Cuidar dos mais idosos – um retrato cinzento

| 19 Ago 2023

“17%das pessoas idosas, com 65 anos ou mais, ‘estavam em risco de pobreza, mesmo depois de receber transferências sociais, como pensões e outros apoios do Estado’”. Foto © Miguel Veiga.

 

Nesta altura do ano, os jovens ocupam o palco da nossa vida social. Numerosos concertos e festivais, onde a música é rainha, organizados pelo país fora, reúnem os jovens em enormes multidões ao redor dos seus fãs. Não importa o preço das entradas para os verem e aplaudirem, em radioso delírio. É vê-los, em longas filas, de manhã à noite, a aguardar por um bilhete que lhes garanta o melhor lugar no espectáculo. Muita cerveja a correr nos copos e música estridente, matam a sede e enchem os ouvidos a multidões delirantes. Sobretudo, são os mais jovens que usufruem estas noites longas e escaldantes, destes reconfortantes meses de verão. Se assim acontece todos os anos pelo país fora, este ano, os nossos jovens foram desafiados a integrarem-se num especial evento, epicentro de todas as atenções. Referimo-nos à Jornada Mundial da Juventude (JMJ), evento da iniciativa do Vaticano, o qual, ultrapassando as barreiras de todo mundo, congrega em Lisboa, mais de um milhão de jovens, nos primeiros dias deste mês de Agosto. Esta iniciativa, conseguiu movimentar jovens de todo o planeta, não importando a religião, cor de pele, credo, ou estrato social. Todos reunidos a fazer Festa, com o empático e carismático Papa Francisco. Debilitado, mas bem vivo e sorridente.

No meio de todo este grandioso frenesim, um vibrante hino à vida, não raras vezes esquecemos uma grande parte da nossa população mais idosa. Em algumas povoações do nosso país, já a ultrapassar o número dos seus habitantes.

A propósito, no passado Dia Mundial da População, a Pordata traçou um retrato dos portugueses com 65 anos ou mais. Revelou que eles já são quase 24% do total dos residentes no nosso país. São cada vez mais e vivem mais anos. Só que, a maioria deles, nos seus últimos dias de vida, vivem num estado de pobreza confrangedor.

Segundo o estudo que vimos seguindo da Fundação Francisco Manuel doa Santos, 35% dos residentes no nosso país com 65 anos ou mais, percepciona o seu estado de saúde como “mau ou muito mau”. Acima da média da União Europeia, onde essa percentagem não vai além dos 19%. Hoje temos uma esperança média de vida mais longa – era de 81 anos em 2021, quando, em 1960, rondava os 64 anos. Notemos que hoje temos cada vez mais centenários (eram 2.940 em 2022), representando um crescimento de 77% numa década. Só que na maior parte dos anos, vividos depois dos 65, não conseguem ter uma vida saudável.

Porém, a esperança de vida para os homens e para as mulheres, referem as mesmas estatísticas, não é a mesma. Quando as mulheres do nosso país atingirem os 65 anos, poderão ter ainda a expectativa de poderem vir a viver mais 22 anos, portanto, até aos 87. Já os homens podem esperar viver mais 18 anos, até aos 83 anos, mas apenas oito serão vividos de forma saudável, segundo o mesmo estudo.

E quanto aos rendimentos dos nossos idosos? Mais de 400 000 viviam em 2021, com menos de 551 euros mensais. Acrescenta ainda que 17%das pessoas idosas, com 65 anos ou mais, “estavam em risco de pobreza, mesmo depois de receber transferências sociais, como pensões e outros apoios do Estado”.

A directora do estudo refere ainda que poucos anos de vida saudável e risco de pobreza “se interligam muito e quanto mais velhas as pessoas, pior é a sua situação”. Muitos idosos, por terem reformas de miséria, sobretudo mulheres, não têm dinheiro suficiente, até para comprarem os remédios que os médicos lhes prescrevem. Neste momento, são já cerca de 720 mil pessoas. Daqui a 15 anos, a manter-se esta situação, serão mais de um milhão. Só que, remata Luísa Loura, responsável pelo estudo, este cenário pouco animador poderá vir a evoluir, dado que a população que virá a ter cerca de 80 anos, daqui a algumas dezenas de anos, será já mais escolarizada e descontaram ao longo da vida para a Segurança Social. Por isso, terão acesso a melhores cuidados médicos.

Há, por todas estas variáveis, esperança para um futuro mais optimista para os mais velhos que neste momento, com 2,5 milhões de pessoas, representam 23,7% da população em Portugal. A média na UE é de 21%. Um retrato, embora cinzento, aspira a melhores dias para cuidar dos nossos idosos. Assim o desejamos.

 

Florentino Beirão é professor do ensino secundário. Contacto: florentinobeirao@hotmail.com

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This