Da Amália à religião do Fado

| 15 Jul 20

Fado rima com Amália, mas nem sempre com religião, pelo menos aparentemente. Mas será mesmo assim?

 

O país celebra o centenário do nascimento de Amália e faz bem. Talvez ela tenha sido a nossa única verdadeira estrela pop de dimensão global, desde quando ainda vivíamos num regime fechado ao mundo e sem qualquer relevância internacional.

Alguns adiantam eventuais influências árabes, mas a verdade é que ninguém sabe ao certo de onde veio este estilo de música e esta forma de cantar fadista. O certo é que o ADN da que era chamada em tempos a “canção nacional” está ligado ao ambiente da noite, da boémia, do álcool e até das mulheres de má fama. A história da Severa é marcante no território dos amores proibidos e do desgosto que constituem a alma dorida do fado clássico e que é exorcizada noite dentro, por entre os vapores do álcool, em recantos meio escondidos e pouco iluminados da velha Lisboa, onde abunda a temática da tristeza, do abandono, da má sorte na vida e sobretudo do destino marcado.

Apesar das aparentes dificuldades do estilo de vida colado à imagem de marca original do Fado, o recato do religioso, a palavra Deus e outras do universo católico não podem ser dissociadas da sua cultura. Maria, os santos e o próprio Deus povoam o discurso fadista, sobretudo numa dimensão da religiosidade popular, beneficiado ainda pela beleza da dialéctica musical entre a voz e o trinado da guitarra portuguesa.

Poderá então existir outro olhar sobre a cultura do Fado, que seja compaginável com a religião?

Há quem veja no Fado uma vertente de confissão, num sentido quase religioso. Pelo menos é que pensa João Maria Bragança, que elaborou uma dissertação de mestrado em Teoria da Literatura em 2005, quando se referiu a “um período durante o qual o fado mais se aproximou de ser confissão, tal como a conhecemos no sentido da Religião.” O autor, orientado por Miguel Tamen (UL), procurava então definir, numa janela temporal entre 1927 e 1962, as condições em que o fado é confissão e as condições em que é apenas um género musical”, mas não deixa de referir que esse é o período em que o fado, pela sua dimensão de partilha e de expressão de intimidade, mais se aproximou de ser prece, pranto ou pregão.”

Também Cátia Tuna acabou por desenvolver a sua tese de doutoramento em Teologia – influenciada pelo seu orientador António Matos Ferreira – no Fado: Não sei se canto, se rezo – ambivalências culturais e religiosas do fado entre os anos 1926 – 1945, onde a vertente da oração se configura, a ponto de contaminar a cultura pop nos anos sessenta, quando António Calvário levou uma canção ao Festival da Eurovisão com o título Oração. Essa canção vinha exactamente na mesma linha da estrutura do fado tradicional em que o cantor fala a Deus dos seus desencontros e desgostos de amor em tom de confissão: “Senhor / A teus pés eu confesso”.

Cátia Tuna procurou demonstrar tanto uma certa religiosidade presente no universo temático fadista, como a interpretação que o fado faz de si próprio enquanto oração. Até para se legitimar cultural e socialmente, o fado começou a dizer-se como oração e também performativamente começou a elaborar-se como oração, até da parte cénica, a impor-se como uma música válida para aceder ao sagrado”.

Numa cultura religiosa pontuada pelas rezas católicas tradicionais, de carácter fixo e pré-aprendidas, o fado abre novos caminhos ao possibilitar uma espécie de orações cantadas, mas espontâneas, em que os letristas crentes abrem o seu coração diante de Deus e a ele recorrem em estado de ansiedade, angústia ou desgosto, sendo depois interpretadas com o inconfundível sentimento e expressão fadista. Trata-se duma oração profana, atendendo ao espaço em que é dita, mas sagrada no que toca ao sentido e aos signos do discurso poético.

Já Cuca Roseta assume-se claramente como pessoa religiosa neste recente trabalho Luz, reconhecendo em si mesma uma dimensão espiritual desde criança: Gosto da solidão, do contacto com o divino, de rezar, meditar.” Confessa até que foi aconselhada por pessoas próximas a não revelar tanto este seu lado espiritual, como se fosse um risco assumir-se como uma mulher de fé nesta sociedade tão desorientada e carente de valores.

Já se sabe que os cépticos acharão que a perspectiva religiosa do fado será um disparate, e os fanáticos da religião dirão o mesmo, mas por outras razões. Uns porque pretendem remeter a fé para o submundo da sociedade e outros porque temem a dessacralização da expressão do sagrado e se pensam proprietários privilegiados da fé cristã. Mas para o universo do fado nem uns nem outros contam lá muito.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Artigos relacionados

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos

Editorial

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos novidade

Hoje, todos os leitores receberão um inquérito organizado pelo 7MARGENS como forma de auscultação de quem nos tem acompanhado nesta aventura editorial que iniciámos há dias, relacionada com o Sínodo dos Bispos que se inicia no próximo dia 9 de outubro. É a primeira vez que tomamos uma iniciativa deste género.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A ideia de Deus novidade

Não é certo que quem nasça numa família de forte tradição religiosa esteja em melhores condições do que qualquer outra pessoa para desenvolver a componente espiritual e uma relação com o divino. Pode acontecer exatamente o inverso. Crescer com uma ideia de Deus pode levar-nos a cristalizá-la nos ritos, hábitos ou procedimentos que, a dada altura, são desajustados ou necessariamente superficiais.

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade novidade

Escrevo a propósito da partida deste mundo há quatro anos, que se completam hoje mesmo, dia 24, do bispo Manuel Martins. Há seres humanos que não deveriam morrer. Não por eles, mas por nós. Contrariamente ao que é vulgar dizer-se, são mesmo insubstituíveis. A propósito, evoco também a memória de um outro que nos deixou no passado dia 2 de setembro.

Jorge Sampaio, um laico cristão

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Cultura e artes

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This