cummings e a responsabilidade do humano

| 25 Fev 19

Dois sonetos de e.e. cummings (1894-1962), ambos publicados em Xaipe(1950), dão-nos duas possibilidades de pensarmos a responsabilidade humana na terra, para a qual o Papa Francisco apela na sua carta encíclica Laudato Si’ – sobre o cuidado da casa comum, de 2015. Ambos os poemas surgem numa pequena antologia bilingue organizada por Jorge Fazenda Lourenço (Assírio & Alvim, 1991; col. Gato Maltês), e focam dois modos de ver esta mesma responsabilidade.

O primeiro poema – i thank You God for most this amazing/ day; obrigado Meu Deus por mais este espantoso / dia…– constitui um convite a olharmos o “[…] alegre / grande evento ilimitavelmente terra” como um acontecimento inédito e novo, experimentado a cada dia: “como poderia saboreando tocando ouvindo vendo / respirando qualquer […] ser simplesmente humano / duvidar inimaginável de Ti?”. Se, por um lado, o enquadramento religioso em que o poema se inscreve poderá levar-nos a reduzi-lo a uma oração de Graças à doação originária de todas as coisas por Deus, prefiro pensar de outro modo e lê-lo como um elogio ao poder de decisão e criatividade humanas para ver a potência de ser e de plenitude que todas as coisas guardam em si, e que cabe ao homem saber descobrir. cummings, de resto, termina assim este poema: “(agora os ouvidos dos meus ouvidos despertam e / agora os olhos dos meus olhos estão abertos)”.

O segundo poema –  when serpents bargain for the right to squirm; quando as serpentes regatearem o direito a colear– percorre os termos humanos da relação desigual entre opressor e oprimido (“fizer greve”, “estiverem seguros contra”, “não tiverem aprovado”, “pedir licença”, “acusarem”, ”denunciar”…), aplicando-os ao mundo não-humano e oferecendo-nos a hipótese da “incrível / humanidade inanimal” (unanimal), que o dístico final, na sua força resolutiva típica do soneto, afirma ainda não estar cumprida. Mas, ao encenar esta hipotética luta de poder entre os seres da natureza, o poema convida-nos a equacionar a possibilidade de olharmos de modo completamente novo não simplesmente as relações inter-humanas, mas sobretudo a relação do humano com todas as formas existentes no mundo, ou do falante com o vivente, digamos. Convida-nos a despirmo-nos do instrumentário verbal que usamos de forma tão destra para ditar, excluir, capturar e destinar, de forma a encontrarmos, dotados que somos do poder de agir eticamente, os termos da articulação, do contrato, do compromisso, do elo.

A poesia tem o dom de tornar leve a grave missão humana, para a qual o Papa Francisco apela na sua encíclica, quando descreve o que apelida de “conversão ecológica” (#216-#221), a partir da instauração de um paradigma que fomente a “relação de reciprocidade responsável entre o ser humano e a natureza” (#67).

Cristiana Vasconcelos Rodrigues é professora universitária e investigadora em Estudos Germanísticos e Comparados

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Hanau: isto não foi o Capuchinho Vermelho novidade

De vez em quando, a morte passa-nos por perto. Hanau fica a trinta quilómetros de onde moro e é conhecida por ser a cidade natal dos irmãos Grimm, aqueles que compilaram contos populares alemães como o Capuchinho Vermelho ou a Branca de Neve. Muitos deles são histórias terríveis que eram contadas às crianças para ganharem a noção da maldade humana e não serem enganadas facilmente.

A lição de Merkel

As eleições de Outubro de 2019 na Turíngia, estado da antiga República Democrática Alemã, ditaram um resultado que se vislumbraria difícil de solucionar. A esquerda do Die Linke ganhou as eleições, seguida da direita radical da Alternativa para a Alemanha (AfD) e da União Democrata Cristã (CDU), de Angela Merkel. O Partido Social-Democrata (SPD), não foi além dos 8,2% e os Verdes e os Liberais (FDP) ficaram na casa dos 5%.

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco