Cristãos dispostos a ser presos pelo clima na Rebelião da Extinção

25 Abr 19Casa Comum, Destaques, Espiritualidades, Igrejas Cristãs, Newsletter, Últimas

Um filme da primeira semana dos protestos em Londres, num vídeo do The Guardian, disponível também no canal YouTube.

 

Nove dias depois do início dos protestos da Extinction Rebellion (Rebelião da Extinção) em Londres, no dia 15, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI/WCC) decidiu publicar uma foto-galeria na sua página digital mostrando o modo como a tradição cristã da desobediência civil não-violenta está activa também nestes protestos de Londres contra as mudanças climáticas e a ausência de decisões políticas eficazes sobre a matéria. Alguns deles admitem ser presos enquanto o CMI, que reúne três centenas e meia de igrejas protestantes e ortodoxas, pretende com esta iniciativa fotográfica fazer crescer a participação cristã nos protestos da mudança climática.

O fotógrafo Sean Hawkey retrata várias pessoas – incluindo padres anglicanos – envolvidos na manifestação, que tem crescido nos últimos dias: em Londres, mais de mil activistas já foram detidos, depois de terem controlado ou bloqueado várias ruas e praças; e em Paris, na sexta-feira, também se registou uma manifestação contra a “República dos Poluidores”.

Nas fotos divulgadas na página do CMI, podem ver-se pessoas de diferentes gerações a serem presas, outras a dormir no chão, outras a manifestar-se com cartazes…

Giles Goddard, vigário anglicano de St John’s, Waterloo, decidiu ajudar os manifestantes abrindo a igreja para que eles possam descansar. “Concretizo a fé através da rede climática. Todas as principais religiões têm o cuidado com a criação no centro do que elas prezam. Agora, mais do que nunca, é extremamente urgente que tomemos medidas pelo cuidado da criação de que somos responsáveis”, diz, citado pelo CMI.

Giles Goddard, vigário anglicano de St John’s: “É extremamente urgente que tomemos medidas pelo cuidado da criação”. Foto © Sean Hawkey/WCC

 

Outro clérigo, no caso o padre católico da congregação dos passionistas, Martin Newell, justifica deste modo a sua participação: “Estou aqui porque temos uma emergência climática, precisamos de fazer mudanças radicais na nossa economia e, para isso, precisamos de um terramoto político. Para que isso aconteça, precisamos de uma revolta civil não-violenta.”

O padre Newell, que integra também a Christian Climate Action (Acção Cristã pelo Clima) acrescenta outras motivações e objectivos concretos: “Precisamos de ter uma economia de carbono zero até 2030, o mais tardar. Este tipo de mudança não tem precedentes na história da humanidade, por isso queremos que o governo declare o estado de emergência e lide com a questão como uma emergência e não como de costume.”

Padre Martin Newell, católico: “Esse é o caminho da cruz, é o caminho que sou chamado a seguir nestas situações.” Foto © Sean Hawkey/WCC

 

A acção não-violenta pode, no entanto, ter consequências que o padre católico está disposto a enfrentar: “Ser preso, ir para a prisão, é algo que estou disposto a fazer. Não é algo que eu queira, tenho outras coisas que prefiro fazer com a minha vida, mas estou disposto a fazer algo para que a mudança aconteça. E há muitos de nós dispostos a fazer sacrifícios. Por mim, tento seguir Jesus, ele mostrou-nos o poder redentor do amor sofredor, na cruz e na sua paixão. Esse é o caminho da cruz, é o caminho que sou chamado a seguir nestas situações.”

A participação dos cristãos já se traduziu mesmo na organização de tempos de oração inter-religiosas, organizadas pela presbítera anglicana Helen Burnett, da paróquia de Caterham e que contou com a participação de Rowan Williams, ex-arcebispo de Cantuária e primaz da Comunhão Anglicana. “Há um profundo sentimento de crise espiritual que está profundamente entrelaçada com a crise ecológica que estamos a enfrentar. Este é um movimento que une tudo isso”, dizia também ao CMI.

A anglicana Helen Burnett, que já dinamizou momentos de oração durante os protestos: “A crise espiritual está profundamente entrelaçada com a crise ecológica.” Foto © Sean Hawkey/WCC

 

“À beira de um suicídio”, dizia o Papa

Na segunda metade de 2015, a propósito da Cimeira do Clima, em Paris, vários grupos cristãos mobilizaram-se para pressionar os governos no sentido de que estes tomem decisões concretas: uma peregrinação de cristãos atravessou vários países europeus, uma petição que congregou as redes Act Alliance (protestante) e Global Catholic Climate Movement (católica) reuniu quase um milhão de assinaturas. O texto, que tinha também o apoio explícito do Papa Francisco, afirmava: “A mudança climática afecta a todos, mas principalmente aos mais pobres e vulneráveis entre nós.”

No voo que o levou ao Quénia, Uganda e República Centro-Africana, pouco antes da Cimeira de Paris, naquele que foi um dos seus apelos mais dramáticos, o Papa dizia: “É agora ou nunca mais! Até hoje, fez-se pouca coisa e, cada ano que passa, os problemas são mais graves. Atingimos o limite! Estamos à beira de um suicídio – para usar uma palavra forte.”

O texto da encíclica tem servido também de inspiração para várias intervenções de cristãos no campo ambiental – quer individualmente, quer em diferentes organizações confessionais ou ecuménicas. Marcial Felgueiras confirma isso mesmo: “A Laudato Si’ é um texto profético para toda a Igreja [cristã], até vir a ser plenamente entendida e vivida pelos cristãos. Há muito caminho a fazer ainda e a encíclica pode ajudar.”

 

Um princípio fundamental do Deus da Bíblia

Uma manifestante a ser detida pela policia enquanto meditava na ponte de Waterloo, no centro de Londres. Foto © Sean Hawkey/WCC

 

“Preocupar-se com o conjunto da criação de Deus é um princípio fundamental do Deus da Bíblia e vital para o cumprimento da sua finalidade, para os seres humanos”, escreve Dave Bookless, pastor anglicano e director teológico de A Rocha, organização ambientalista de inspiração cristã. Ainda mais neste tempo em que as alterações climáticas e vários outros problemas colocam em questão a própria sobrevivência do planeta – da humanidade e da natureza em conjunto.

No livro Dieu, L’écologie et moi (Deus, a ecologia e eu), Dave Bookless acrescenta que a missão de salvação de Deus “não se destina apenas às pessoas que Deus criou, que ele ama, cuida e para as quais restaurou um relacionamento justo com Ele através de Jesus, mas abrange toda a criação”.

“Qualquer cidadão, com qualquer fé ou sem nenhuma, tem uma responsabilidade ambiental. Mas, para um cristão, essa responsabilidade tem um suporte bíblico, pois o primeiro mandamento é lavrar e cuidar da terra”, acrescentava, em declarações à revista Bíblica, Marcial Felgueiras, responsável da Cruzinha, o centro de interpretação e investigação de A Rocha no Algarve.

Esta não é um organização diferente de muitas outras, acrescenta o responsável português da organização. “O que nos torna únicos é combinarmos diferentes características, sendo uma delas a fé cristã, pela esperança que ela nos traz de que o mundo criado pela bondade de Deus terá um destino final bom.”

Marcial Felgueiras pensa, no entanto, que há ainda muito por fazer em conjunto: “O trabalho ambiental não é feito apenas de grandes coisas. Ela tem a ver com pequenos hábitos familiares quotidianos, como o poupar água e luz, ter uma condução amiga do ambiente ou reduzir o consumismo. Esquecemo-nos que essas tarefas pequenas são muito importantes. Mas há muito para fazer também a nível ecuménico e interconfessional.”

O irmão Finnian, franciscano anglicano, esteve uma semana num convento a estudar a encíclica Laudato Si, do Papa Francisco, antes de decidir participar nos protestos: “Somos chamados a viver a fraternidade com a criação.” Foto © Sean Hawkey/WCC

 

O Extinction Rebellion protagonizou já também várias acções de protesto em Portugal, de que o último exemplo foi a interrupção de um discurso do primeiro-ministro, António Costa.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Carlos Farinha Rodrigues destaca importância da “economia de Francisco” novidade

A mensagem do Papa sobre a economia assenta no “combate às desigualdades e exclusão social”, na “dignidade do trabalho” e nas “preocupações com a casa comum”, diz o economista Carlos Farinha Rodrigues, em declarações à Ecclesia, a propósito de um debate sobre o encontro “A Economia de Francisco”, que decorrerá no próximo ano.

Duches para crianças pobres de Roma com apoio do Papa novidade

A Esmolaria Apostólica, que coordena as iniciativas caritativas do Papa, irá apoiar um projeto de banhos solidários para crianças pobres de Roma, já a partir desta quinta-feira, 19 de setembro. A iniciativa surge da associação italiana de médicos voluntários, a ‘Medicina Solidária’. “Estamos em guerra contra a pobreza”, afirma Lucia Ercoli, médica e presidente da associação, que gere seis consultórios itinerantes, também com o apoio da Esmolaria Apostólica.

John Kerry quer políticos a acelerar combate à emergência climática

O ex-secretário de Estado dos EUA, John Kerry, quer uma mobilização global dos governantes para acelerar o combate às alterações climáticas. Durante o encontro “O Futuro do Planeta”, organizado em Lisboa pelas Fundações Oceano Azul e Francisco Manuel dos Santos, o antigo candidato à presidência dos Estados Unidos afirmou que os governos mundiais têm atuado de forma irresponsável no cumprimento do Acordo de Paris, de 2015.

Bispos sul-africanos querem proteger mulheres contra homicídios

Os bispos católicos da África do Sul aconselham o Governo a agir contra a violência dirigida a mulheres e meninas, após uma série de mortes e violações que causaram revolta no país, que tem um dos maiores índices de homicídios do mundo: 3000 mulheres mortas em 2018 e 58 assassinadas diariamente.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O Brexit dos pobres novidade

Um Brexit puro e duro deixará um rasto de destruição nas vidas e famílias por todo o Reino Unido. Foi isso que a Igreja de Inglaterra disse, procurando ser fiel à sua responsabilidade profética.

Não aos casamentos prematuros: não andemos à deriva

As “tradições” acima narradas já tiveram o seu tempo. Devem ser abolidas, sendo importante que se encontrem rituais de passagem alternativos, que marquem a transição de rapariga para mulher, sem colocarem em causa a sua dignidade, nem o fundamento de se destacar que existe uma distinção clara entre o estado de uma menina e o de uma mulher.

“Todo o mundo é composto de mudança”

Li há dias uma notícia com o título: “Troca de padres não agrada a paroquianos”. Casos como este são excelente ocasião para esclarecer valores ou razões escondidas, concorrendo para o crescimento espiritual de todos (não só dos paroquianos).

Cultura e artes

O coração inebriado de Agostinho, na leitura das “Confissões”

No início, logo depois da primeira peça musical de Rão Kyao, um dos actores declamará: “Quem me fará repousar em ti? Quem fará com que venhas ao meu coração e o inebries para eu esquecer os meus males e te abraçar a ti, meu único bem?” No dia que a liturgia católica dedica a Agostinho de Hipona, 28 de Agosto, no antigo convento de Santo Agostinho, hoje transformado em Museu de Leiria, o Teatro Maizum produz, a partir das 22h, uma leitura encenada das “Confissões”.

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Sete Partidas

Amazónia, um pulmão a proteger

 Nestas últimas semanas, a Amazónia pegou fogo nas redes sociais! “A Amazónia está a arder”! – lia-se por todo o lado, em textos acompanhados de fotos ilustrativas, algumas das quais nem tinham nada a ver com a situação, ou porque eram fotos antigas ou de outras...

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Set
20
Sex
“Um milagre todos os dias” – projecção de filme e debate @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Set 20@11:15_13:00

O filme, estreado em 2018, foi realizado por Henrique Manuel Pereira e produzido pela Escola das Artes da Universidade Católica. Destaca a vida do Lar das Irmãzinhas dos Pobres, do Pinheiro Manso, inclui mais de três dezenas de depoimentos de residentes, funcionários, religiosas, voluntários e benfeitores.

“Com manifestações de humor e de solidão, de força e de fragilidade, de abnegada dedicação e criativo serviço, tendo por horizonte a ‘última estação da vida’, o filme configura um retrato realista do pulsar da vida daquela que é uma das instituições mais apreciadas e estimadas da cidade do Porto”, lê-se na sinopse.

A projecção será seguida por um debate com a participação do realizador, José Leitão (Centro de Reflexão Cristã), e João Eleutério, professor da Faculdade de Teologia.

Set
21
Sáb
Visitas guiadas ao Convento e Igreja de São Domingos, em Lisboa @ Convento de São Domingos
Set 21@10:00_12:00

As visitas serão acompanhadas pelo arquitecto João Alves da Cunha; haverá duas visitas: às 10h e 11h.

Encontro Também Somos Terra @ Casa de Espiritualidade do Linhó (Irmãs Doroteias)
Set 21@11:00_18:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco