Apelo à ação do governo israelita

Cristãos “horrorizados e magoados” com escalada de violência na Terra Santa

| 30 Mar 2023

padre Francesco Patton, custódio da Terra Santa, durante via sacra realizada em jerusalem a 24 março 2023, observa estátua de cristo vandalizada Foto Custódia da Terra Santa

O padre Francesco Patton, Custódio da Terra Santa, observa a estátua de Cristo que foi vandalizada na Igreja da Flagelação, no início de fevereiro. Foto © Custódia da Terra Santa.

 

Os ataques contra cristãos têm vindo a intensificar-se desde o início do ano na Terra Santa, e em particular nas últimas semanas contra a comunidade católica, que se assume cada vez mais assustada e receosa. O padre Francesco Patton, Custódio da Terra Santa, sublinha que “não é coincidência que esses incidentes graves estejam a a ocorrer especificamente agora” e pede ao governo israelita que aja com determinação para pôr fim a esta escalada de tensão.

“Estamos horrorizados e magoados com os muitos incidentes de violência e ódio que ocorreram recentemente contra a comunidade católica em Israel”, afirmou o frade franciscano, em declarações ao jornal The Times of Israel. “Esperamos e exigimos do governo israelita e das autoridades policiais que ajam com determinação para acabar com estes sérios fenómenos.”

O Custódio da Terra Santa sublinha que “os ataques terroristas, por grupos israelitas radicais, visando igrejas, cemitérios e propriedades cristãs… tornaram-se quase uma ocorrência diária que evidentemente aumenta de intensidade durante os feriados cristãos”. E nem todos são noticiados, alerta.

Só nos últimos dias, foram registados três episódios de violência e intolerância anticristã em Nazaré, conta o ex-vigário patriarcal de Jerusalém dos Latinos, Giacinto-Boulos Marcuzzo, que continua a residir em Jerusalém. “Primeiro – diz à agência AsiaNews -, foram os tiros contra a escola das irmãs franciscanas, depois a invasão às irmãs salesianas com a saudação ‘Ramadan Kareem’ [Ramadão Generoso] e a exortação a que se tornassem muçulmanas. O último foi na manhã deste domingo, quando apareceram numa igreja durante a missa e pediram ao vice-pároco, um padre maronita, para recitar o Alcorão”.

O primeiro ataque referido pelo ex-vigário aconteceu a 16 de março, quando por volta das 18h30 alguns indivíduos dispararam tiros na direção da escola e do convento das irmãs franciscanas. Um gesto considerado um “precedente perigoso”, pois pela primeira vez visou uma instituição educativa cristã em Israel.

O segundo ocorreu no dia 24 de março e envolveu o instituto e a casa das irmãs salesianas, atacadas por pessoas mascaradas numa incursão que teve “uma clara matriz confessional”, refere o Vatican News. As religiosas relatam que, depois de terem aberto o portão, se viram diante de pessoas com o rosto tapado por máscaras pretas, que as intimavam a converter-se ao Islão neste “mês sagrado do Ramadão”. A agressão foi levada a cabo por pelo menos cinco jovens, que fugiram quando a guarda chegou.

Marcuzzo recorda que têm havido também ataques contra locais de culto e centros cristãos perpetrados por extremistas judeus: o último episódio aconteceu a 19 de março no Túmulo de Maria, tendo sido precedido pelo ataque no início de fevereiro contra a Igreja da Flagelação. No início do ano, grupos extremistas haviam profanado um cemitério no Monte Sião e antes disso atingiram outros alvos incluindo uma igreja perto do Cenáculo, a própria Basílica de Nazaré e edifícios católicos e greco-ortodoxos.

“A polícia tenta pintar cada ataque como algo isolado e tenta pintar os agressores como mentalmente instáveis”, refere por seu lado Amir Dan, porta-voz da Custódia Franciscana da Terra Santa. “Ao fazer isso, isenta-se de qualquer responsabilidade.”

Segundo o The Times of Israel, vários elementos da comunidade católica responsabilizam a atual coligação no governo, que inclui figuras da extrema-direita como o Ministro da Segurança Nacional Itamar Ben Gvir, pelo aumento dos ataques. “Infelizmente depois de este governo ter sido eleito, há quem sinta que pode fazer o que quiser. Que podem erguer os punhos e nada lhes acontecerá”, afirma Amir Dan.

O ex-vigário patriarcal de Jerusalém dos Latinos sublinha igualmente o “clima de profunda tensão” vivido na região, “a começar pela onda de protestos em Israel em torno da controversa reforma da Justiça. Soma-se a isso o confronto entre israelitas e palestinos na Cisjordânia e em Gaza, alimentado por gestos provocatórios como a caminhada de Itamar Ben-Gvir até a Esplanada das Mesquitas, que ameaça transformar-se numa nova intifada e já causou um número recorde de vítimas.”

“Com referência aos episódios de intolerância em Nazaré nos últimos dias – enfatiza Marcuzzo -, é importante notar a postura adotada por dois respeitados imãs da cidade, chefes das mesquitas, que condenaram fortemente estes gestos”.

Mas não há muito otimismo entre o clero cristão em Jerusalém de que a situação vá melhorar em breve. “O verdadeiro cerne da questão – conclui o ex-vigário – é que estes episódios fazem parte de um quadro mais amplo e preocupante que se vive em Israel, uma escalada de tensão que surpreendeu pela velocidade com que está a ocorrer e que, pelo menos por enquanto, não causou vítimas. A preocupação, no entanto, permanece”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This