Cuidadores: propostas legislativas redutoras

| 26 Jun 19 | Entre Margens, Newsletter, Últimas

O conceito de cuidador deve considerar o doente como estando “no centro do sistema, com vontade própria expressa de diversas formas”. Foto © António Marujo

 

1. A proposta de “cuidador” na legislação em fase de aprovação enferma, à partida, de um significado redutor ao “cuidado” do que são as normais relações familiares e de afeto que devem ser apoiadas, incentivadas e protegidas e não objeto de “classificações”, como “principal” e “não principal”.

Estas classificações não explicitam os critérios necessários para tal descriminação e a forma como eles podem ser aplicados de modo a não cometer injustiças e avaliações erróneas que contrariem a própria vontade da pessoa objeto de cuidados, e favoreçam desinvestimentos familiares nas pessoas fragilizadas. Para lá disso, pela hierarquização determinada por terceiros – alheios ao conhecimento e valorização efetiva das relações ao longo da vida, afetivas e familiares –, elas omitem, no conceito, a forma como o cuidado é prestado, valorizando quase exclusivamente a tipologia de cuidados.

No limite, essa forma pode ser um veículo de maus-tratos, perpetrados pelo “eleito” “cuidador” que, a coberto de um estatuto, pode ser a pior escolha. Ao existir esta nomeação, importante é pois garantir que o eleito “cuidador principal” obedece a critérios de avaliação familiar, psicológica, de dependência financeira ou não da pessoa “cuidada”, de registo criminal, etc., etc., e que é objeto de um acompanhamento e vigilância da pessoa que recebe cuidados, preventiva de situações de abuso, negligência, maus-tratos e usurpação de bens, entre outras situações.

Sem as instituições que conhecem as famílias, a vizinhança, os mais diretos conviventes, o meio ambiente no qual se processam os cuidados, as suas convicções religiosas, políticas e até as histórias familiares ao longo da vida, como pensa o Estado ou as autarquias, proteger os mais frágeis e indefesos? Protegê-los daqueles a quem confere o “estatuto” ou um conjunto de privilégios, em detrimento das normais relações familiares estabelecidas, limitando essa participação até um certo grau familiar e diferenciando em “principal” e “não principal” pessoas que cuidam, e até remunerando-as, numa total ingerência subjetiva e parcelar de avaliação, na esfera privada e familiar das pessoas?

Sem esta clarificação é socialmente inaceitável instituir este modelo, que altera e subverte as normais relações familiares, transforma as famílias em prestadores “remunerados” em função de terem ou não estatuto ou classificação e que não diferencia os familiares de quaisquer outros prestadores de serviço doméstico.

 

2. Outro aspeto é a questão de falar de “cuidador”, no singular e no masculino, quando se pretende:

– envolver o maior número de prestadores de cuidados disponíveis possível e não sobrecarregar um ou dois, anulando eventuais outras ajudas dentro da família;

– valorizar as equipas pluridisciplinares, envolvendo a família e outros mais diretos prestadores de cuidados formais e informais;

– valorizar o papel das mulheres nas suas múltiplas dimensões pessoais e profissionais, sendo que a maioria dos “cuidadores” são mulheres;

– relevar o papel maioritário das famílias nos cuidados: ao adotar-se o termo “cuidador”, deveria referir sempre “cuidador/a” familiar ou “cuidador/a não familiar”, porque tal traduziria a realidade de forma mais adequada;

– considerar o doente no centro do sistema, com vontade própria expressa de diversas formas, como um olhar, um balbuciar, uma expressão ou outras formas de comunicação de agrado, desagrado, concordância ou discordância, e não apenas “objeto” de cuidados, definidos por terceiros, e prestados por terceiros também definidos ou “eleitos” por terceiros.

Como pensa o Estado fazer valer a vontade de quem é cuidado? E esta eleição de cuidadores é uma nova cultura só para alguns? 

 

3. Porque não estabelece o Estado uma verdadeira política protetora na dependência e na deficiência, universal, com apoio nos diferentes atores sociais, começando nas próprias pessoas vulneráveis e nas famílias, incluindo o Estado, as Autarquias, as IPSS? Porque são as  famílias reduzidas a cuidadoras? Porque não se apoiam as IPSS para melhorar os serviços de apoio domiciliário, que já fazem e tão necessários são, permitindo aos familiares continuar a sua vida profissional normal? Porque não aposta o Estado na requalificação das respostas de internamento que ele próprio criou num determinado tempo e quadro social e demográfico e que estão hoje com necessidades muito diferentes para apoiar nomeadamente os mais idosos mais dependentes, com polipatologia, num quadro de envelhecimento demográfico crescente e de famílias reduzidas, e bem assim as pessoas com deficiência e, em particular, as que sobrevivem aos seus parentes mais próximos?

 

4. Uma medida solta como a que preconiza o apoio a “cuidadores”, nestes moldes, não preenche as lacunas graves resultantes de não ter havido, nos últimos anos, lugar a políticas interministeriais (educação, reabilitação, saúde, segurança social, trabalho, economia, finanças, planeamento, habitação, segurança, comunicação social, cultura, etc.):

– dirigidas ao envelhecimento populacional e ao envelhecimento individual em geral;

– dirigidas às pessoas com deficiência e com dependência;

– de apoio às famílias que cuidam dos mais novos e dos mais idosos e que precisam ou querem continuar a trabalhar;

– de apoio à natalidade e à valorização da infância;

– para a solidariedade entre as gerações;

– para a possibilidade equitativa de escolha, nomeadamente das mulheres, entre cuidar e trabalhar, ou na conciliação dos dois processos.

 

Lino Maia é padre católico da diocese do Porto e presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS)

 

 

 

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa novidade

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Arte e Esperança novidade

Tenho tido a sorte de acompanhar, desde 2016, a apresentação dos Projetos Partis (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) na Gulbenkian e em todos respiramos com emoção a frescura da criação artística onde os protagonistas são pessoas normalmente esquecidas por nós.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco