Crónica

[Os dias da semana]

Os ultracrepidários

O ultracrepidarianismo é um termo recente que designa um hábito antigo. Foi agora eleita na Bélgica como a palavra do ano de 2021 para assinalar a extraordinária generalização da prática de emitir juízos sobre assuntos que se desconhecem.

[Segunda leitura]

À cata de boas notícias

Não é fácil dar de caras com boas notícias, elas não abundam mesmo – pelo menos, nas nossas televisões, nos nossos jornais, nos sítios da net que frequentamos. Às vezes, no entanto, uma salta-nos aos olhos a partir do ecrã.

[Os dias da semana]

Uma palavra do ano

  Escolher a palavra em que melhor se pode encaixar um ano é uma prática comum em diversos países. Em Portugal, tem sido a Porto Editora a dinamizar esse exercício, que possibilitou que, até sexta-feira, 31, se pudesse seleccionar uma de entre dez palavras para...

[Os dias da semana]

A tralha natalícia

No período do advento natalício, o frenesi consumista nota-se mais. O dinheiro esbanjado em coisas desnecessárias é mais ostensivo. Em vez de ser uma festa que aponta para a alegria e a liberdade, o Natal parece homenagear a tristeza de uma insaciabilidade cumulada de tralha.

Crónicas de Ana Sofia Brito

Um livro da rua e do 7Margens

É um livro que começou no primeiro confinamento ditado pela pandemia, em Março de 2020. Ana Sofia Brito aproveitou os dias sem sair de casa para vasculhar todos os seus cadernos e papéis. Rasgou muito do que lhe entulhava as gavetas, mas também aproveitou muito – nas suas palavras, o que achava decente. O convite para escrever para o 7MARGENS e o encorajamento aí recebido levaram à ideia de um livro.

[D, de Daniel]

homens que são como a negação das estratégias

Gostava de poder perguntar ao Daniel o lado pelo qual ler este verso. Ouço-lhe o timbre da voz ao escrever esta frase. Perguntava-lhe se era a negação das estratégias que liberta os homens e os cola ao ritmo mineral e vegetal que há nas coisas, ou se era a negação das estratégias que fazem as coisas funcionar.

[Os Dias da Semana]

Não nos siga nas redes sociais

As redes sociais oferecerão vantagens que alguns terão competências para aproveitar, mas, hoje, é impossível desconhecer os seus abundantes inconvenientes, congénitos, há quem garanta. As vozes dos que têm denunciado que o modelo de negócio das redes sociais – a sua razão de ser, portanto – assenta na rendibilidade dos seus efeitos mais nefastos têm sido assaz audíveis. Muitos dos que se manifestam contra elas conhecem-nas internamente, por nelas terem desempenhado funções de relevo. Sabem, pois, muito bem do que falam. Entretanto, os que julgam que as desvantagens das redes sociais suplantam os benefícios têm-se multiplicado. Por essa razão, abandonam-nas, mesmo que daí resulte algum prejuízo. Não algum, mas imenso, foi o que a Lush, uma famosa marca de produtos de cosmética britânica com 400 lojas próprias em todo o mundo, teve ao encerrar milhares de contas do Facebook, Instagram, Snapchat e TikTok.

[Segunda leitura]

Um murro no estômago

Não é muito difícil apanhar um murro no estômago, basta a gente pôr-se a jeito, e pôr-se a jeito pode ser abrir os olhos para as páginas de um jornal e ler um daqueles trabalhos que nos deixam a cara à banda, um aperto na garganta, um incómodo pelo corpo todo, um… um… um murro no estômago! Por exemplo: “Há crianças a trabalhar para nós neste preciso momento. Em toda a parte. Exatamente 160 milhões, segundo os dados oficiais. Os extraoficiais desconhecem-se”.

[Os dias da semana]

Tardes de Novembro

  Numa tarde de Novembro, um professor universitário aposentado lê e redescobre algo que, aliás, não ignorava. O que agora apreende de um modo novo é o que muitos desconhecem; compreende que o “movimento das pessoas através dos continentes já dura há milhares de...

[Segunda leitura]

Prrriiiuuu!… Cartão branco!

Li esta história no jornal O Minho e também na página de Facebook do SC Vianense. Gostei muito, até porque não conhecia a coisa, nunca tinha ouvido falar do tal cartão branco, nunca o tinha visto em qualquer competição desportiva. E fui à procura de mais.

[Os dias da semana]

Tempo de sobriedade

Suspensa no ano passado devido à crise mundial de saúde pública, a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) decorre até 12 de Novembro no Reino Unido. Os media têm concedido à iniciativa uma significativa e justificada atenção e o jornal digital francês Mediapart teve a boa ideia de lançar na quarta-feira, 27 de Outubro, uma newsletter quinzenal sobre ecologia, destacando uma pergunta assaz relevante: “Por onde anda a sobriedade?”

[Segunda leitura]

Morrer de “selfie”

Anda imensa gente a morrer só por arriscar demais nessa atividade (que devia ser) lúdica a que chamamos (sem grande possibilidade de tradução) “tirar selfies”. Imensa gente mesmo. Lá voltamos à notícia: o estudo ali citado revela que, entre janeiro de 2008 e julho de 2021, morreram no mundo, no contexto de “tirar selfies”, pelo menos 379 pessoas. Trezentas e setenta e nove pessoas. Dá, em média, uma morte cada 13 dias.

[D, de Daniel]

há uma voz que bebo

Viajo para uma voz que escorre como um lado aberto, uma boca como uma abertura de lança, quer dizer, lugar directo ao coração, degrau onde ajoelhamos por ter chegado à nascente. Sou de um sítio em que a água era de colher: “Vai colher água à fraga”, foi um dos mandamentos aprendidos na infância. E eu fazia como vira fazer: a fraga era uma pedra grande mas humilde diante da qual o corpo se movia à oração.

[Segunda leitura]

Dá-me um abraço…

Aqui há dias fui a um concerto. Um concerto mesmo, ao vivo, numa igreja, com um grande coro e alguns instrumentos, e mais um órgão, tudo uma maravilha. E as saudades que eu já tinha, as saudades que a gente tem, de ir a concertos assim, não só quando o rei faz anos, mas muito, tipo quase todas as semanas, e estarmos ali, todos juntos, perto uns dos outros, a ouvir e a sentir ao mesmo tempo, um pulsar cá do fundo tão bom…

[Segunda leitura]

Gente fina é outra coisa

João Rendeiro é um homem fino. Muito fino mesmo. Um finório de todo o tamanho. “Fino como um rato”, como se diz na minha terra. Vê-se no fugir (perdão: no ausentar-se…), vê-se no enganar, vê-se no mentir, vê-se no enriquecer, vê-se no gozar com a nossa cara e com a cara da justiça. Ai vê-se, vê-se. Mas agora ao longe, muito ao longe…

[Mãos à obra]

Crescimento ou Decrescimento, eis a questão

O conceito de desenvolvimento sustentável tem duas interpretações: para os intelectuais humanistas é um desenvolvimento que respeita o ambiente, de forma abstrata, sem contabilizar desenvolvimento ou impacte ambiental, mas pode levar a questionar o modelo económico e até o modo de vida actuais; para os industriais, políticos e economistas entende-se como um desenvolvimento que possa ser eterno.

[Segunda leitura]

A votar, a votar!

“Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro que ouvi isto na passada terça-feira, dia 14 de setembro. Assim mesmo, sem tirar nem pôr, na abertura de um noticiário na rádio: “Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro.

[Segunda leitura]

A minha vida por uma medalha?

Isto dos Jogos Olímpicos anda a dar-me que pensar. A coisa começou quando me pus a olhar para os corpos dos nadadores e das nadadoras. Viram? Aquilo são uns troncos (da cinta para cima, digo) tão desenvolvidos que mais parecem o que na gíria chamamos “grandes armários”. Ou “guarda-vestidos”.

[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

[Segunda leitura]

“Mãe, pai, tirei um 20!”

Há um colégio no Porto que é barra no ensino da Educação Física. Sabia-se já há tempos e recordou-se por estes dias, pelas notícias. Há dois anos, nenhum dos alunos do 10º ano desse colégio teve menos de 18 valores a Educação Física. Grandes ginastas… Mas ainda os houve mais grandes, por assim dizer: metade desses alunos concluiu a disciplina com nada menos que 20 valores

E tudo a pandemia abalou…

A covid veio de mansinho e faz-nos lembrar aquelas noites que nunca mais acabam. O Papa Francisco, o lutador número um contra a pandemia e seus efeitos perversos, tem repetido à saciedade que de uma pandemia ninguém sai igual: ou saímos melhores ou saímos piores. E, quer queiramos quer não, a bola está do nosso lado!

[Segunda leitura]

A outra “Brigada do Reumático”

E quem é, e o que faz, o Xico Santo Amaro? Ele é um dos elementos da “Brigada do Reumático”. Isso mesmo, “Brigada do Reumático”. Mas não aquela, a outra, a dos generais caquéticos que, em vésperas do 25 de Abril de 1974, se calhar já cheirando o esturro que por aí vinha, decidiram ir prestar homenagem à ditadura e a Marcelo Caetano, decerto por serviços prestados.

[Segunda leitura]

Os milagres na rádio

Gosto tanto de ouvir os “discos pedidos”. As conversas entre quem está ao microfone e quem liga, as dedicatórias, os desabafos, percebe-se tão bem como a rádio é a companhia insubstituível que preenche umas horas solitárias em cada dia. E como se não bastasse, pelo meio há remédio milagroso. Sim, milagroso até dizer chega. É, chamemos-lhe assim para disfarçar, a ‘XPTOLA+’. E que é que faz a ‘XPTOLA+’? Há que ouvir…

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Os dias da semana

Fugir das redes sociais

Leïla Slimani tem “a impressão de que vivemos no mito da caverna de Platão e acreditamos que as sombras são a realidade. O que não é mais do que uma opinião faz-se passar por certeza, conhecimento, e colocamos todas as palavras ao mesmo nível”. Ao observar esta confusão, a escritora formula algumas questões: “Será que, na verdade, todas são iguais? A opinião de pancake44 sobre as vacinas ou a ameaça nuclear vale tanto quanto a de um professor de medicina ou a de um físico?”

Segunda leitura – “Vivo bem!”

Começam a multiplicar-se no Youtube pequenos vídeos com “os melhores momentos” de A, B, C ou D – membros do “Clube dos Grandes Devedores” – nas  Comissões Parlamentares de inquérito. São momentos imperdíveis. Melhores que muito filme cómico que para aí pulula. E o mais engraçado é que eles não dizem nada. Nada de nada. Valem apenas pelas perguntas das deputadas. Porque quanto a respostas, temos “não sei”, “não me lembro”, “não tenho ideia”, “a minha memória não chega a tudo”, “teria de ver os papéis”, “não sei”, “não sei”, “vou pensar e depois digo”, “não sei”, “não tenho memória”.

Mãos à obra (9) – Casa de Santa Isabel: Uma Comunidade de Vida

A Casa Santa Isabel situa-se em São Romão, no concelho de Seia, no sopé da Serra da Estrela e estende-se por uma área de cerca de 40 hectares. Carlos Páscoa, colaborador residente desde 1983 e membro da direção, apresenta os objetivos desta comunidade terapêutica que ao longo de 40 anos trilhou caminhos de irmandade, cuidado com o outro e respeito pela natureza. Numa segunda parte, apresentamos uma pequena entrevista telefónica com o mesmo responsável.

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Segunda leitura: O que é um proletário? [À volta do 1º de Maio]

Um proletário, portanto, é alguém que não tem nada de seu, nem terrenos, nem fortunas, nem heranças, nada, e que apenas vive de vender a força dos seus braços num qualquer trabalho, recebendo daí um salário para sobreviver. A única riqueza (que muitas vezes também acarreta até mais pobreza…) são os filhos. A única ‘coisa’ de seu, por assim dizer.

Mãos à obra (8) – Lápis que escrevem histórias felizes

Fomos novamente à Covilhã, desta vez pela mão de Rosa Carreira. Ita, como é conhecida, conta-nos como pequenos gestos gizados na colaboração e no envolvimento da comunidade podem construir solidariedade e escrever histórias de esperança. Por opção, as campanhas “Lápis Solidários” decorrem apenas nas pequenas mercearias e minimercados como forma de apoiar a economia local.

Mãos à obra (7) – Musas: do futebol à horta comunitária

O Sport Musas e Benfica, conhecido popularmente por Musas, foi criado em 15 de março de 1944, em pleno salazarismo e no final do horror que foi a II Guerra Mundial. Reunia então uma parte da comunidade de jovens das zonas do Bonjardim, da Fontinha e do Leal, na cidade do Porto. A prática do desporto, sobretudo do futebol, era um meio de convívio, mas também uma forma de resistência à vida sombria da época.

O Mercado e o Templo (11): Amor às pessoas do mundo é a “arte de negociar”

Comércio virtuoso e de sucesso é o de quem trabalha por dinheiro e, simultaneamente, por vocação. As duas coisas juntas. A riqueza, como a felicidade, chega procurando (também) outra coisa. É exemplar a criação de relações que tornou grande o toscano Francesco Datini. Pessimismo, cinismo, inveja e desconfiança são os grandes vícios capitais da empresa.

Os Dias da Semana – Socorrer urgentemente Cabo Delgado

Moçambique tem um amplo destaque na primeira página da edição de hoje e de amanhã do diário francês Le Monde, por causa dos ataques mortais de jihadistas à cidade de Palma e da instabilidade na província de Cabo Delgado, qualificada como “antigo canto do paraíso”. No interior, as páginas 16, 17 e 18 são integralmente dedicadas ao que se passa na região entalada entre “as ambições da indústria do gás e a pressão jihadista”.

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Desta vez, pela mão de Ana Sofia Soeiro, fomos até à aldeia de Ferraria de São João, concelho de Penela. Inserida na rede de “Aldeias do Xisto”, com uma população residente de cerca de 50 pessoas, alguns adolescentes e crianças, as gentes da terra, com o apoio da Associação de Moradores, decidiram fazer acontecer. E agora, outras gentes em outros lugares, lhes seguem as pisadas. Assim se exerce a cidadania.

Mãos à obra (5) – Vizinhos de Aveiro: Cidadania ativa em prol da comunidade

A sexta-feira 13 de março de 2020 foi um dia marcante. Na sequência do agravamento dos casos de covid19 em Portugal, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa decretou o estado de emergência e avisou que a pandemia podia ser grave e duradoura, exortando os portugueses a mobilizarem-se. Nesse mesmo dia, respondendo ao apelo, surgiram os Vizinhos de Aveiro (VA), um coletivo cívico de apoio à comunidade, sobretudo aos grupos de risco.

Segunda leitura – A raspadinha e a raspadona

Portugal é o campeão europeu da raspadinha! Sim, da raspadinha. E é-o há já uns anitos, revalidando o trunfo ano a ano com grande à-vontade face aos demais concorrentes. Porque a distância de Portugal para os outros significa “uma grande cabazada”, como se diz em futebolês…

Mãos à obra (4) – Troca-a-Tod@s: Economia e solidariedade

 Da Covilhã, Graça Rojão, dirigente da Cooperativa CooLabora, conta-nos sobre o projeto Troca-a-Tod@s e o quanto este tipo de iniciativas são localmente importantes na construção de redes solidárias e de dinamização da economia local. Sobretudo em tempos de crise como o que agora vivemos.

O Mercado e o Templo (4): O tempo é bem comum, mas esquecemo-lo

Começámos a vender e a comprar tempo quando, no discurso religioso, entrou o Purgatório e, com ele, o negócio sobre tempo dos mortos e, portanto, também dos vivos. Vemos bem os efeitos da destruição do tempo na questão ambiental onde se faz destruição de futuro numa economia toda jogada no presente. No humanismo bíblico, há o Shabbat; no entanto, todos os dias são de Deus; depois, veio o “tempo misto”; e hoje…

Mãos à obra (3) – Sopa Para Todos: Combater a fome e apoiar a restauração

Dia 2 de fevereiro, na zona de Benfica (Lisboa) Ana viu um senhor a pedir uma sopa para comer. Após várias recusas, uma senhora acabou por lhe pagar uma sopa num café que estava mesmo ali ao lado. “O que me motivou a criar o grupo do Facebook foi a procura de uma solução que respondesse e simplificasse a situação a que tinha assistido nesse dia de manhã. Como não encontrei uma aplicação ou um projeto a nível nacional que respondesse ao que tinha imaginado, acabei por sentir necessidade de o criar, dando assim apoio a quem mais precisa de bens alimentares e, ao mesmo tempo, ajudando a restauração, conta ela ao 7MARGENS.

Os Dias da Semana – As pedras da poesia

O Dia Mundial da Poesia celebrou-se domingo passado, dia 21. Em diversos lugares a efeméride foi, talvez, aproveitada para tirar da estante alguma antologia de poemas sobre o amor, os gatos, o mar ou a saudade. Sobre pedras, não há ainda qualquer colectânea.

Segunda leitura – Uma moeda de trocas (e baldrocas)

As vacinas contra a covid-19 são um assunto complicado. Muito complicado. Complicado, sim, e não só por razões sanitárias, por uma questão grave de saúde pública. Claro que há a falta de vacinas, o atraso nas entregas, a polémica dos efeitos secundários, a luta pelo acesso prioritário, os “golpes” na fila de espera, a dúvida sobre maior ou menor imunização, claro que sim, que há isso tudo – e é muito. Mas há mais.

O Mercado e o Templo (2) – Não para amar o mundo, mas para cuidar do humano

Detenhamo-nos nas imagens dos Montepios. Antes de mais, a piedade, isto é, a imagem de Cristo morto nos braços de Maria. Porquê a piedade, como imagem dos edifícios, capelas, estandartes dos Montepios? Aquela imagem já era usada por entidades de assistência e pelos hospitais medievais. Simbolizava um dos momentos centrais da fé cristã, amadíssimo pelo povo que, naqueles séculos da vida conhecia sobretudo a dor, especialmente a das mães e das mulheres pela morte de muitos, demasiados, filhos e maridos.

Mãos à obra (2) – Cidadania Lab: Laboratório cidadão de aprendizagem coletiva

Aveiro tem sido um terreno fértil para a cidadania, muito por culpa de uma rede densa e ativa de cidadãos próximos do tecido associativo, empresarial e da universidade, sem esquecer a adesão crescente das instituições locais a estas novas práticas, sobretudo as IPSS. Os projetos de cidadania sucedem-se ao longo dos anos [Vivacidade (2015), Vivobairro (2016), Aveiro Soup (2017), Lab Cívico de Santiago (2019) e, ultimamente, os Vizinhos de Aveiro (2020) e o Cidadania Lab (2021)] com linhas de continuidade, seja pelas pessoas envolvidas, seja pelas causas que as motivam.

Mais do que visitas oficiais. Os encontros do católico Marcelo com o Papa

Em novembro de 2015, Marcelo disse de Deus que é a “razão de ser da vida”, concretizado “através dos outros”, “um imperativo” que vem da sua condição de crente. A sua primeira viagem oficial em 2016 não era por isso apenas uma viagem oficial – e mesmo que o Presidente justifique com a História a razão de ser da visita, percebe-se que há outra razão mais funda. Tal e qual como agora, em 2021.

Mãos à obra (1) – Admiradores Secretos: fazer o bem sem saber a quem

Foi nessa simplicidade e informalidade de sofá que criámos dois formulários que decidimos enviar aos nossos amigos com esse desafio: se puderem ajudar, inscrevam-se como doadores; se precisarem de ajuda ou souberem de alguém que precise, inscrevam-se para a receber. Aquilo a que nos comprometíamos era a fazer o cruzamento de necessidades e doações, por região, e pôr em contacto (discreto) as famílias. E de repente, nascia a Admiradores Secretos.

Os dias da semana – Barçagate ou como difamar para reinar

Sejam ou não provadas, as acusações contra Josep Maria Bartomeu são suficientemente exemplificativas do nível de degradação do dirigismo futebolístico, dessa singular ideologia de gestão que consiste em usar os clubes para proveito pessoal. O procedimento deveria merecer uma censura social vasta e veemente, mas a circunstância de as instâncias policiais e judiciais não se coibirem de investigar, julgar e punir os crimes cometidos nos subúrbios do mundo futebolístico oferece já um motivo de regozijo.

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a condenação de um homem ao pagamento de mais de 60 mil euros à ex-companheira pelo trabalho doméstico que esta desenvolveu ao longo de quase 30 anos de união de facto. (Público, 24-2-2021)
No acórdão, datado de 14 de Janeiro (…), o STJ refere que o exercício da actividade doméstica exclusivamente ou essencialmente por um dos membros da união de facto, sem contrapartida, “resulta num verdadeiro empobrecimento deste e a correspectiva libertação do outro membro da realização dessas tarefas”.

Os Dias da Semana – Cacofonia

É cruel a guerra pelos dois ou três minutos de fama nos media; é feroz o combate por visualizações, partilhas e comentários nas redes sociais. A atenção é um bem escasso que é preciso disputar sem piedade. A intensificação da concorrência oferece uma cacofonia deplorável.

Segunda leitura – Quem dá o pão…

A reportagem era sobre as saudades da escola, sobre a falta que ela fazia. Melhor: sobre a falta que dela se sentia. Que não é exatamente a mesma coisa, mas adiante… Claro que sim, claro que sentiam a falta, meninas e meninos a uma só voz, e de quê?, pois de tudo, de estar com os amigos, de aprender muitas coisas novas, de estar com os amigos, de jogar e brincar no recreio, de estar com os amigos outra vez…

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Segunda Leitura – À espera para dar

“Houve quem esperasse cinco horas.” Cinco horas? Cinco horas?… É obra. O motivo devia ser forte, a oportunidade interessante, apelativa. Ou então a necessidade muita. Cinco horas à espera, é preciso ter paciência.

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar novidade

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Esta é a Igreja que eu amo!

Esta é a Igreja que eu amo! novidade

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This