para que eles possam descansar. “Concretizo a fé através da rede climática. Todas as principais religiões têm o cuidado com a criação no centro do que elas prezam. Agora, mais do que nunca, é extremamente urgente que tomemos medidas pelo cuidado da criação de que somos responsáveis”, diz, citado pelo CMI.

Giles Goddard, vigário anglicano de St John’s: “É extremamente urgente que tomemos medidas pelo cuidado da criação”. Foto © Sean Hawkey/WCC

 

Outro clérigo, no caso o padre católico da congregação dos passionistas, Martin Newell, justifica deste modo a sua participação: “Estou aqui porque temos uma emergência climática, precisamos de fazer mudanças radicais na nossa economia e, para isso, precisamos de um terramoto político. Para que isso aconteça, precisamos de uma revolta civil não-violenta.”

O padre Newell, que integra também a Christian Climate Action (Acção Cristã pelo Clima) acrescenta outras motivações e objectivos concretos: “Precisamos de ter uma economia de carbono zero até 2030, o mais tardar. Este tipo de mudança não tem precedentes na história da humanidade, por isso queremos que o governo declare o estado de emergência e lide com a questão como uma emergência e não como de costume.”

Padre Martin Newell, católico: “Esse é o caminho da cruz, é o caminho que sou chamado a seguir nestas situações.” Foto © Sean Hawkey/WCC

 

A acção não-violenta pode, no entanto, ter consequências que o padre católico está disposto a enfrentar: “Ser preso, ir para a prisão, é algo que estou disposto a fazer. Não é algo que eu queira, tenho outras coisas que prefiro fazer com a minha vida, mas estou disposto a fazer algo para que a mudança aconteça. E há muitos de nós dispostos a fazer sacrifícios. Por mim, tento seguir Jesus, ele mostrou-nos o poder redentor do amor sofredor, na cruz e na sua paixão. Esse é o caminho da cruz, é o caminho que sou chamado a seguir nestas situações.”

A participação dos cristãos já se traduziu mesmo na organização de tempos de oração inter-religiosas, organizadas pela presbítera anglicana Helen Burnett, da paróquia de Caterham e que contou com a participação de Rowan Williams, ex-arcebispo de Cantuária e primaz da Comunhão Anglicana. “Há um profundo sentimento de crise espiritual que está profundamente entrelaçada com a crise ecológica que estamos a enfrentar. Este é um movimento que une tudo isso”, dizia também ao CMI.

A anglicana Helen Burnett, que já dinamizou momentos de oração durante os protestos: “A crise espiritual está profundamente entrelaçada com a crise ecológica.” Foto © Sean Hawkey/WCC

 

“À beira de um suicídio”, dizia o Papa

Na segunda metade de 2015, a propósito da Cimeira do Clima, em Paris, vários grupos cristãos mobilizaram-se para pressionar os governos no sentido de que estes tomem decisões concretas: uma peregrinação de cristãos atravessou vários países europeus, uma petição que congregou as redes Act Alliance (protestante) e Global Catholic Climate Movement (católica) reuniu quase um milhão de assinaturas. O texto, que tinha também o apoio explícito do Papa Francisco, afirmava: “A mudança climática afecta a todos, mas principalmente aos mais pobres e vulneráveis entre nós.”

No voo que o levou ao Quénia, Uganda e República Centro-Africana, pouco antes da Cimeira de Paris, naquele que foi um dos seus apelos mais dramáticos, o Papa dizia: “É agora ou nunca mais! Até hoje, fez-se pouca coisa e, cada ano que passa, os problemas são mais graves. Atingimos o limite! Estamos à beira de um suicídio – para usar uma palavra forte.”

O texto da encíclica tem servido também de inspiração para várias intervenções de cristãos no campo ambiental – quer individualmente, quer em diferentes organizações confessionais ou ecuménicas. Marcial Felgueiras confirma isso mesmo: “A Laudato Si’ é um texto profético para toda a Igreja [cristã], até vir a ser plenamente entendida e vivida pelos cristãos. Há muito caminho a fazer ainda e a encíclica pode ajudar.”

 

Um princípio fundamental do Deus da Bíblia

Uma manifestante a ser detida pela policia enquanto meditava na ponte de Waterloo, no centro de Londres. Foto © Sean Hawkey/WCC

 

“Preocupar-se com o conjunto da criação de Deus é um princípio fundamental do Deus da Bíblia e vital para o cumprimento da sua finalidade, para os seres humanos”, escreve Dave Bookless, pastor anglicano e director teológico de A Rocha, organização ambientalista de inspiração cristã. Ainda mais neste tempo em que as alterações climáticas e vários outros problemas colocam em questão a própria sobrevivência do planeta – da humanidade e da natureza em conjunto.

No livro Dieu, L’écologie et moi (Deus, a ecologia e eu), Dave Bookless acrescenta que a missão de salvação de Deus “não se destina apenas às pessoas que Deus criou, que ele ama, cuida e para as quais restaurou um relacionamento justo com Ele através de Jesus, mas abrange toda a criação”.

“Qualquer cidadão, com qualquer fé ou sem nenhuma, tem uma responsabilidade ambiental. Mas, para um cristão, essa responsabilidade tem um suporte bíblico, pois o primeiro mandamento é lavrar e cuidar da terra”, acrescentava, em declarações à revista Bíblica, Marcial Felgueiras, responsável da Cruzinha, o centro de interpretação e investigação de A Rocha no Algarve.

Esta não é um organização diferente de muitas outras, acrescenta o responsável português da organização. “O que nos torna únicos é combinarmos diferentes características, sendo uma delas a fé cristã, pela esperança que ela nos traz de que o mundo criado pela bondade de Deus terá um destino final bom.”

Marcial Felgueiras pensa, no entanto, que há ainda muito por fazer em conjunto: “O trabalho ambiental não é feito apenas de grandes coisas. Ela tem a ver com pequenos hábitos familiares quotidianos, como o poupar água e luz, ter uma condução amiga do ambiente ou reduzir o consumismo. Esquecemo-nos que essas tarefas pequenas são muito importantes. Mas há muito para fazer também a nível ecuménico e interconfessional.”

O irmão Finnian, franciscano anglicano, esteve uma semana num convento a estudar a encíclica Laudato Si, do Papa Francisco, antes de decidir participar nos protestos: “Somos chamados a viver a fraternidade com a criação.” Foto © Sean Hawkey/WCC

 

O Extinction Rebellion protagonizou já também várias acções de protesto em Portugal, de que o último exemplo foi a interrupção de um discurso do primeiro-ministro, António Costa.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Cultura e artes

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco