Da educação para a paz e não-violência nasce a fraternidade

| 1 Fev 2024

Oh povos do mundo! A religião de Deus pretende amar e unir; Não façais dela uma causa de inimizade e conflito…”
Bahá’u’lláh

 

Fraternidade

 

Celebra-se a 4 de fevereiro, próximo domingo, o Dia Internacional da Fraternidade Humana. Este dia foi criado pelas Nações Unidas em 21 de dezembro de 2020 (Resolução 75/200 da Assembleia Geral das Nações Unidas) e tem como principal objetivo “promover a tolerância e o diálogo entre povos de diferentes religiões e culturas e destacar o contributo de cada uma para a Humanidade”. Pretende-se ainda “sensibilizar para a necessidade de políticas que cumpram este propósito, especialmente na educação das crianças e jovens sobretudo numa altura em que o discurso de ódio tem vindo a fazer parte da agenda política.” A instituição deste dia é sinal do reconhecimento internacional do “Documento sobre a Fraternidade Humana em Prol da Paz Mundial e da Convivência Comum“, assinado pelo Papa Francisco e pelo Grande Imã de Al Azhar, Ahmed Al Tayyeb, precisamente a 4 de fevereiro de 2019. [ver 7MARGENS]

A ideia de fraternidade esteve presente ao longo da história humana, embora adquirindo ao longo do tempo significados diferentes, mas sempre como vínculo de afetos e partilha entre um grupo ou comunidade. Se no início esse vínculo se restringia ao meio familiar, vínculo entre irmãos descendentes de uma mesma família, a história bíblica atribui-lhe um significado mais universal.

Como bem lembra o Papa Francisco na encíclica Fratelli Tutti: “Nas tradições judaicas, o dever de amar o outro e cuidar dele parecia limitar-se às relações entre os membros de uma mesma nação. O antigo preceito ‘amarás o teu próximo como a ti mesmo’ (Lv 19,18) geralmente entendia-se como referido aos compatriotas. Todavia, especialmente no Judaísmo que se desenvolveu fora da terra de Israel, as fronteiras foram-se ampliando. Aparece o convite a não fazer aos outros o que não queres que te façam a ti (cf. Tb 4,15). E a propósito dizia, no século I (a.C.), o sábio Hillel: ‘Isto é a Lei e os Profetas. Todo o resto é comentário’. O desejo de imitar o comportamento divino levou a superar aquela tendência de limitar o amor aos mais próximos: ‘A compaixão do homem tem por objeto o próximo, mas a misericórdia divina estende-se a todo o ser vivo’ (Sir 18,13).” (FT nº 59) Se no início o próximo excluía o estrangeiro, a evolução da ideia e o alargamento das fronteiras levou à inclusão do estrangeiro como filho do mesmo Pai.

Com o cristianismo o conceito ganha o estatuto de universalidade: “O que quiserdes que vos façam os homens, fazei-o também a eles, porque isto é a Lei e os Profetas (Mt 7,12). “Misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso” (Lc 6,36).

Do ponto de vista político, a relevância da Fraternidade teve o seu auge no lema da Revolução Francesa (1789): Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Talvez pela primeira vez a ideia de fraternidade deixa o âmbito religioso para passar a ser uma categoria política. Mas enquanto as duas primeiras ideias da trilogia foram integradas no discurso político, a fraternidade, por razões também políticas, foi sendo substituída pela solidariedade, conceito bem mais restrito, colocando em oposição o grupo de iguais face ao exterior, o diferente. Digamos que com a Revolução Industrial a fraternidade colocava um problema delicado às lutas sociais face ao capitalismo pujante. Assim, durante muito tempo, do ponto de vista político, mesmo se a França mantém o lema da Revolução de 1789, a fraternidade viu-se relegada para segundo ou terceiro plano. Ultimamente, perante a globalização e suas consequências, bem como perante a ideia da exigência de defesa do planeta, a ideia parece ter ressuscitado das cinzas.

Durante a sua Viagem Apostólica aos Emirados Árabes Unidos, em fevereiro de 2019, O Papa Francisco e o Grande Imã de Al Azhar, Ahmed Al Tayyeb, ao assinarem o  documento A Fraternidade Humana – em prol da paz mundial e da convivência comum,  deram um passo de gigante na afirmação da fraternidade como ideia central do diálogo entre as várias religiões e culturas. Na sequência desse passo, ao escrever a encíclica Fratelli Tutti, Francisco intuiu muito bem o conceito e o seu verdadeiro alcance enquanto plataforma de diálogo universal. Pessoalmente, penso serem esses dois documentos um marco histórico no relançamento do diálogo entre religiões e culturas. A ideia de fraternidade do Papa Francisco encerra em si as potencialidades da plena cidadania quando os homens e mulheres se reconhecem como iguais, irmãos unidos pelos laços de uma família universal. Reconhece-se o outro através do amor e comunhão entre irmãos e irmãs.

Como escreveu o Papa nesse documento: “O diálogo entre pessoas de diferentes religiões não se faz apenas por diplomacia, amabilidade ou tolerância. Como ensinaram os bispos da Índia, “o objetivo do diálogo é estabelecer amizade, paz, harmonia e partilhar valores e experiências morais e espirituais num espírito de verdade e amor” (FT, nº 251). Não existe um verdadeiro diálogo entre religiões e culturas se o objetivo for impor a nossa realidade em vez de humildemente irmos ao encontro, escutar e acolher o outro na sua verdade. [ver 7MARGENS]

Llorenzo Vidal, poeta, pedagogo e pacifista, foi proclamado “Trovador da Paz” pela cantora occitana Chanterelle, esposa de Lanza del Vasto. Foto © Alchetron, enciclopédia social livre

 

Ao Dia Internacional da Fraternidade Humana, gostaria de associar, por me parecer importante, o Dia Escolar da Não-Violência e da Paz, celebrado a 30 de janeiro. Não sendo este último um dia instituído internacionalmente (o Dia Internacional da Educação comemorou-se a 24 de janeiro) ele foi adotado em vários países, nomeadamente Portugal e Espanha.

A data, instituída em 1964 em Espanha, deve-se ao poeta, pedagogo e pacifista espanhol Llorenzo Vidal, tendo sido escolhido o dia 30 de janeiro por assinalar o falecimento do grande pacifista indiano Mahatma Gandhi. No dia do seu nascimento, 2 de outubro, é comemorado o Dia da Não-Violência. Llorenzo Vidal, nascido em Santanyí (Maiorca) em 26 de abril de 1936, foi proclamado “Trovador da Paz” pela cantora occitana Chanterelle, esposa de Lanza del Vasto.

O objetivo do Dia Escolar da Não-Violência e da Paz passa por alertar os alunos, os professores, os pais, os políticos e os governantes para a necessidade de uma educação para a paz, que promova valores como o respeito, a igualdade, a tolerância, a solidariedade, a cooperação e a não-violência. Fomentar a comunicação entre todos e incrementar a amizade e a empatia são preocupações deste dia.

A combinação destes dias parece-me por demais evidente e feliz, bem como repleta de sentido. Por isso pareceu-me por bem assinalá-la e chamar a atenção dos leitores e leitoras para alguns aspetos daquele pacto:

. Porque só uma educação para a paz e para a não-violência, cultivando a empatia pelo outro, pode constituir os verdadeiros alicerces de uma fraternidade que se pretende faça parte da forma de viver de cada um e de cada uma e seja veículo de transformação.

. Porque o diálogo entre diferentes aprende-se desde muito cedo através do respeito pelo outro enquanto pessoa, pelo que ele transporta e é enquanto inserido em determinada realidade e não pelo que nós gostaríamos que fosse e a verdade que nós desejaríamos fosse a nossa.

. Porque não podemos continuar a falar de paz, não-violência, fraternidade, se não exigirmos a introdução destas temáticas nos currículos de todos os graus de ensino desde a pré-primária.

Para terminar, e como a beleza nas suas diferentes perspetivas é também uma linguagem universal, deixo-vos com uma canção de Chanterelle Lanza del Vasto.

 

 

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se” novidade

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

A Poesia na Rua

A Poesia na Rua novidade

“É preciso ajudar. Ajudar quem gostaria que a poesia estivesse na rua, que a alegria fosse um privilégio de todos. Ajudá-los contra os que lubrificam a máquina do cinismo e do ódio.” – A reflexão de Eduardo Jorge Madureira, na rubrica À Margem desta semana.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This