Eleições

Da personalização do voto

| 17 Out 21

Eleições Alemanha. Saxónia

Eleições Estaduais na Saxónia (Alemanha) : à esquerda o cartaz eleitoral da esquerda; à direita o do SPD (2019). Foto © Panthera Leo /Wikimedia Commons

 

Sempre achei confuso e difícil isto de escolher duas coisas com um só boletim de voto.

Uma coisa é escolher com que partido ou com que programa de governo me identifico mais, outra coisa é escolher quem é a pessoa ou o partido que eu acho que representa melhor os interesses da minha região no parlamento. Na minha cidade natal, o Porto, aconteceu-me diversas vezes querer votar num partido com um determinado programa de governo, mas achar que o deputado X de outro partido poderia fazer a diferença no Parlamento.

Os alemães têm a solução para isto.

Nas eleições para o Parlamento alemão há dois boletins de voto. Num elege-se o partido que queremos que governe, no outro escolhe-se o candidato local que queremos que nos represente.

Assim, tomando como exemplo as últimas eleições, o PS, com 36,65% de votos, elege 106 deputados a nível nacional. Destes 106, os candidatos a entrar primeiro seriam os eleitos nominalmente por cada círculo eleitoral. Por exemplo, se cada um dos 22 círculos eleitorais existentes elegesse dois candidatos nominalmente (como é o caso na Alemanha) e na hipótese de metade destes terem sido para o PS, os primeiros 22 deputados a entrar teriam sido escolhidos por cada um de nós, sendo os restantes 84 referentes a uma lista nacional.

Se fizermos o mesmo exercício com um partido com menor votação verificamos a outra particularidade do Parlamento alemão: o número de total de deputados varia de eleição para eleição.

Por exemplo, o Bloco de Esquerda conseguiu em 2019, 9,67%, garantindo 19 deputados. Imaginando que, havendo voto nominal, o Bloco teria candidatos muito próximos das pessoas e por isso conseguia um deputado nominal em cada um dos círculos eleitorais, num total de 22, mais três do que o que teria por percentagem, então aí o voto direto das pessoas é mais forte e o Bloco ficaria com esses 22 deputados; o número de deputados dos outros partidos seria ajustado para, aceitando a escolha nominal dos eleitores, não criar um desequilíbrio proporcional.

A democracia não é perfeita, mas aceitando que é o melhor sistema que conhecemos até hoje, há ainda assim muitas modalidades de voto e representação. E, mesmo sabendo que a democracia é muito mais do que eleições, mais representação é para mim um passo para uma democracia melhor.

 

Isabel Melo, cidadã do mundo, trabalha como educadora em Munique (Alemanha).

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This