Cristãos marroquinos pedem ao Papa que fale de liberdade religiosa na sua visita ao país

| 18 Mar 19

Mesquita de Casablanca: os cristãos também querem mais espaço em Marrocos. Foto © danyloz2002/Pixabay

 

Marrocos será o próximo país a receber o Papa Francisco, dias 30 e 31 de março, com um programa que incluirá uma visita ao Rei Mohammed VI, um encontro com o povo marroquino, nas Esplanadas da Mesquita Hassan II, uma reunião com os migrantes na sede da Cáritas e a celebração de uma missa. Antecipando a visita, num comunicado do Comité dos Cristãos Marroquinos, citado pela agência Fides, duas semanas antes da visita, pede-se ao Papa a intervenção da Santa Sé na questão da liberdade religiosa no país.

O comité denuncia, no texto, que as autoridades marroquinas têm um importante papel na perseguição de cristãos já que “prendem e maltratam pessoas por proclamar a sua religião” ou fazer parte de igrejas clandestinas.

Na carta aberta, publicada no jornal Al Massae, dá-se conta de que as pessoas são torturadas, insultadas e vêm os seus documentos de identidade confiscados, por proclamarem o cristianismo em igrejas clandestinas. As autoridades também expulsam centenas de estrangeiros, acusando-os de proselitismo.

Em Marrocos, a população baptizada (maioritariamente evangélica) representa apenas 1,1 por cento, o que perfaz um total de 380 mil entre 33,6 milhões de habitantes, que são na sua maioria muçulmanos. O Comité dos Cristãos Marroquinos tem trabalhado com a Associação Marroquina para os Direitos e a Liberdade Religiosa e com a Associação Marroquina dos Direitos Humanos, que defendem a liberdade religiosa, dão conta de violações da mesma e tentam incluir cristãos, ahmadis, xiitas e ibadis.

Apesar de tudo, o Comité reconhece os esforços que o rei tem feito para tornar Marrocos num país mais tolerante, mesmo que as autoridades continuem a discriminar os cristãos. Entre as iniciativas de Mohammed VI, conta-se a “Conferência sobre Minorias Religiosas em países islâmicos”, organizada em 2016.

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Breves

Boas notícias

Construir um lar que nos integre a todos

Memória do Grão-Rabi Jonathan Sacks

Construir um lar que nos integre a todos novidade

“Grão-Rabino das Congregações Hebraicas Unidas da Commonwealth (1991-2013), Sacks era escutado e admirado muito para lá das fronteiras do judaísmo. Terá para isso contribuído a sua sensibilidade humana, formação filosófica e vasta cultura.” – Um texto do padre Peter Stilwell, em memória de Jonathan Sacks

É notícia 

Entre margens

Sínodo é representativo ou participativo?

Sínodo é representativo ou participativo?

Quando Francisco, na Jornada Mundial da Juventude, clamou “todos, todos, todos” – e certamente também queria dizer “tudo, tudo, tudo” –, não estava a confinar o chamado “Sínodo dos Bispos” a uma “representatividade saloia” baseada nas estruturas – algumas não existem! – da Igreja Católica Romana. [A opinião de Joaquim Armindo]

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Celebrações e Frugalidade

Celebrações e Frugalidade

A minha empregada de há mais de 25 anos foi pela primeira vez a Roma com o marido e o neto de 8 anos, levados pelo filho que, graças aos sacrifícios dos pais, pôde fazer uma licenciatura com mestrado incorporado, passando a pertencer claramente à classe média, e subindo no ascensor social graças ao trabalho dos seus pais e à escola pública que frequentou. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Cultura e artes

Ora Vê #23

Ora Vê #23

acender a vela trará paz ao mundo?/
[o filho perguntou nas mãos da mãe]/
acrescentar a luz é o começo, sim.
— Miguel Cardoso (foto) e Pedro Benino (texto)

Ilustrar Abril e desfilar com os cartazes

Iniciativa da Amnistia

Ilustrar Abril e desfilar com os cartazes

Cinco ilustradores foram desafiados pela Amnistia Internacional para realizarem uma oficina de cartazes relativos ao 25 de Abril, e que podem depois ser usados no desfile na Avenida da Liberdade, em Lisboa. Bina Tangerina, Catarina Sobral, João Fazenda, Marcos Martos e Susana Carvalhinhos dão o mote ao tema “Protege a Liberdade”.

Jorge Órfão: o homem que molda o metal à religião

Mirandela

Jorge Órfão: o homem que molda o metal à religião

Desde o início de abril, Jorge Órfão está integrado na Rota Saber Fazer da Terra Quente Transmontana que é uma rede de oficinas de artesãos e de produtores rurais integrada na oferta turística da região – o alojamento, a restauração e as empresas de animação turística – para criar ofertas estruturadas de turismo de experiências.

“Pita Kufa: O Leito da Morte”, um apelo ao dinamismo

[Moçambique, margem Sul]

“Pita Kufa: O Leito da Morte”, um apelo ao dinamismo

Em alguns textos neste jornal, fiz menção ao ritual de purificação da viúva e nunca o abordei na sua profundidade. Uma vez que, em Maio, será publicado um romance que prefaciei e que aborda essa matéria, convido os meus leitores a se inteirarem desse fenómeno que, desta feita, é-nos apresentado por via da ficção.

Sete Partidas

Por quem os sinos dobram

Por quem os sinos dobram

Nas férias da passagem de ano li Não Terão o Meu Ódio, o diário que Antoine Leiris escreveu nos dias que se seguiram ao ataque ao Bataclan [em Paris], onde perdeu a sua companheira. O quotidiano subitamente rasgado pela violência. As coisas simples: a hora do banho do filhinho, as papas que as mães de outras crianças do infantário preparavam para o bebé, os vestígios da existência da companheira no cheiro das coisas espalhadas pela casa, nos rituais. E em tudo, para sempre: a sua ausência. [Texto de Helena Araújo]

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This