Cristo, Gandhi e Mandela

| 9 Set 20

Do mesmo modo como uma minoria ateia não pode impor à força a toda uma sociedade a sua forma de pensar, também nenhum sector religioso tem o direito de fazer o mesmo. A isto chama-se democracia.

 

Numa democracia liberal todos os cidadãos devem ter, à partida, direito de opinião, assim como todos devem poder influenciar os seus concidadãos de acordo com as crenças, perspectivas e expectativas próprias. A convivência democrática confere o direito à opinião livre e independente, permitindo a diferença de posições, concepções do mundo e ideais de sociedade. Isto é saudável, não apenas do ponto de vista político, mas também social.

Os problemas começam quando um dos sectores da sociedade procura impor a sua mundovisão aos outros, seja pela lei ou pela força. Este fenómeno é visível tanto no campo religioso como no laico.

Faz muita confusão ver algum produto cultural sair a público sabendo-se que decerto provocará reacções de mágoa e revolta em grupos religiosos, pelo facto de o consideraram blasfemo. Isto tanto sucede com o islão, como foi o caso das caricaturas de Maomé no Charlie Hebdo (Paris, 2015), ou como com o cristianismo, por exemplo, com a apresentação da Escola de Samba Mangueira (Rio, 2020). Não se entende como a liberdade criativa deva ser invocada para agredir a fé de outrem. Mas ainda entendo menos as reacções extremadas por parte dos religiosos, que atiçam os fiéis contra os prevaricadores, procurando calá-los, prendê-los ou matá-los. Não vejo uma ponta de racionalidade em nenhuma das posições.

Será que não se pode fazer arte sem agredir as consciências? Será que não se pode reagir a isso sem retaliação e vingança?

Pergunto aos religiosos: que Deus é esse que não se sabe defender e que precisa dos simples mortais para “lavar” a sua honra? Será que não entendem que as reacções desproporcionadas é que amplificam a suposta transgressão ou blasfémia, tornando-a muito mais visível e impactante à escala planetária, e que fazem duma insignificância um assunto na ordem do dia? Não poderiam marcar a vossa posição e manifestar o legítimo desagrado de modo pacífico?

Quando insultaram Jesus de Nazaré chamando-o “beberrão”, apenas porque se sentava à mesa com aqueles que eram considerados pecadores pelos religiosos, ele não saiu pelas ruas a vociferar contra os que o insultaram e à procura deles para lhes partir a cara. Pelo contrário, ensinou os que o ouviam que era melhor amar os inimigos e orar a Deus pelos perseguidores.

Também será difícil entender, em termos democráticos, como é que uma minoria quer impor a toda uma sociedade a sua ética religiosa. Quem tem fé tem o direito de afirmar aquilo em que crê e viver de acordo com isso. Além disso, a cidadania também lhe dá legitimidade para procurar influenciar os outros no sentido das suas crenças e estilo de vida, mas já não tem qualquer direito de querer impor a sua ética religiosa a quem não tem fé. Isso é abusivo. Não há outra forma de o dizer.

Do mesmo modo como uma minoria ateia não pode impor à força a toda uma sociedade a sua forma de pensar (o que é laico é o Estado, não a sociedade), também nenhum sector religioso tem o direito de fazer o mesmo. Jesus nunca alinhou com os sicários. E quando Pedro puxou da adaga no Getsémani e cortou a orelha de Malco, o servo do sumo-sacerdote, foi imediatamente repreendido pelo Mestre, apesar de estar a ser preso pela guarda da Templo: “(…) Então, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e o prenderam. E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo-sacerdote, cortou-lhe uma orelha. Então Jesus disse-lhe: Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão. Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos?” (Mateus 26:50-53).

Aliás, S. Paulo dizia que as armas do cristão são de natureza espiritual: “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas” (2 Coríntios 10:4), e que a sua única espada é a do Espírito: “Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” (Efésios 6:17). Esta posição paulina vem em linha com o que já o profeta Zacarias defendia no Antigo Testamento: “Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos” (Zacarias 4:6).

Retaliar e querer vingar um acto considerado blasfemo fala mais da pequenez de quem o faz do que do inspirador da fé cristã, o príncipe da Paz, aquele que disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14:27). Os religiosos ganhariam muito em ser suficientemente humildes para aprender alguma coisa com Mahatma Gandhi e Nelson Mandela, já que parece nem sempre aprenderem com Jesus Cristo.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Antigo engenheiro militar sucede a Barbarin como arcebispo de Lyon

O Papa nomeou esta quinta-feira, 22 de outubro, Olivier de Germay, até agora bispo de Ajaccio (na Córsega), como novo arcebispo de Lyon. Está assim encontrado o sucessor do cardeal Philippe Barbarin, cuja renúncia tinha sido aceite por Francisco em março deste ano. 

Declarações do Papa sobre homossexuais “não afetam a doutrina da Igreja”, dizem bispos portugueses

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considera que as declarações do Papa sobre a proteção legal a uniões de pessoas do mesmo sexo “não afetam a doutrina da Igreja” sobre o matrimónio. Em nota enviada à agência Ecclesia esta quarta-feira, 22, os bispos portugueses sublinham que as afirmações de Francisco contidas no novo documentário “Francesco” já eram conhecidas anteriormente e “revelam a atenção constante do Papa às necessidades reais da vida concreta das pessoas”.

Índia: Bispos fazem greve de fome em defesa das escolas cristãs

Três bispos católicos fizeram greve de fome na passada terça-feira, 20 de outubro, diante da Secretaria de Estado de Kerala (um dos 28 estados indianos), para reivindicar o cumprimento dos direitos constitucionais das escolas cristãs no país, divulgou a UCA News.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Luto nacional a 2 de novembro, missa pelas vítimas da pandemia no dia 14

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 22, o decreto que declara a próxima segunda-feira, 2 de novembro, dia de luto nacional “como forma de prestar homenagem a todos os falecidos, em especial às vítimas da pandemia”. No próximo dia 14 de novembro, será a vez de a Conferência Episcopal Portuguesa celebrar uma eucaristia de sufrágio pelas pessoas que já faleceram devido à covid-19 no nosso país.

Camarões: Padre jesuíta detido por fazer uma peregrinação a pé

Ludovic Lado, um padre jesuíta que se preparava para iniciar, sozinho e a pé, uma “peregrinação pela paz” entre as cidades de Japoma e Yaoundé, capital dos Camarões, foi detido pela polícia, que o acusou de estar a praticar uma “atividade ilegal na via pública”. O padre foi depois submetido a um interrogatório, onde o questionaram sobre eventuais motivações políticas e lhe perguntaram especificamente se era apoiante do líder da oposição, Maurice Kamto.

Twitter segue exemplo do Facebook e proíbe negação do Holocausto

Depois do Facebook, agora foi a vez de o Twitter banir da sua rede social conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto. “Condenamos fortemente o antissemitismo e a conduta de ódio não tem lugar absolutamente  nenhum no nosso serviço”, afirmou um porta-voz da empresa em comunicado à imprensa. O responsável garantiu também que irão agir “contra conteúdos que glorifiquem ou elogiem atos históricos de violência e genocídio, incluindo o Holocausto”.

Entre margens

… E as Cuidadoras? novidade

Durante o confinamento reli um livro de que muito gosto, “Passagens” de Teolinda Gersão, que ganhou o Prémio Fernando Namora em 2015. Trata-se de uma obra escrita a várias vozes, tomando como ponto de partida uma senhora idosa (Srª D. Ana, ex-farmacêutica) que morre durante o sono no lar onde residia. Ao longo do livro várias “falas” se fazem ouvir à sua volta, enquanto repousa no caixão na capela do lar.

A pena de morte na visão de Francisco: clareza e inspiração

Em boa hora este documento. Custa acreditar que a Igreja Católica, na sua representação máxima, tenha demorado 20 séculos após o nascimento do fundador do cristianismo – que foi vítima de pena de morte – a tomar posição inequívoca e final sobre o tema. Outros antecessores falaram sobre este assunto, Francisco encerra-o.

Ter ou ‘Bem Viver’?

“Todos nós, seres humanos, nascemos nesta terra com a mesma dignidade (…). Se alguém não tem o necessário para viver com dignidade, é porque outrem se está a apropriar do que lhe é devido.” Na encíclica Fratelli Tutti (“Todos irmãos”), caída ao húmus do mundo no início do outono, o papa Francisco desfaz o estuque do grande pilar do capitalismo e da grande ilusão do ocidente: a propriedade privada. E propõe: e se à ideia de propriedade sobrepuséssemos a de solidariedade?

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco