Crónica

Dia Mundial contra o trabalho Infantil

[Efemérides]

Dia Mundial contra o trabalho Infantil

O Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, instituído em 2002 pela Organização Internacional do Trabalho, é celebrado a 12 de junho. Se pretendemos eliminar o trabalho infantil, se desejamos salvar-nos e tornar esta nossa Casa Comum mais habitável,  então há que passar dos compromissos à ação concreta.

32ª Marcha para Jesus: dificuldade de diálogo de Lula com os evangélicos

[Brasil, Religião e Poder]

32ª Marcha para Jesus: dificuldade de diálogo de Lula com os evangélicos

A 32ª edição da Marcha para Jesus aconteceu na quinta-feira, 30, feriado de Corpus Christi, em São Paulo. Realizado no Brasil desde 1993, é o maior evento evangélico do país, embora também acolha pessoas de outros segmentos cristãos. Este ano, a marcha reuniu cerca de 2 milhões de participantes e movimentou 40 milhões de reais, segundo a Prefeitura de São Paulo. [Texto de Maria Angélica Martins, Brasil]

E se a Cáritas…?

[Olhar de teóloga]

E se a Cáritas…?

E se a Caritas se tornasse numa das disciplinas dos seminários? Mas uma disciplina teórico-prática. Não seria bom que os nossos seminaristas conhecessem a fundo as Cáritas que funcionam nas paróquias, nas delegações de cada diocese – em ambos os casos trabalhando nelas por algum tempo, como prática pastoral? – A crónica de Cristina Inogés Sanz, para ler no 7MARGENS.

Cartografia da miséria: “o desamparo das flores”

[Moçambique, margem Sul]

Cartografia da miséria: “o desamparo das flores”

Vivemos, portanto, numa sociedade mutilada e a pedir socorro! A resposta aos gritos tem sido quase silenciosa, quase muda e sem expressão, ante o agravamento dos acontecimentos diários. Quive convida-nos a reflectir sobre o país em que hoje vivemos, cheio de atrocidades sociais, desde as que parecem menores, até às de grande vulto que acontecem à luz do dia.

A inteligência prática das mulheres – relembrando o Livro de Rute

[Nas margens da filosofia (LXIII)]

A inteligência prática das mulheres – relembrando o Livro de Rute

Muitas vezes ao falar de inteligência se contrasta um modo masculino e feminino de utilizar esta capacidade. Não me irei debruçar teoricamente sobre esta temática mas imediatamente declaro que encontro diferenças no modo como homens e mulheres raciocinam no que se refere à resolução dos problemas concretos da vida. E vou tomar como exemplo (entre muitos outros possíveis) um dos livros do Antigo Testamento onde as mulheres desempenham um papel central – O livro de Rute. [Texto de Luísa Ribeiro Ferreira]

Dia da Europa

[Efemérides]

Dia da Europa

Celebra-se hoje, 9 de maio, o Dia da Europa, evocando a Declaração Schuman, proferida a 9 de maio de 1950, a qual constituiu o primeiro passo para a construção de uma Europa unida, tendo a paz como alicerce fundador. Decorridas um pouco mais de sete décadas desde esse desejo inaugural e a um mês das eleições para o Parlamento Europeu, a Europa vive hoje talvez um dos momentos mais críticos. [Texto de José Centeio]

Páscoa em Maio

[Crónica]

Páscoa em Maio

A maioria dos cristãos celebrou a Páscoa da Ressurreição do Senhor a 31 de março. A Comunhão Ortodoxa fá-la a 5 de maio. Calendários diferentes ditam datas diferentes. A regra para a celebração da Páscoa é simples e foi estabelecida há 1700 anos pelo Concílio de Niceia, em 325: a ressurreição do Senhor celebra-se no domingo depois da lua cheia do equinócio da Primavera. [Texto do Padre José Vieira]

Dia Internacional do povo Rom

[Efemérides]

Dia Internacional do povo Rom

Esta segunda-feira, 8 de abril, celebra-se O Dia Internacional dos Rom (ciganos). A comunidade rom, a maior minoria étnica na Europa, é frequentemente vítima de discriminação e exclusão social. Os eurodeputados debateram a 25 de março, a situação atual e o reconhecimento europeu do genocídio do povo cigano na II Guerra Mundial. [Texto de José Centeio]

A respiração das casas

[Nas margens da filosofia (LXII)]

A respiração das casas

As casas que me marcaram tiveram sempre corredor. O corredor da casa dos meus avós era uma faixa comprida que partia da cozinha, estendia-se ao longo de salas e terminava no quarto da minha avó. Percorrê-lo de patins foi sempre um sonho nunca concretizado, pelas razões óbvias do barulho e dos estragos na madeira encerada. [Luísa Ribeiro Ferreira]

Sim, há vocações, mas…

[Olhar de teóloga]

Sim, há vocações, mas…

Vivemos em Espanha o Dia do Seminário[1]. O dia em que as dioceses permitem que toda a gente se aproxime dos seminários. A questão é: para ver o quê?
Cada vez menos jovens – e não tão jovens – decidem entrar nos seminários. Claro que procuramos sempre causas exteriores para este baixo acesso: sociedade consumista, falta de compromisso por parte dos jovens, casamentos com menos filhos e, portanto, falta de possibilidades… [Texto de Cristina Inogés Sanz]

“Água para a paz”

[Efemérides]

“Água para a paz”

O Dia Mundial da Água é celebrado anualmente no dia 22 de março com o objetivo de chamar a atenção para a importância da água doce e defender uma utilização e controlo sustentáveis dos recursos de água potável. Se em 2023 o tema foi “Acelerar a mudança para resolver a crise de água e saneamento”, 2024 tem como tema «Água para a paz» e pretende destacar os benefícios da gestão dos recursos hídricos enquanto instrumento para a paz. [Texto de José Centeio]

Remédios de Deus, curas imaginárias? As “boas mãos”

[Moçambique, margem Sul]

Remédios de Deus, curas imaginárias? As “boas mãos”

Há bem poucos meses escrevi um texto sobre a mão esquerda e, nele referi um tratamento que me foi feito pela minha mãe, para evitar partir louça, ao lavá-la. Lembro-me ainda, de uma conversa que desenvolvi com Mia Couto sobre esse tratamento e que ele, em jeito de brincadeira, disse que gostava de o fazer, porque também é derrubador de louça. [Texto de Sara Laisse, Moçambique]

Há vida na escola

[Segunda leitura]

Há vida na escola

A iniciativa chama-se “Votar claro”, belo nome, cheio de interpretações possíveis (“Votar? Claro!, “Votar claro…”, “Votar, claro.”). Já nasceu há dois anos mas, tanto quanto sei, só se concretizou plenamente por estes dias, com o beneplácito do Ministério da Educação. Vale a pena ouvir a reportagem que sobre o tema fez há dias a Antena Um e que tão bem ilustra os méritos da (e a satisfação generalizada com a) iniciativa. [Texto Joaquim Fidalgo]

Dia Mundial da Justiça Social

[Efemérides]

Dia Mundial da Justiça Social

O Dia Mundial da Justiça Social assinala-se, anualmente, a 20 de fevereiro. Este dia foi implementado através da Resolução 62/10 da Assembleia Geral das Nações Unidas, a 26 de novembro de 2007. O termo Justiça Social terá aparecido pela primeira vez pela mão do jesuíta Louis Taparelli d’Azeglio com o objetivo de contrapor ao liberalismo e ao capitalismo da era da Revolução industrial uma teologia que fosse o suporte de uma doutrina moral da Igreja.

“Fiducia supplicans”: preconceitos e debates sobre in(ex)clusão

[Moçambique, margem Sul]

“Fiducia supplicans”: preconceitos e debates sobre in(ex)clusão

A declaração “Fiducia supplicans” deixou-me feliz, porque recordou-me as discussões sobre inclusão e preservação da vida humana, que tive com os meus alunos, na disciplina de Cultura Moçambicana. Pedia-lhes, algumas vezes, que procurassem e que levassem para a sala de aulas as razões pelas quais o Ministério da Justiça, em Moçambique, não aceitar oficializar a LAMBDA, “uma organização de cidadãos moçambicanos, que advoga pelo reconhecimento dos Direitos Humanos das pessoas LGBT”. [Texto de Sara Laisse]

Será que em Portugal podemos gostar de Thomas Merton?

Um dos grandes místicos do século XX

Será que em Portugal podemos gostar de Thomas Merton?

Thomas Merton é considerado como um dos grandes místicos do século XX. A sua capacidade de análise da realidade não se perdeu, ficou até mais aguçada, após a sua entrada na Abadia de Getsémani como monge trapista da estrita observância. Estamos perante um homem que, como bom místico, não perde o contacto com a realidade e não tira os seus pés nem as suas mãos da lama de qualquer fraqueza e problema humano. [Texto de Cristina Inogés Sanz]

Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

[Efemérides]

Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

Nas sociedades acontece muitas vezes que as vítimas se tornam mais tarde carrascos de outros replicando o sofrimento que lhes foi infligido. Como é possível que um povo que tanto sofreu, inflija agora a outro povo tamanho sofrimento? Traumas mal resolvidos, feridas não saradas, ódios latentes, preconceitos, responsabilidades não assumidas conduzem indubitavelmente à propagação do mal, à ostracização do outro. [Texto de José Centeio]

“Desigrejados” e crescimento de templos evangélicos: aparente contradição?

[Brasil, Religião e Poder]

“Desigrejados” e crescimento de templos evangélicos: aparente contradição?

O último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizado em 2010, indicou que a categoria de “cristãos evangélicos não determinados” somava 9,2 milhões de pessoas, representando 21% do total de evangélicos na época. Os cristãos “indeterminados” constituem uma categoria de evangélicos que, embora não tenham abandonado as confissões dogmáticas do cristianismo, desligaram-se da estrutura institucional das igrejas. [Texto de Maria Angélica Martins]

Do riso da ciência à ciência do riso

[Quem ri por último ri pior - 4]

Do riso da ciência à ciência do riso

O riso, não importa onde nem como, não era lá muito bem visto em tempos passados. Mas, queiramos ou não, foi sob riso que a ciência moderna provou que o riso não é senão riso – algo que nos faz bem, que nos deixa relaxados, que nos proporciona prazer e alimenta relações humanas. E não sinal de alguém possesso por demónios, reles ou demente, como se acreditou durante tanto tempo. (Abílio Almeida)

Garrido, o vitimador

[O flagelo que não acaba – XIV]

Garrido, o vitimador

Os abusos de qualquer tipo na Igreja são, em essência, uma forma de eclesiopatia, fruto de uma formação distorcida nos seminários e noviciados (embora alguns destes últimos já pareçam estar a corrigir o rumo) que, embora possa parecer estranho hoje, ainda considera o corpo como o inimigo a ser derrotado, o que gera muitos traumas. Tampouco é levada em consideração a formação afetiva, sexual e emocional dos seminaristas. (Cristina Inogés Sanz)

O caminho de peregrino espera por ti

Uma esperança que nos liberte do medo

O caminho de peregrino espera por ti

«Todo aquele que uma vez foi peregrino deve estar sempre pronto a partir de novo e a recomeçar a viagem. De nada serve dizer: já não sou um peregrino. Foste uma vez, não é assim? Então o caminho da peregrinação espera por ti novamente. Põe-te a caminho. A caminho!». A vida é uma viagem, uma aventura, um encontro com a realidade da nossa existência que avança num fluxo contínuo, acompanhando o movimento perpétuo da Terra. (Maria do Céu Sousa Fernandes)

Uma greve de mulheres que fez esgotar as salsichas…

[Segunda leitura]

Uma greve de mulheres que fez esgotar as salsichas…

Há perto de 50 anos, num dia do mês de outubro, as salsichas esgotaram em todas as lojas e supermercados da Islândia… Coisa estranha, não? E fica ainda mais estranha quando se sabe o motivo deste bizarro acontecimento: uma greve de mulheres.  Uma greve a TODO o trabalho que lhes competia, fosse o do emprego, fosse o de casa. Sim, que trabalho doméstico também é trabalho. (Joaquim Fidalgo)

A chateza de um mundo politicamente correcto

Nas margens da filosofia (LIX)

A chateza de um mundo politicamente correcto

Vivemos num mundo do politicamente correcto onde se aboliram determinados termos e em que domina uma permanente cautela em não fazer comparações e avaliações que possam ser consideradas ofensivas. Há temáticas tabus em que esse cuidado é relevante, nomeadamente no que se refere ao sexo, à cor da pele, à igualdade de género, à classe social, à diversidade de costumes, às diferenças étnicas. (Luísa Ribeiro Ferreira)

Pequenas, grandes curas: remédios, crenças e corpos

[Moçambique, margem Sul]

Pequenas, grandes curas: remédios, crenças e corpos

Conheci um médico que dizia que, depois da informação sobre uma doença, a sua cura pode depender de três processos: o seu tratamento (remédios), a sua aceitação ou fé na extensão da doença (convicção/crença) e a anuência ou o grau de imunidade do indivíduo (corpo). Basta, segundo ele, que uma das componentes suplante a outra, para que se tenha um “meio caminho andado” para revigorar a pessoa. Este foi o mote para o presente texto. (Sara Laisse)

Rupnik já não é o protegido

[O flagelo que não acaba – XIII]

Rupnik já não é o protegido

Quando o caso Rupnik se tornou público no início de Dezembro do ano passado, ouvimos declarações de alguns altos representantes da Companhia de Jesus que se apressaram a sublinhar, e passo a citar: “Em primeiro lugar, não há menores envolvidos. Por outras palavras, trata-se de problemas entre adultos.” Em suma, dá-se a entender que aqui, neste caso, não aconteceu nada.

“Que guerra é essa no coração da natureza?”: Uma reflexão sobre a guerra e a paz.

[Cinema, existência e narrativa (3)]

“Que guerra é essa no coração da natureza?”: Uma reflexão sobre a guerra e a paz.

Conhecido em Portugal como A Barreira Invisível e no Brasil como Além da Linha Vermelha, a película The Thin Red Line é o terceiro filme dirigido pelo cineasta estadunidense Terrence Malick. Malick possui doutorado em Filosofia, cuja tese é sobre o filósofo alemão Martin Heidegger. Após descobrir que seu pensamento poderia ser melhor explorado na sétima arte, Malick deixou sua carreira acadêmica para continuar sua jornada como filósofo na cadeira de diretor de cinema. (Presley Henrique Martins)

“Falar, falar, falar”

[Margem 8]

“Falar, falar, falar”

A gente habitua-se ao tom de enfado desta repetição, ao tom de denúncia de quem diz “falar, falar, falar” como se colocasse o dedo na ferida da nossa inconsequência. Nos piores casos, da nossa hipocrisia. Mas aconteceu-me outra coisa em julho. No podcast do Centro de Espiritualidade Redentorista (CER) temos a cada dia 9 uma conversa com alguém de quem gostamos.

Admirável Mundo Novo

Nas margens da filosofia (LVIII)

Admirável Mundo Novo

Admirável Mundo Novo[1] foi um dos livros que marcou a minha adolescência. Lembro-me que o li em inglês, quando era aluna do Instituto Britânico e que ao longo da vida muitas vezes o reli, tal como faço com outras obras que me marcaram e cuja releitura me dá sempre imenso prazer. Na altura do meu primeiro encontro com esse livro partilhei as angústias de um dos seus personagens principais – John, o selvagem que habitou numa reserva e que subitamente se viu confrontado com os avanços da civilização.

Rupnik, o protegido

[O flagelo que não acaba – XII]

Rupnik, o protegido

O comunicado de imprensa, como o emitido pelo Vicariato de Roma, é uma autêntica filigrana para dizer algo que evidencie a posição de quem o emite e que, na sua “perfeita?” redação, faz com que as margens do texto fiquem pejadas de pessoas já muito feridas, que continuam a ser insultadas com desprezo, com indiferença e, sobretudo, com a dúvida permanente sobre aquilo que denunciam desde a mais absoluta invisibilidade.

Fatima Zahra e outras crianças

[Os dias da semana]

Fatima Zahra e outras crianças

A aparição televisiva da criança é memorável. Durante breves instantes, o operador de câmara fixa-lhe o rosto. É bonito e expressivo. O que, sobretudo, impressiona é o contraste imenso entre a alegria que o inesperado sorriso documenta e o drama que nele fica de algum modo disfarçado. A criança, que pudemos ver no Jornal da Tarde e noutros noticiários televisivos de segunda-feira, dia 18, é uma das 100 mil que estão a sofrer por causa do sismo ocorrido em Marrocos no dia 8 de Setembro.

O pão nosso de cada dia…

[Segunda leitura]

O pão nosso de cada dia…

Durante o minuto que demorei a escrever esta frase, foram gastos 2.700 euros em raspadinhas. Durante os cinco minutos que demorará a leitura desta crónica, serão gastos no país 13.500 euros em raspadinhas. Durante todo o dia de hoje, nada mais nada menos do que quatro milhões de euros irão para a compra de raspadinhas. [A crónica de Joaquim Fidalgo]

Chantagem!

[O flagelo que não acaba – XI]

Chantagem!

Durante a última JMJ ficou evidente que as pessoas LGTBIQ+ continuam a ser alvo de alguns grupos, cuja alegada e exibida “pureza religiosa” contrastou fortemente com a clareza com que Francisco disse que na Igreja cabem todos, todos, todos!! Creio que a maioria de nós partilha o que disse Francisco, porque não se pode falar de comunhão se todos aqueles que querem estar na Igreja, porque se sentem e são Igreja, não o podem fazer.

Uma Saga Familiar

Nas margens da filosofia (LVII)

Uma Saga Familiar

Li nestas férias de verão muitos textos que me agradaram. Um deles foi o livro recentemente publicado por Lívia Franco sobre a Primeira Guerra Mundial interpretada através dos personagens concretos que nela viveram e que com a sua acção a construíram, imprimindo-lhe os traços que hoje nos permitem lê-la e estudá-la.

O peso dos anos

Nas margens da filosofia ( LVI)

O peso dos anos

Annie Ernaux ganhou o Prémio Nobel da Literatura em 2022. Até essa altura nada conhecia desta escritora francesa e tive curiosidade em me actualizar. Sabia que grande parte dos seus livros tinham um toque autobiográfico, algo que de antemão me agradava pois penso que a vida real – a nossa e a dos outros – é um manancial de aprendizagens que constantemente destroem as ideias feitas que herdámos ou que nós próprios construímos. Antes de a ler sabia que esta autora escrevera grande parte das suas obras estabelecendo uma relação directa entre a História e a sua história de vida, fazendo jus à relação muito apreciada pelos franceses entre a Histoire e a petite histoire.

Nem amnistia nem multas de trânsito

[Margem 8]

Nem amnistia nem multas de trânsito

As palavras que usamos contam. E há um sonho de esperança inesgotável que a palavra “amnistia” não é capaz de contar. Por sorte, temos uma outra: jubileu. Ou redenção, se me der para puxar a brasa redentorista à minha sardinha.

A teia de aranha

[O flagelo que não acaba – X]

A teia de aranha

Ainda há pessoas a quem lhes custa acreditar que a realidade dos abusos seja verdadeira; outras gostariam que estas coisas não se tornassem públicas, porque o que não se sabe não existe e é melhor não saber; e outras negam absolutamente que isso aconteça e veem isto como um ataque à Igreja. [A opinião de Cristina Inogés-Sanz]

ContrEconomia (8) – Para além da teologia do sacrifício-mérito e a visão comercial de Deus

E se fosse uma aurora de ressurreição?

ContrEconomia (8) – Para além da teologia do sacrifício-mérito e a visão comercial de Deus

A Bíblia revelou-nos um Deus diferente dos deuses naturais. Não escolheu reconhecer o sentimento religioso que já havia no mundo dando novas formas aos antigos cultos e ritos da fertilidade, da morte, da colheita. Pelo contrário, a Bíblia e, depois, os primeiros cristãos fizeram de tudo para salvar a novidade do seu Deus. Defenderam-no e guardaram-no a ponto de chamar “ídolos” a todos os outros deuses.

O conhecimento do inferno

[Os dias da semana]

O conhecimento do inferno

A história é conhecida. O protagonista é um bom cristão. Está no céu há já algum tempo. A eternidade, a partir de um certo momento, começa a exasperá-lo. Nunca acontece seja o que for de estimulante. É um tédio, tamanha bonomia e tranquilidade. A ideia de ir conhecer o inferno começa, então, a germinar.

Agora, não sei o que fazer com esta teologia

[Margem 8]

Agora, não sei o que fazer com esta teologia

Foi há muitos anos, como quem recebe um dom, que encontrei na iconografia bizantina um manancial de sugestões teológicas. O caso começou com um ícone da Descida aos Infernos, uma linguagem poderosa da Ressurreição enquanto invasão de Vida pelo território da morte adentro e, assim sendo, linguagem explosiva da Ressurreição enquanto comunhão de Vida que a ninguém deixa de fora.

Pascal e as razões do coração

[Nas margens da filosofia – LV]

Pascal e as razões do coração

Em boa hora o 7MARGENS deu o relevo merecido à carta apostólica recentemente publicada pelo Papa Francisco sobre Blaise Pascal. E ao mesmo tempo proporcionou-nos a leitura da intervenção do cardeal José Tolentino Mendonça relativa à mesma ocorrência, um texto onde se relevam as diferentes manifestações do pensamento e da acção deste pensador seiscentista.

Obscenidades e terapia em “vidas cantadas”

[Moçambique, margem Sul]

Obscenidades e terapia em “vidas cantadas”

Luís Loforte publicou a obra Vidas Cantadas – um legado de Samora Machel (um olhar sobre as canções de trabalho). Trata-se de um majestoso registo, no qual transcreve e interpreta canções de e no trabalho, mas também canções que cantam vidas e o quotidiano; algumas vezes contrapondo a sociedade moçambicana à portuguesa. Fê-lo como uma demanda social, preenchendo um vazio que ainda se faz sentir em Moçambique.

Francisco na Disney: Outra forma de JMJ?

[Olhar de teóloga]

Francisco na Disney: Outra forma de JMJ?

Confusa e assustada com o selo que o Vaticano, com uma grande falta de sensibilidade, emitiu sobre a JMJ de Lisboa e que, felizmente, foi retirado, vejo que poderia ser necessária outra forma de JMJ. Com um pouco de imaginação e criatividade seria possível ir reformando uma estrutura que não mudou desde que foi criada em 1984. O mundo e os seus habitantes mudaram muito desde então. Os jovens especialmente.

O perdão não substitui a justiça

[O flagelo que não acaba (IX)]

O perdão não substitui a justiça

Gostaria muito que este pudesse ser verdadeiramente o último artigo dedicado ao flagelo que não acaba, os abusos na Igreja. Como temo que, infelizmente, não poderá ser assim, não quero colocar (fim) e deixo em aberto a possibilidade de poder retomar a série. Vou-me referir ao perdão e à reconciliação em geral na Igreja, porque nos faz muita falta.

PL da Fake News e a oposição de setores evangélicos

[Brasil, Religião e Poder]

PL da Fake News e a oposição de setores evangélicos

Neste momento, discute-se no Brasil o projeto de lei 2630, aprovado em junho de 2020 no Senado, cuja tramitação segue na Câmera dos Deputados e tem o apoio do governo Lula. O PL propõe medidas de combate à disseminação de conteúdo falso nas redes sociais e aplicativos de mensagens privadas e, embora tenha o apoio de diversas entidades da sociedade civil, esbarrou na oposição de bolsonaristas, evangélicos e big techs.

Três diálogos necessários (e outros tantos) sobre pacientar e amarrar capulana

[Moçambique, margem Sul]

Três diálogos necessários (e outros tantos) sobre pacientar e amarrar capulana

Pacientar é um neologismo muito utilizado em Moçambique. Não carece de explicação, porque a sua composição é esclarecedora. Este, em alguns meios que explicarei mais adiante, funciona em paridade com a expressão amarrar capulana. Esta última expressão, paradoxalmente ambígua, nuns contextos significa recato (para a mulher) ou seja, não atiçar “os apetites” dos homens para uma relação sexual. (Sara Jona Laisse)

“’tis but a scratch”

[Margem 8]

“’tis but a scratch”

O tema podia ser um pormenor ou um sistema, um método que simplesmente já não funciona ou uma organização que desgraçadamente se estragou, mas há uma postura eclesial que se repete demasiado: reconhecer muito debilmente que aquilo que fazemos não está bem, mas resistir fortemente em mudar seja o que for. [A crónica de Rui Santiago]

Falamos de abusos na vida religiosa?

[O flagelo que não acaba – VII]

Falamos de abusos na vida religiosa?

Só porque algo não é falado não significa que não exista. A cultura da impunidade não só nasceu e se instalou nos seminários, como também estendeu os seus tentáculos à vida religiosa. Não deve surpreender-nos porque o abuso de poder impregnou todas e cada uma das estruturas da Igreja, e a vida religiosa é uma delas. (Crónica de Cristina Inogés Sanz)

A caixa que me levou “àquela hora com Jesus”

Testemunho

A caixa que me levou “àquela hora com Jesus”

A Caixa entrou-me em casa pelas mãos de uma mensageira. Não era um anjo, não! Mas andava lá perto. Trazia um brilhozinho nos olhos, era cara conhecida de caminho em comunidade. A Caixa era só uma caixa de papelão igual a milhões de outras caixas, mas… Dentro da Caixa, escrito a letras negras, quase gritava para a abrir! A seguir, leio arrepiada por baixo das letras gordas: “Que te leva àquela hora com Jesus”.

A jovem Diocese de Bissau

[Crónicas da Guiné – 6]

A jovem Diocese de Bissau

Já sabemos que a Diocese de Bissau é recente, teve em 1977 o seu primeiro bispo, D. Settimio Ferrazzetta, que morreu em 1999, com fama de santidade. O atual bispo, já o terceiro, é D. José Lampra Cá, desde 2021, mas está agora na Europa por razões de saúde. Se pensarmos que a outra diocese, de Bafatá, não tem bispo, por ter falecido de covid, temos que a Guiné-Bissau católica está fragilizada na liderança.

Tenho vontade de ser velha e medo de envelhecer

Tenho vontade de ser velha e medo de envelhecer

A velhice soa-me a poesia, a história, a vida, a sabedoria – sim, quem lá chega diz que esta não passa de uma visão romântica da inevitabilidade. Posso até aceitar, mas o certo é que tenho fascínio pelos velhos, sempre quis ser velha, desde cedo. Não há companhia que os supere.

Quase reprovei a latim

[Margem 8]

Quase reprovei a latim

Foi mesmo por pouco e ainda há quem lembre momentos tão hilariantes como aquele em que respondi ao professor que me perguntava, apontando o quadro, “O que está mal nesta frase?”, com um titubeante “Acho que deve ser os acentos, que faltam…” A sala deu uma gargalhada, o professor descompôs-se de riso também, e eu era o único que estava sem entender porquê. Afinal, para meu espanto, o latim não tinha acentos. Onde já se viu?

As lágrimas que regam o jardim da vida

As lágrimas que regam o jardim da vida

  A água é um dos compostos químicos mais importantes. Relativamente simples sob o ponto de vista estrutural, H2O é muitas vezes tratada como “a molécula mágica”, com tudo o que já dela se conhece mas também com o muito que sobre ela ainda há a saber. A água...

“Os sete saberes para a educação do futuro”: os legados de Luís Bernardo Honwana

[Moçambique, margem Sul]

“Os sete saberes para a educação do futuro”: os legados de Luís Bernardo Honwana

Foi-me incumbida a missão de fazer um depoimento em homenagem a Luís Bernardo Honwana (LBH), figura renomada e importante da história social e cultural de Moçambique. Renomada pela mensagem que a sua obra deixa para gerações de tempos diferentes e pelo seu papel de escritor no que concerne à veiculação das suas ideias, consentâneas com as de uma maioria na sociedade, difundindo a causa da dignidade humana.

Acalma-te, pensa

[Os dias da semana]

Acalma-te, pensa

Procurar saber como são ao certo as coisas, estar devidamente informado, ter um olhar crítico, saber distinguir o insignificante do importante, não ser cínico, pode fazer diminuir o número de indignações quotidianas.

Abusos sexuais: Blasfémia!

[O flagelo que não acaba (V)]

Abusos sexuais: Blasfémia!

A realidade nauseabunda dos abusos, o flagelo que não acaba, não é um problema português, nem italiano, nem francês, nem espanhol. É um problema da Igreja, de toda ela e, portanto, de todos nós que nos consideramos Igreja. Porque, embora não gostemos de o reconhecer, a nossa Igreja está podre até à raiz. (Crónica de Cristina Inogés Sanz, teóloga e integra a comissão metodológica do Sínodo dos Bispos católicos).

Abusos sexuais na Igreja: Quarenta dias e quarenta noites para (re)começar?

Opinião e debate

Abusos sexuais na Igreja: Quarenta dias e quarenta noites para (re)começar?

Tantas crianças abusadas por membros do clero! Como foi possível? Foram e são crianças, senhores! Exatamente aquelas que Jesus indicou como o foco do amor e da atenção, na sua imensa fragilidade e ternura: as crianças, os indefesos, os pobres, os que choram, os famintos, os presos, os negligenciados, os desamparados, os excluídos, os “pequeninos”. O que lhes fizestes a mim o fizestes, disse Jesus. (Opinião de Joaquim Azevedo)

“A serviço do índio para a glória de Deus”

[Brasil, Religião e Poder]

“A serviço do índio para a glória de Deus”

A situação desoladora na qual os Yanomami foram encontrados foi notícia no Brasil e no mundo. O avanço do garimpo ilegal é a principal causa da tragédia vivenciada pelos Yanomami. No dia 1 de fevereiro, Uol Notícias divulgou uma pesquisa realizada pelo ISA (Instituto Socioambiental) em parceria com a HAY (Hutukara Associação Yanomami). A pesquisa aponta que o garimpo ilegal cresceu 54% na área indígena Yanomami no último ano do governo do ex-Presidente Jair Bolsonaro (PL).

Como combater a permanência de milhões de pobres

Imagens da pobreza e assistência em Portugal (III)

Como combater a permanência de milhões de pobres

A prevenção da pobreza tornou-se, a par da providência, um problema cada vez mais discutido durante o século XX, com soluções distintas propostas por socialistas, comunistas e liberais. Os primeiros e segundos atribuíam ao Estado a função assistencial, enquanto os últimos, tendencialmente, consideravam caber às instituições da sociedade, sobretudo, lidar com estas situações.

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu

[Margem 8]

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu

O Simão ainda tem o tamanho de menino que consegue caminhar por baixo da mesa de jantar. Inclina um bocadinho a cabeça, risonho, e passa de um lado ao outro com as suas aventuras. Tem os olhos que são todo um convite para o mundo. A vida é atraída por aqueles olhos e vai por ali adentro em torrente, com o entusiasmo de um ribeiro.

Da celebração à invasão, o grande trabalho a ser feito pelo novo Governo

[Brasil, Religião e Poder]

Da celebração à invasão, o grande trabalho a ser feito pelo novo Governo

No primeiro dia do ano, o clima no Brasil foi de celebração, não somente pelo fôlego que um novo ano sempre traz, mas porque o recomeço que o povo brasileiro ansiava, finalmente chegou. Lula, em uma cerimônia marcante – organizada pela primeira-dama, Janja, cabe dizer –, tomou posse como Presidente da República, cargo que a maioria dos brasileiros confiaram a ele pela terceira vez. Em uma quebra inédita de protocolo, o Presidente recebeu a faixa presidencial não do ex-Presidente Jair Bolsonaro, mas de um grupo de oito pessoas, que representou a diversidade da população brasileira e reafirmou o compromisso do novo Governo com ela.

O que fazer dos nossos livros?

[Nas margens da filosofia – L]

O que fazer dos nossos livros?

Que fazer dos quase dezasseis mil livros que ao longo da nossa vida temos comprado e herdado? Dos meus irmãos recebi praticamente todos os nossos livros de infância pois nenhum pretendia guardá-los. A esses se acrescentam os livros de direito do meu marido, os meus de filosofia e as centenas de obras de história, de literatura, de enciclopédias, de dicionários etc., etc.. A casa de férias tem ajudado a solucionar esta situação e nela guardamos essencialmente a literatura infantil e policial.

A musicalidade dos risos esquisitos

[Quem ri por último ri pior]

A musicalidade dos risos esquisitos

Estudar o riso enquanto gratificação televisiva despertou em mim uma atenção muito particular para com esse fenómeno no quotidiano. O que partilharei de seguida é apenas uma das muitas coisas de que me apercebi, achei interessante e registei numa espécie de “diário de bordo”, que fui completando nestes últimos anos.

Pescadinha de rabo na boca

[Moçambique, margem Sul]

Pescadinha de rabo na boca

Sendo Moçambique um Estado laico, não deveria haver qualquer desconcerto com a religião; mas poderá haver algumas concessões para as crianças, nas escolas públicas, poderem completar os estudos, não cantando o hino, em respeito aos seus preceitos religiosos. Assume-se que deve haver liberdade de escolha. Mas, ao que parece, a abertura dada pelo Governo deixa também a sensação de alguma arbitrariedade, o que confunde as pessoas.

Ao encontro do islão na Guiné-Bissau

[Crónicas da Guiné – 3]

Ao encontro do islão na Guiné-Bissau

O animismo era a forma religiosa dominante na Guiné-Bissau, até finais do século XX. O século XXI tem trazido uma onda de adesões ao islão. A voz do muezim pela madrugada ou as prostrações em oração na rua têm uma afirmação crescente no ambiente urbano. Segundo o último censo, perto de 50% da população declara-se muçulmana. O animismo ainda tem a adesão de cerca de 30% e o cristianismo cerca de 20%, incluídas as várias igrejas cristãs. Impunha-se, portanto, procurar a Mesquita Central de Bissau ou Grande Mesquita de Bissau.

À espera

[Os dias da semana]

À espera

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Mundial de Futebol no Qatar: vale tudo para que haja espectáculo?

[Os dias da semana]

Mundial de Futebol no Qatar: vale tudo para que haja espectáculo?

Razões não faltam para reprovar a realização do Mundial no Qatar. Na altura em que tanto se tem discutido sobre o que fazer para salvar o planeta da catástrofe climática, o Qatar vai ajudar a destruí-lo. A lista de “aberrações ecológicas”, que inclui a existência de ar condicionado nos estádios, é extensa, mas há uma, denunciada pela Greenpeace e citada pelo Monde, que é especialmente curiosa: para transportar para Doha, a capital do Qatar, os adeptos alojados em cidades dos países vizinhos, particularmente do Dubai, estão programados 160 voos diários. Ou seja, um avião a cada 10 minutos [5].

Em Lamego “o teu bairro é o nosso bairro”

[Mãos à obra]

Em Lamego “o teu bairro é o nosso bairro”

Em quatro bairros de Lamego, 1400 pessoas estão unidas em torno do projeto “O teu bairro é o nosso bairro” para promover a inclusão social e a luta contra a pobreza. A ideia nasceu no ano passado e ganhou asas. Promovida pela Câmara de Lamego, em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Lamego e a Obra Kolping Portugal, já se traduz em diversas ações de proximidade com os moradores de Alvoraçães, Nazes e Ponte e Castelo.

Uma justa homenagem a Manuela Silva

[Nas margens da filosofia – XLIX]

Uma justa homenagem a Manuela Silva

No dia passado dia 11 de Novembro reuniram-se no ISEG familiares, admiradores, colaboradores e amigos de Manuela Silva, prestando-lhe homenagem através do lançamento de um livro onde a sua acção foi lembrada em múltiplas vertentes – social, política, espiritual e profética. Economista de profissão, ela colocou todo o seu saber, a sua energia e os seus interesses ao serviço de uma causa: construir um mundo melhor e mais justo, onde todos e todas conseguissem viver plenamente a sua dignidade de pessoas, ao mesmo tempo que respeitavam a Terra onde lhes foi dado viver.

De pastoral para pastoral

[Olhar de teóloga]

De pastoral para pastoral

Estamos de parabéns! Terminou a fase diocesana do Sínodo, mas não o Sínodo em si, e começamos o caminho com tudo fresco na cabeça. Aquilo que dissemos nos grupos e que foi recolhido nas sínteses diocesanas e nacionais está disponível para refrescar a memória. A nossa voz soou clara, com conteúdo e força.

Atos antidemocráticos revelam clima hostil e delirante no Brasil

[Brasil, Religião e Poder]

Atos antidemocráticos revelam clima hostil e delirante no Brasil

Após a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva, Presidente eleito no Brasil, observamos o meio evangélico reagir de maneira adversa; líderes pentecostais como Silas Malafaia e Edir Macedo declararam respeito ao resultado das urnas e abertura ao Governo Lula. Já o líder da bancada evangélica, Sóstenes Cavalcante, que é pastor na Assembleia Vitória em Cristo, a mesma igreja de Silas Malafaia, não está disposto ao diálogo, reforçando sua oposição ao Governo

Quando a “realidade” é um pormenor ou um exagero

[Margem 8]

Quando a “realidade” é um pormenor ou um exagero

Uns rublos depois – uns dias depois, queria eu dizer – apareceu por lá uma maquinaria pesada, um daqueles rolos a alisar a terra. E adeusinho. Passou uma semana e mais outra sem que o alcatrão chegasse. Voltou lá ao gabinete o meu confrade. “Sim, sim, já está alcatroada. Olhe aqui.” E foi-lhe mostrado um mapa todo apresentável em que se via o milagre.

Reabilitar a ideia e a consciência do bem comum

[Mãos à obra]

Reabilitar a ideia e a consciência do bem comum

A partir da experiência e do percurso do autor, A Era do Nós. Propostas para uma Democracia do Bem Comum, da autoria de João Ferro Rodrigues, economista, procura refletir sobre a realidade atual para afluir em propostas concretas que, segundo ele, podem ser transformadoras no sentido de voltarmos à ideia do bem comum.

Aprender a rezar com Etty Hillesumm

[Nas margens da filosofia - XLVIII]

Aprender a rezar com Etty Hillesumm

Na conjuntura de guerra que actualmente vivemos é particularmente chocante verificar como a religião continua a ser instrumentalizada em prol de opções políticas. As imagens que frequentemente vemos do Patriarca Cirilo abençoando os exércitos russos e apelando à sua coragem, constituem um insulto ao Deus misericordioso que a todos ama. E recordo uma figura que muito admiro – Etty Hillesum – pelo modo inovador como nos ensinou a rezar.

Alma de pobres (II)

[Olhar de teóloga]

Alma de pobres (II)

Continuo com a reflexão a partir de As Sandálias do Pescador, de Morris West. Fico agora com a figura de David Telemond, o sacerdote que Kiril escolhe como secretário, apesar da sua obra teológica estar a ser submetida a revisão. Por certo, Kiril não favorecerá David Telemond quando chegar a rejeição da sua obra por parte da então Congregação para a Doutrina da Fé.

Alma de pobres (I)

Alma de pobres (I)

Reli neste Verão a novela – e voltei a ver o filme – As Sandálias do Pescador, de Morris West. Farei mais referência ao filme, porque muitas mais pessoas viram o filme e nem tantas leram o livro. Continua a surpreender-me a actualidade do seu argumento e as semelhanças com o momento que estamos a viver no mundo.

O futuro por (re)fazer

O futuro por (re)fazer

“Sabes, provocamos muito a terra.” E é verdade! Isso fez-me recordar do poema que se encontra em epígrafe: a terra anseia pelo nosso carinho, pelo nosso cuidado; entretanto, pouco parámos para agir sobre isso. E estamos todos doentes, nós e a terra.

Cristãos fora da Igreja

[Olhar de teóloga]

Cristãos fora da Igreja

Há já mais cristãos fora do que dentro da Igreja? Poderá haver alguém que acredite sem saber que acredita? O título de um jornal poderá ajudar algumas pessoas a descobrirem a sua fé incipiente? São perguntas que convinha que fizéssemos, pois as respostas às perguntas anteriores são: Sim, sim e sim.

O que sabemos dos nossos refugiados?

[Nas margens da filosofia]

O que sabemos dos nossos refugiados?

Assistimos de novo àquilo que pensávamos nunca mais voltar a acontecer na Europa depois das duas últimas grandes guerras – a fuga massiva de migrantes obrigados a sair do seu país para se manterem vivos. E trata-se de gente que até há poucos meses vivia bem, em cidades cuidadas e bonitas, com jardins, monumentos, escolas e igrejas maravilhosas, num ambiente pacífico que os seus habitantes nunca sonhariam ter de abandonar.

Um só rebanho com diversidade

[Olhar de teóloga]

Um só rebanho com diversidade

Nunca escondi, nem esconderei, a minha relação com comunidades de diversidade sexual que acompanho na medida em que elas querem, onde tenho amigos com quem partilho alegrias, sonhos, esperanças, frustrações, tristezas, e fé em Deus e num cristianismo inclusivo que leve a Igreja a sê-lo também.

O que Deus uniu…

[Olhar de teóloga]

O que Deus uniu…

O que Deus uniu… Como podemos permitir que esta frase seja usada quase exclusivamente no ritual do casamento? Deus nos une em tudo porque nos une na vida e para a vida. Estar unidos por e em Deus significa que temos uma origem comum que é o seu amor em criar-nos; significa também que temos um destino comum.

Notícia que não devia ser notícia

[Segunda leitura]

Notícia que não devia ser notícia

“Quero que as pessoas conheçam o meu ‘eu’ real”, desabafou. O que pressupõe que, se não dissesse nada, o seu ‘eu’ real continuaria desconhecido. Porquê? Porque, não dizendo nada, as pessoas continuariam a pensar (como à partida pensam de todos os homens de todo o mundo…) que ele era heterossexual. Tão simples como isso. E tão problemático como isso, claro.”

A missão de uns e de outros

[Debate 7M: A Igreja e os média-14]

A missão de uns e de outros

Há uma questão fundamental que, por vezes, me parece estranhamente esquecida ou pouco considerada, quando se fala na relação entre a Igreja e os média. Uma pergunta que a um olhar mais atento se torna evidente, mas que na voracidade do quotidiano aparenta escapar: Qual é a função do jornalista? Que missão tem? Faz perguntas porquê e para quê?

Faz-se caminho andando… e, devagarinho, a Igreja está a andar

[Debate 7M: A Igreja e os média-13]

Faz-se caminho andando… e, devagarinho, a Igreja está a andar

Há dias pediram-me que falasse sobre jornalismo e a importância do trabalho em conjunto de Igreja e comunicação social, com alguns seminaristas que se preparam para a ordenação. Repito aqui o que lhes disse lá, não como jornalista, mas como crente: a comunicação social é um tremendo veículo de evangelização do povo, em especial daquele que se encontra mais afastado da comunidade.

Uma Igreja mais colaboradora será mais eficaz

[Debate 7M: A Igreja e os média-12]

Uma Igreja mais colaboradora será mais eficaz

Como jornalistas, constantemente procuramos respostas. A Igreja Católica fala de abertura, mas a sua intenção termina muitas vezes nos documentos oficiais, isto é, na abordagem teórica ao assunto. Dificilmente ouvimos explicações diretas, os telefonemas não são atendidos, os emails ficam por responder. Questiono: se nada existe para esconder, porque no concreto se reduzem a tamanho silêncio?

Para acabar com o mutismo de sempre

[Debate 7M: A Igreja e os média-10]

Para acabar com o mutismo de sempre

Feita esta mudança a partir de dentro, abandonada a pose de detentora exclusiva da razão, a relação com a comunicação social, e com a sociedade, tornar-se-á automaticamente mais fluída e eventualmente menos tensa. Mesmo que do pecado de ter sido a última a querer saber a verdade a Igreja portuguesa já não se livre.

Autonomia, protagonismo e concorrência

[Debate 7M: A Igreja e os média–7]

Autonomia, protagonismo e concorrência

É evidente que nem sempre a relação entre a hierarquia católica e os jornalistas leva em consideração o papel fundamental que estes profissionais desempenham no atual contexto de desinformação em massa. Isso não invalida que se reconheça uma melhoria na forma de projetar a comunicação, com maior profissionalismo nas estruturas católicas, apesar da sistemática dispersão de recursos e ausência de sinergias significativas.

Os jacarandás já estão em flor

[Nas margens da filosofia – XLV]

Os jacarandás já estão em flor

Nos noticiários que diariamente nos informam da guerra não vemos campos de trigo nem flores – vemos feridos, famílias destroçadas, crianças e adolescentes que viajam sozinhos. Um dos meus netos que foi à Ucrânia buscar refugiados levou-os à praia, quando chegaram a Portugal. Vou sugerir que os leve a ver os jacarandás em flor pois, como diz o poeta (que traduzo livremente), “tudo quanto é belo é uma fonte perene de alegria.”

Igreja e comunicação social – aliados na busca da verdade

[Debate 7M: A Igreja e os média–5]

Igreja e comunicação social – aliados na busca da verdade

Poucos casos servem melhor para medir a relação entre a Igreja e os media do que a crise global de abusos sexuais praticados sobre menores por elementos do clero. Esta crise é a maior que a Igreja Católica tem enfrentado nas últimas décadas, e embora haja sinais de que a situação está bastante melhor agora, pelo menos no mundo ocidental, podemos ter a certeza de que irá continuar a gerar manchetes e polémica durante muito tempo ainda.

Saber falar com os média

[Debate 7M: A Igreja e os média–4]

Saber falar com os média

Há muitos, muitos anos, quando comecei a ser jornalista, não havia on-line, nem computadores, nem telemóveis, nem redes sociais. Não havia nada disso. Mas havia, em cada redacção dos grandes meios de comunicação social, um especialista em Igreja. Eram normalmente homens e sempre jornalistas seniores.

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição”

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Comunicar, o verbo que urge conjugar

[Debate 7M: A Igreja e os Média–3]

Comunicar, o verbo que urge conjugar

É urgente (sim, é esta a palavra certa) que a Igreja – a sua hierarquia, os seus múltiplos departamentos – entenda que, para manter a sua respeitabilidade não pode furtar-se ao escrutínio da comunicação social, não pode fechar-se na sua concha. Tem de comunicar, comunicar com todos, esclarecer sempre que questionada, com a rapidez e a linguagem dos tempos que correm.

Igreja precisa mais dos média do que o contrário

[Debate 7M: A Igreja e os média-1]

Igreja precisa mais dos média do que o contrário

Quando se pergunta se em Portugal a relação da Igreja com os média e os jornalistas é boa, uma resposta simplista é sempre uma má resposta, principalmente porque estamos a falar de uma instituição, a Igreja Católica, que por si só é uma multiplicidade de realidades. Para ser honesto, prefiro responder que não há uma resposta, mas muitas respostas, tantas quanto as instituições ou os serviços que constituem a Igreja portuguesa.

… E de novo tostões e milhões!

[Segunda Leitura]

… E de novo tostões e milhões!

Para o sr. Berardo, pelos vistos, um milhão de euros deve ser uma ninharia. Porque ele deve cerca de 900 milhões. Ou seja: gente como nós precisava de viver novecentas vidas para acumular esse montão de notas. E como é que alguém, no espaço de meia dúzia de anos, consegue ficar a dever 900 milhões de euros?… Como?…

“Os pássaros não são reais”

[Os Dias da Semana]

“Os pássaros não são reais”

Uma entrevista concedida por um ex-agente da CIA, Eugene Price, tornaria credível uma acusação que, desde 2017, tinha vindo a ser amplamente difundida nos Estados Unidos da América por um movimento intitulado Birds Aren’t Real. Eugene Price corrobora que a CIA dizimou os pássaros do país, substituindo-os por imitações tecnológicas, drones emplumados cumprindo uma função de vigilância.

A calar ao telemóvel

[Segunda leitura]

A calar ao telemóvel

A ironia disto é que um aparelho que foi feito para a gente falar serve agora, e cada vez mais, para a gente calar. Estamos à mesa com alguém, a conversa não sai ou não nos apetece que saia, ficarmos a olhar uns para os outros em silêncio é pouco agradável, e… puxamos do telemóvel. Pronto, já ficamos confortavelmente calados. Lemos notícias, vemos fotos, espreitamos vídeos, consultamos o Facebook ou o Instagram, lemos ou mandamos mensagens escritas, e por ali vamos estando, todos e cada um com o seu aparelhinho nas mãos e nos olhos, bem caladinhos, até que… chegou a comida! Vamos lá, duas de conversa rápida, que a comer não dá tanto jeito andar às voltas com o telemóvel (embora haja quem consiga!) e já voltamos ali. Já voltamos, não a falar, mas a calar ao telemóvel. Ele, afinal, não nos põe à conversa. Ele, afinal, põe-nos calados. 

A Ressurreição e as abelhas

[Olhar de teóloga]

A Ressurreição e as abelhas

Diz-se que no dia em que as abelhas se extinguirem, a vida deixará de existir porque, sem polinização, a vida vegetal não poderá subsistir e será desencadeado um processo de desaparecimento. Segundo os peritos, são insectos sociais hierarquicamente organizados que comunicam por meio de uma dança ritual.

O grande inquisidor

[Olhar de teóloga]

O grande inquisidor

  A lenda de 'O Grande Inquisidor', de F. Dostoievski, está inserida na sua grande obra Os Irmãos Karamazov, e é uma parábola que alude à fé e ao ateísmo, que sempre andaram de mãos dadas neste magnífico autor. O texto narra o aparecimento de Jesus Cristo no...

Meditação sobre o Papa Francisco

Meditação sobre o Papa Francisco

Na sequência das eleições legislativas de Janeiro, o 7MARGENS pediu a alguns cristãos empenhados na ação política ou com reflexão sobre o tema que explicassem as razões do seu compromisso. Publicamos agora um texto de Adriano Moreira, professor universitário jubilado e antigo líder do CDS. O texto corresponde a uma intervenção feita em 2018 mas que o autor considera uma síntese do seu pensamento nesta área.

Quando a violência nos bate à porta

[Nas margens da filosofia]

Quando a violência nos bate à porta

Quando falamos de violência imediatamente a identificamos com o abuso de força ou de poder sobre algo ou alguém, ou seja, pensamos num agressor e num agredido despojado dos seus direitos e que, enquanto tal, fica reduzido à condição de vítima. Etimologicamente ligamos este termo à sua raiz latina que é a “vis”, ou seja, a força ou vigor e é quase consensual defini-lo como um uso ilegítimo dessa força.

Os pobres no campo de batalha

[Os dias de Cabo Delgado]

Os pobres no campo de batalha

Ninguém o diz, mas a pobreza é a primeira causa de morte no mundo. Nada se alcança com a guerra, apenas destruição e morte, primeiro dos mais pobres. Não sei se a Ucrânia está só como Moçambique quando aqui começou a guerra, mas sei que Deus está aqui, nos pobres, que continuam a morrer nesta guerra silenciosa.

Ubuntu: ser, construir e cuidar a Humanidade, na pressa em que vivemos

[Moçambique, margem Sul]

Ubuntu: ser, construir e cuidar a Humanidade, na pressa em que vivemos

Sinto, cada vez mais, necessidade de dialogar com filósofos, a fim de que me ensinem o equilíbrio necessário para prosseguir como humana. Tenho-me preocupado em como criar e viver Ubuntu, termo que caracteriza uma filosofia de vida africana, a partir da qual se preconiza apoio mútuo entre seres humanos. A filosofia vive da defesa do bem-estar mútuo, no qual se defende “eu sou, porque tu és”, ou seja, só estarei bem se o outro estiver, daí que o apoio mútuo seja sempre premente.

Idoso, mas não idiota

[Os dias da semana]

Idoso, mas não idiota

  É muito provável que Carlos San Juan de Laorden seja hoje o urologista mais conhecido de Espanha, ainda que não tenha sido a prática da medicina a conferir-lhe tamanha e tão fatigante notoriedade. Disse ele que estava cansado por, desde há semanas, ter de...

Memórias divertidas de uma escola do antigamente

[Nas margens da filosofia]

Memórias divertidas de uma escola do antigamente

Comecei a minha carreira de professora a ensinar na mesma escola que frequentei e que nessa altura se chamava liceu[1]. Continuo a morar no bairro dessa escola. O nome da mesma está escrito no passeio, em letras azuis que se destacam no empedrado branco. No seu exterior o edifício mantém-se igual e embora nele não entre há muitos anos presumo que no interior haja poucas alterações.

Milhares, milhões, biliões…

[Segunda leitura]

Milhares, milhões, biliões…

Estou preocupado com a Pfizer. Mesmo. Então não é que, no último trimestre de 2021, essa big pharma teve receitas de ‘apenas’ 23,8 mil milhões de dólares, quando as previsões dos analistas financeiros estavam a apontar para receitas de 24,1 mil milhões de dólares?!… Então isto faz-se?!…

As crónicas de Cristina Inogés Sanz no 7M: Um olhar de teóloga

As crónicas de Cristina Inogés Sanz no 7M: Um olhar de teóloga

O 7MARGENS inicia, com esta crónica, um espaço de colaboração regular de Cristina Inogés Sanz, teóloga espanhola que integra a comissão metodológica do Sínodo dos Bispos católicos. Teóloga pela Faculdade de Teologia Protestante de Madrid, Cristina Inogés colaborou já com a Faculdade de Teologia de Gotinga (Gottingen), Alemanha e actualmente é colaboradora regular de várias publicações, entre as quais a Vida Nueva.

Lembrar as vítimas do nazismo

Holocausto

Lembrar as vítimas do nazismo

27 de janeiro, a data em que o Exército Vermelho libertou Auschwitz, tornou-se o dia internacional em memória das vítimas do nazismo. Hoje quero lembrar Karl Stojka, e o seu aviso: “Não foi Hitler, nem Göring, nem Goebels, nem Himmler, nem nenhum desses quem me arrastou e espancou. Não. Foi o sapateiro, o vizinho, o leiteiro.”

Os ultracrepidários

[Os dias da semana]

Os ultracrepidários

O ultracrepidarianismo é um termo recente que designa um hábito antigo. Foi agora eleita na Bélgica como a palavra do ano de 2021 para assinalar a extraordinária generalização da prática de emitir juízos sobre assuntos que se desconhecem.

À cata de boas notícias

[Segunda leitura]

À cata de boas notícias

Não é fácil dar de caras com boas notícias, elas não abundam mesmo – pelo menos, nas nossas televisões, nos nossos jornais, nos sítios da net que frequentamos. Às vezes, no entanto, uma salta-nos aos olhos a partir do ecrã.

Uma palavra do ano

[Os dias da semana]

Uma palavra do ano

  Escolher a palavra em que melhor se pode encaixar um ano é uma prática comum em diversos países. Em Portugal, tem sido a Porto Editora a dinamizar esse exercício, que possibilitou que, até sexta-feira, 31, se pudesse seleccionar uma de entre dez palavras para...

A tralha natalícia

[Os dias da semana]

A tralha natalícia

No período do advento natalício, o frenesi consumista nota-se mais. O dinheiro esbanjado em coisas desnecessárias é mais ostensivo. Em vez de ser uma festa que aponta para a alegria e a liberdade, o Natal parece homenagear a tristeza de uma insaciabilidade cumulada de tralha.

Um livro da rua e do 7Margens

Crónicas de Ana Sofia Brito

Um livro da rua e do 7Margens

É um livro que começou no primeiro confinamento ditado pela pandemia, em Março de 2020. Ana Sofia Brito aproveitou os dias sem sair de casa para vasculhar todos os seus cadernos e papéis. Rasgou muito do que lhe entulhava as gavetas, mas também aproveitou muito – nas suas palavras, o que achava decente. O convite para escrever para o 7MARGENS e o encorajamento aí recebido levaram à ideia de um livro.

homens que são como a negação das estratégias

[D, de Daniel]

homens que são como a negação das estratégias

Gostava de poder perguntar ao Daniel o lado pelo qual ler este verso. Ouço-lhe o timbre da voz ao escrever esta frase. Perguntava-lhe se era a negação das estratégias que liberta os homens e os cola ao ritmo mineral e vegetal que há nas coisas, ou se era a negação das estratégias que fazem as coisas funcionar.

Não nos siga nas redes sociais

[Os Dias da Semana]

Não nos siga nas redes sociais

As redes sociais oferecerão vantagens que alguns terão competências para aproveitar, mas, hoje, é impossível desconhecer os seus abundantes inconvenientes, congénitos, há quem garanta. As vozes dos que têm denunciado que o modelo de negócio das redes sociais – a sua razão de ser, portanto – assenta na rendibilidade dos seus efeitos mais nefastos têm sido assaz audíveis. Muitos dos que se manifestam contra elas conhecem-nas internamente, por nelas terem desempenhado funções de relevo. Sabem, pois, muito bem do que falam. Entretanto, os que julgam que as desvantagens das redes sociais suplantam os benefícios têm-se multiplicado. Por essa razão, abandonam-nas, mesmo que daí resulte algum prejuízo. Não algum, mas imenso, foi o que a Lush, uma famosa marca de produtos de cosmética britânica com 400 lojas próprias em todo o mundo, teve ao encerrar milhares de contas do Facebook, Instagram, Snapchat e TikTok.

Um murro no estômago

[Segunda leitura]

Um murro no estômago

Não é muito difícil apanhar um murro no estômago, basta a gente pôr-se a jeito, e pôr-se a jeito pode ser abrir os olhos para as páginas de um jornal e ler um daqueles trabalhos que nos deixam a cara à banda, um aperto na garganta, um incómodo pelo corpo todo, um… um… um murro no estômago! Por exemplo: “Há crianças a trabalhar para nós neste preciso momento. Em toda a parte. Exatamente 160 milhões, segundo os dados oficiais. Os extraoficiais desconhecem-se”.

Tardes de Novembro

[Os dias da semana]

Tardes de Novembro

  Numa tarde de Novembro, um professor universitário aposentado lê e redescobre algo que, aliás, não ignorava. O que agora apreende de um modo novo é o que muitos desconhecem; compreende que o “movimento das pessoas através dos continentes já dura há milhares de...

Prrriiiuuu!… Cartão branco!

[Segunda leitura]

Prrriiiuuu!… Cartão branco!

Li esta história no jornal O Minho e também na página de Facebook do SC Vianense. Gostei muito, até porque não conhecia a coisa, nunca tinha ouvido falar do tal cartão branco, nunca o tinha visto em qualquer competição desportiva. E fui à procura de mais.

Tempo de sobriedade

[Os dias da semana]

Tempo de sobriedade

Suspensa no ano passado devido à crise mundial de saúde pública, a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) decorre até 12 de Novembro no Reino Unido. Os media têm concedido à iniciativa uma significativa e justificada atenção e o jornal digital francês Mediapart teve a boa ideia de lançar na quarta-feira, 27 de Outubro, uma newsletter quinzenal sobre ecologia, destacando uma pergunta assaz relevante: “Por onde anda a sobriedade?”

Morrer de “selfie”

[Segunda leitura]

Morrer de “selfie”

Anda imensa gente a morrer só por arriscar demais nessa atividade (que devia ser) lúdica a que chamamos (sem grande possibilidade de tradução) “tirar selfies”. Imensa gente mesmo. Lá voltamos à notícia: o estudo ali citado revela que, entre janeiro de 2008 e julho de 2021, morreram no mundo, no contexto de “tirar selfies”, pelo menos 379 pessoas. Trezentas e setenta e nove pessoas. Dá, em média, uma morte cada 13 dias.

há uma voz que bebo

[D, de Daniel]

há uma voz que bebo

Viajo para uma voz que escorre como um lado aberto, uma boca como uma abertura de lança, quer dizer, lugar directo ao coração, degrau onde ajoelhamos por ter chegado à nascente. Sou de um sítio em que a água era de colher: “Vai colher água à fraga”, foi um dos mandamentos aprendidos na infância. E eu fazia como vira fazer: a fraga era uma pedra grande mas humilde diante da qual o corpo se movia à oração.

Dá-me um abraço…

[Segunda leitura]

Dá-me um abraço…

Aqui há dias fui a um concerto. Um concerto mesmo, ao vivo, numa igreja, com um grande coro e alguns instrumentos, e mais um órgão, tudo uma maravilha. E as saudades que eu já tinha, as saudades que a gente tem, de ir a concertos assim, não só quando o rei faz anos, mas muito, tipo quase todas as semanas, e estarmos ali, todos juntos, perto uns dos outros, a ouvir e a sentir ao mesmo tempo, um pulsar cá do fundo tão bom…

Gente fina é outra coisa

[Segunda leitura]

Gente fina é outra coisa

João Rendeiro é um homem fino. Muito fino mesmo. Um finório de todo o tamanho. “Fino como um rato”, como se diz na minha terra. Vê-se no fugir (perdão: no ausentar-se…), vê-se no enganar, vê-se no mentir, vê-se no enriquecer, vê-se no gozar com a nossa cara e com a cara da justiça. Ai vê-se, vê-se. Mas agora ao longe, muito ao longe…

Crescimento ou Decrescimento, eis a questão

[Mãos à obra]

Crescimento ou Decrescimento, eis a questão

O conceito de desenvolvimento sustentável tem duas interpretações: para os intelectuais humanistas é um desenvolvimento que respeita o ambiente, de forma abstrata, sem contabilizar desenvolvimento ou impacte ambiental, mas pode levar a questionar o modelo económico e até o modo de vida actuais; para os industriais, políticos e economistas entende-se como um desenvolvimento que possa ser eterno.

A votar, a votar!

[Segunda leitura]

A votar, a votar!

“Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro que ouvi isto na passada terça-feira, dia 14 de setembro. Assim mesmo, sem tirar nem pôr, na abertura de um noticiário na rádio: “Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro.

A minha vida por uma medalha?

[Segunda leitura]

A minha vida por uma medalha?

Isto dos Jogos Olímpicos anda a dar-me que pensar. A coisa começou quando me pus a olhar para os corpos dos nadadores e das nadadoras. Viram? Aquilo são uns troncos (da cinta para cima, digo) tão desenvolvidos que mais parecem o que na gíria chamamos “grandes armários”. Ou “guarda-vestidos”.

Derrota no estádio, pancada em casa

[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Na Calábria, com Migrantes e Refugiados

Na Calábria, com Migrantes e Refugiados novidade

Estou na Calábria com vista para a Sicília e o vulcão Stromboli ao fundo. Reunião de Coordenadores das Redes Internacionais do Graal. Com uma amiga mexicana coordeno a Rede de Migrantes e Refugiados que abrange nada mais nada menos que 10 países, dos Estados Unidos, Canadá e México às Filipinas, passando por África e o sul da Europa. Escolhemos reunir numa propriedade de agroturismo ecológico (Pirapora), nas escarpas do mar Jónio, da antiga colonização grega. Na Antiguidade, o Mar Jónico foi uma importante via de comércio marítimo, principalmente entre a Grécia e o Sul da Itália.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This