Eleições

Da personalização do voto

| 17 Out 2021

Eleições Alemanha. Saxónia

Eleições Estaduais na Saxónia (Alemanha) : à esquerda o cartaz eleitoral da esquerda; à direita o do SPD (2019). Foto © Panthera Leo /Wikimedia Commons

 

Sempre achei confuso e difícil isto de escolher duas coisas com um só boletim de voto.

Uma coisa é escolher com que partido ou com que programa de governo me identifico mais, outra coisa é escolher quem é a pessoa ou o partido que eu acho que representa melhor os interesses da minha região no parlamento. Na minha cidade natal, o Porto, aconteceu-me diversas vezes querer votar num partido com um determinado programa de governo, mas achar que o deputado X de outro partido poderia fazer a diferença no Parlamento.

Os alemães têm a solução para isto.

Nas eleições para o Parlamento alemão há dois boletins de voto. Num elege-se o partido que queremos que governe, no outro escolhe-se o candidato local que queremos que nos represente.

Assim, tomando como exemplo as últimas eleições, o PS, com 36,65% de votos, elege 106 deputados a nível nacional. Destes 106, os candidatos a entrar primeiro seriam os eleitos nominalmente por cada círculo eleitoral. Por exemplo, se cada um dos 22 círculos eleitorais existentes elegesse dois candidatos nominalmente (como é o caso na Alemanha) e na hipótese de metade destes terem sido para o PS, os primeiros 22 deputados a entrar teriam sido escolhidos por cada um de nós, sendo os restantes 84 referentes a uma lista nacional.

Se fizermos o mesmo exercício com um partido com menor votação verificamos a outra particularidade do Parlamento alemão: o número de total de deputados varia de eleição para eleição.

Por exemplo, o Bloco de Esquerda conseguiu em 2019, 9,67%, garantindo 19 deputados. Imaginando que, havendo voto nominal, o Bloco teria candidatos muito próximos das pessoas e por isso conseguia um deputado nominal em cada um dos círculos eleitorais, num total de 22, mais três do que o que teria por percentagem, então aí o voto direto das pessoas é mais forte e o Bloco ficaria com esses 22 deputados; o número de deputados dos outros partidos seria ajustado para, aceitando a escolha nominal dos eleitores, não criar um desequilíbrio proporcional.

A democracia não é perfeita, mas aceitando que é o melhor sistema que conhecemos até hoje, há ainda assim muitas modalidades de voto e representação. E, mesmo sabendo que a democracia é muito mais do que eleições, mais representação é para mim um passo para uma democracia melhor.

 

Isabel Melo, cidadã do mundo, trabalha como educadora em Munique (Alemanha).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Ucrânia tem direito à defesa, mas só meios militares é um risco”

Comissões Justiça e Paz da Europa

“Ucrânia tem direito à defesa, mas só meios militares é um risco” novidade

“O direito da Ucrânia a defender-se é indiscutível e todos os fornecimentos de armas que permitam a sua defesa no quadro dos imperativos da proporcionalidade e do direito humanitário internacional são legítimos”, diz a plataforma católica Justiça e Paz Europa. No entanto, “os meios militares, por si só, não podem trazer uma paz duradoura”.

A hermenêutica de Jesus (3): Jesus e as Parábolas

A hermenêutica de Jesus (3): Jesus e as Parábolas novidade

O ensino das sagradas escrituras na época de Jesus era uma prática comum entre o povo judeu. Desde cedo, os rabinos ensinavam às crianças a leitura e escrita da Torá e a memorizar grandes porções da mesma. Entre as várias técnicas de ensino, estava a utilização de parábolas.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This