Cristo, Gandhi e Mandela

| 9 Set 20

Do mesmo modo como uma minoria ateia não pode impor à força a toda uma sociedade a sua forma de pensar, também nenhum sector religioso tem o direito de fazer o mesmo. A isto chama-se democracia.

 

Numa democracia liberal todos os cidadãos devem ter, à partida, direito de opinião, assim como todos devem poder influenciar os seus concidadãos de acordo com as crenças, perspectivas e expectativas próprias. A convivência democrática confere o direito à opinião livre e independente, permitindo a diferença de posições, concepções do mundo e ideais de sociedade. Isto é saudável, não apenas do ponto de vista político, mas também social.

Os problemas começam quando um dos sectores da sociedade procura impor a sua mundovisão aos outros, seja pela lei ou pela força. Este fenómeno é visível tanto no campo religioso como no laico.

Faz muita confusão ver algum produto cultural sair a público sabendo-se que decerto provocará reacções de mágoa e revolta em grupos religiosos, pelo facto de o consideraram blasfemo. Isto tanto sucede com o islão, como foi o caso das caricaturas de Maomé no Charlie Hebdo (Paris, 2015), ou como com o cristianismo, por exemplo, com a apresentação da Escola de Samba Mangueira (Rio, 2020). Não se entende como a liberdade criativa deva ser invocada para agredir a fé de outrem. Mas ainda entendo menos as reacções extremadas por parte dos religiosos, que atiçam os fiéis contra os prevaricadores, procurando calá-los, prendê-los ou matá-los. Não vejo uma ponta de racionalidade em nenhuma das posições.

Será que não se pode fazer arte sem agredir as consciências? Será que não se pode reagir a isso sem retaliação e vingança?

Pergunto aos religiosos: que Deus é esse que não se sabe defender e que precisa dos simples mortais para “lavar” a sua honra? Será que não entendem que as reacções desproporcionadas é que amplificam a suposta transgressão ou blasfémia, tornando-a muito mais visível e impactante à escala planetária, e que fazem duma insignificância um assunto na ordem do dia? Não poderiam marcar a vossa posição e manifestar o legítimo desagrado de modo pacífico?

Quando insultaram Jesus de Nazaré chamando-o “beberrão”, apenas porque se sentava à mesa com aqueles que eram considerados pecadores pelos religiosos, ele não saiu pelas ruas a vociferar contra os que o insultaram e à procura deles para lhes partir a cara. Pelo contrário, ensinou os que o ouviam que era melhor amar os inimigos e orar a Deus pelos perseguidores.

Também será difícil entender, em termos democráticos, como é que uma minoria quer impor a toda uma sociedade a sua ética religiosa. Quem tem fé tem o direito de afirmar aquilo em que crê e viver de acordo com isso. Além disso, a cidadania também lhe dá legitimidade para procurar influenciar os outros no sentido das suas crenças e estilo de vida, mas já não tem qualquer direito de querer impor a sua ética religiosa a quem não tem fé. Isso é abusivo. Não há outra forma de o dizer.

Do mesmo modo como uma minoria ateia não pode impor à força a toda uma sociedade a sua forma de pensar (o que é laico é o Estado, não a sociedade), também nenhum sector religioso tem o direito de fazer o mesmo. Jesus nunca alinhou com os sicários. E quando Pedro puxou da adaga no Getsémani e cortou a orelha de Malco, o servo do sumo-sacerdote, foi imediatamente repreendido pelo Mestre, apesar de estar a ser preso pela guarda da Templo: “(…) Então, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e o prenderam. E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo-sacerdote, cortou-lhe uma orelha. Então Jesus disse-lhe: Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão. Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos?” (Mateus 26:50-53).

Aliás, S. Paulo dizia que as armas do cristão são de natureza espiritual: “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas” (2 Coríntios 10:4), e que a sua única espada é a do Espírito: “Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” (Efésios 6:17). Esta posição paulina vem em linha com o que já o profeta Zacarias defendia no Antigo Testamento: “Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos” (Zacarias 4:6).

Retaliar e querer vingar um acto considerado blasfemo fala mais da pequenez de quem o faz do que do inspirador da fé cristã, o príncipe da Paz, aquele que disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14:27). Os religiosos ganhariam muito em ser suficientemente humildes para aprender alguma coisa com Mahatma Gandhi e Nelson Mandela, já que parece nem sempre aprenderem com Jesus Cristo.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This