China

Cristãos não podem venerar mártires, exceto do Exército Vermelho

| 6 Set 2021

Orações pelos mártires do Exército Vermelho, no Seminário Teológico de Fujian. Imagem do Weibo, partilhada no Bitter Winter.

Os cristãos na China estão proibidos de orar pelos seus mártires… mas foram obrigados a recordar os heróis do Exército Vermelho que morreram na guerra do Japão. A informação foi divulgada esta segunda-feira pelo site Bitter Winter [Inverno Amargo], especializado em assuntos de liberdade religiosa e direitos humanos.

Na semana passada, de acordo com a mesma fonte, membros da Igreja Protestante Unida (cujos líderes são nomeados pelo Partido Comunista Chinês) foram abordados no Seminário Teológico de Fijian e convidados a celebrar os mártires do que na China se chama a “Guerra Popular de Resistência contra a Agressão Japonesa”. Já a invocação de Jesus como “Rei da Paz” também foi permitida, dando-lhe um conteúdo favorável à  “reunificação pacífica” da China, matéria politicamente delicada, que cobre o caso de Taiwan.

De resto, tal como avança o Bitter Winter, para além do caso de Fiiian, uma diretiva foi enviada a todas as igrejas que fazem parte da Igreja Protestante Unida, espalhadas pelo país, recordando o 76º aniversário da vitória da China “contra a agressão japonesa e a Guerra Mundial Anti-Fascista”, convidando-as a organizarem “atividades de culto de oração pela paz” e solicitando que enviem às instâncias centrais, até 10 deste mês, “evidências das atividades realizadas”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Festival D’ONOR: a cultura com um pé em Portugal e outro em Espanha

Este fim de semana

Festival D’ONOR: a cultura com um pé em Portugal e outro em Espanha novidade

Está de regresso, já a partir desta sexta-feira, 19 de julho, o evento que celebra a cooperação transfronteiriça e a herança cultural de duas nações: Portugal e Espanha. Com um programa “intenso e eclético”, que inclui música, dança, gastronomia e outras atividades, o Festival D’ONOR chega à sexta edição e estende-se, pela primeira vez, às duas aldeias.

Bonecos de corda e outras manipulações

Bonecos de corda e outras manipulações novidade

“Se vivermos em função do loop que as redes sociais e outros devoradores de dados nos apresentam, do tipo de necessidades que vão alimentando e das opiniões e preconceitos que vão fabricando, vivemos uma fraca vida. Essa será, sem dúvida, uma vida de prazo expirado, por mais que o dispositivo seja de última geração e as atualizações estejam em dia.” – A reflexão de Sara Leão

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This