[Olhar de teóloga]

Cristãos fora da Igreja

| 26 Ago 2022

Imagem da Capela de Nossa Senhora de Fátima, no Centro Nacional De Atividades de Idanha-a-Nova do Corpo Nacional de Escutas. Foto: Direitos reservados/Plano Humano Arquitecto

Imagem da Capela de Nossa Senhora de Fátima, no Centro Nacional de Atividades de Idanha-a-Nova do Corpo Nacional de Escutas. Foto: Direitos reservados/Plano Humano Arquitecto.

 

Há já mais cristãos fora do que dentro da Igreja? Poderá haver alguém que acredite sem saber que acredita? O título de um jornal poderá ajudar algumas pessoas a descobrirem a sua fé incipiente? São perguntas que convinha que fizéssemos, pois as respostas às perguntas anteriores são: Sim, sim e sim. É uma convicção que, há pouco tempo, voltei a confirmar numa viagem de comboio.

Com um trajeto de várias horas pela frente, dispus-me a trabalhar durante um tempo e peguei no meu caderno de notas e no livro do qual tinha de fazer uma resenha.

O meu companheiro de assento estava muito concentrado a ler no seu tablet. Quando passou uma hora, mais ou menos, fechei o livro e o caderno para descansar um pouco.

Dentro e fora

Olhou discretamente o caderno em cuja capa uma etiqueta indicava “Todo Sínodo 4”. Virou-se um pouco mais e perguntou-me se eu era professora de grego, por causa do Sínodo, suponho. Disse-lhe que não, que apenas me interessava o tema por estarmos em pleno Sínodo. O gesto que ele fez foi de não perceber nada e eu lhe contei-lhe o que estava a acontecer na Igreja e fora dela.

Sem que eu perguntasse nada, confessou ser ateu, embora, como reconheceu, começasse a ter dias de agnóstico. Fechou o tablet e comentou-me as suas impressões sobre Francisco, que considerava um grande homem porque o entendia. Tinha-o descoberto através do título de um artigo de um jornal de tiragem nacional que chamou a sua atenção e que leu. Nesse artigo falava-se de um discurso de Francisco onde citava o texto do capítulo vinte e cinco do Evangelho de Mateus.

Sentiu-se tocado pelas passagens citadas e procurou o discurso na internet. Leu-o várias vezes e comprou uma Bíblia. Tão simples quanto isso. Queria ler esse capítulo inteiro. Vinha a fazê-lo, diariamente, desde há vários meses. Ficou muito tocado ao descobrir que, sem saber, ele vivia uma parte desse texto evangélico através de uma ONG. Convidei-o a ler outros textos, mas, rapidamente disse que não, que queria empapar-se desse em que se via refletido e o questionava muito de cada vez que o lia.

De ateu a agnóstico

A fase de mudança de ateu para agnóstico não lhe era fácil e tinha dias de retrocesso, segundo disse. Era como viver tranquilamente e, de repente, questionar tudo e acrescentou, sem saber a imagem tão bíblica que estava a utilizar, é como se me embrenhasse num deserto que não sou capaz de evitar. O mais discretamente possível, perguntei-lhe se ele comentava as suas descobertas e inquietações com alguém. Disse-me que não. Creio que, inclusivamente, achou estranho o comentário porque perguntou a quem lhe poderia interessar o que se passava na sua vida. Continuámos a conversar sobre esse e outros assuntos e chegámos a Madrid.

Quantas pessoas como ele descobrem esse “algo” que transforma a vida por “acaso”? Como lhes fazemos saber que não estão sozinhos nesse processo? Como transmitir-lhes que, sem forçar nenhuma intimidade, há pessoas – leigos, sacerdotes e até bispos – dispostos a escutá-los? (quanto ao acompanhamento já o irão descobrindo pouco a pouco). Por iniciativa própria não irão bater nas portas das igrejas. A maioria tem uma imagem muito negativa da Igreja por mil razões mais ou menos válidas, mas, finalmente negativas.

A teimosia da vida

Estas pessoas maioritariamente descrentes são – e que não soe a insulto porque não o é – analfabetos espirituais, porque são filhos daquela geração que atacava a Igreja e cresceram na mais absoluta indiferença em relação ao religioso. No entanto, a teimosia da vida e, de certo modo, a insistência da Vida, leva-os a achamentos, por meios pouco habituais, e descobrem que estão a viver algo que não compreendem e que, de repente, tudo lhes é questionado.

Para estas pessoas teríamos que começar a idealizar novas formas de aproximação longe de qualquer convite que soe a catecumenato de adultos ou à pastoral habitual. Os seus processos terão de ser diferentes porque, na sua maioria já vêm de famílias onde Deus não era tema de conversa. Necessitam do Evangelho e não de esquemas mentais que têm mais a ver com formas eclesiásticas do que eclesiais.

Território de fronteira

Existem as margens, sim. Existem as periferias, sim. Existe também o território de fronteira onde vivem pessoas numa procura sincera, algumas sem ainda o terem descoberto, e é um terreno praticamente inexplorado pela Igreja, isto é, por todos nós que a formamos.

Por iniciativa própria elas não virão. Temos que ser tremendamente respeitosos e humildes em estender-lhes a mão. Não vamos ensiná-los, vamos aprender juntos novas linguagens, novas formas, para falar de um Deus eterno que é, acima de tudo, amor, misericórdia e ternura. Para essas pessoas que vivem na fronteira e para nós, que vamos embrenharmos nesses territórios desconhecidos, poderá vir ser a aventura mais maravilhosa que possamos viver. Vamos pôr mãos à obra?

Cristina Inogés Sanz é teóloga e integra a comissão metodológica do Sínodo dos Bispos católicos. Este texto é publicado por cedência da autora e da revista espanhola Vida Nueva ao 7MARGENS. Tradução de Júlio Martin.

 

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This