Daniel Faria, “último poeta místico do século XX”, da “dimensão dos grandes”

| 9 Jun 19 | Cultura e artes - homepage, Destaques, Literatura e Poesia, Newsletter, Últimas

“É o último poeta místico do século XX”, com uma “dimensão que o coloca na linha de uma Teresa d‘Ávila e dos grandes”, diz o bispo Carlos Azevedo, a propósito de Daniel Faria (10-04-1971 a 09-06-1999), autor de Explicação das árvores e de outros animais, que morreu na sequência de um acidente. Neste domingo, 9 de Junho, completam-se 20 anos sobre a morte de Daniel, pouco depois de festejar 28 de idade.

D. Carlos, actualmente bispo delegado no Conselho Pontifício da Cultura, falava ao 7MARGENS a propósito do colóquio Se acender a luz não morrerei sozinho, que neste sábado e domingo decorre na Casa Daniel (em Tabuaço, norte do distrito de Viseu), para debater a recepção, na cultura portuguesa (e já internacional), da poesia do monge beneditino, que morreu na sequência de um acidente.

“Diversos trabalhos relativos aos seus escritos têm sido publicados em jornais e revistas, dada a virtualidade plurifacetada de um poeta maior. A sua obra tem merecido sucessivas edições e tradução em espanhol”, justificam os organizadores. Carlos Azevedo diz que isso demonstra o interesse que Daniel Faria já suscita e dá mesmo o exemplo de vários livros do poeta traduzidos e editados em Espanha, que têm merecido várias edições e estão a ser divulgados também na Argentina.

O colóquio é organizado em conjunto pela Casa Daniel e a Cátedra Poesia e Transcendência Sophia de Mello Breyner da Universidade Católica Portuguesa-Porto, com a colaboração da Câmara Municipal de Tabuaço. Mesmo não sendo um lugar habitual para iniciativas literárias, a opção foi organizá-lo num sítio sonhado por Daniel Faria para um eremitério, “dada a sua vontade de silêncio”. É uma forma de “conhecer a provocação do lugar”, diz Carlos Azevedo, que refere a possibilidade de, na Casa Daniel, se poder passar alguns dias a descansar, reflectir ou em processo de criação literária e artística. “É um lugar de silêncio fabuloso”, diz o bispo e presidente do Colégio de Fundadores da Casa Daniel.

 

A Bíblia por trás das metáforas

Sobre os “lugares mal situados” do poeta – o mosteiro beneditino de Singeverga, O Livro do Joaquim e o seu trabalho na paróquia do Marco de Canaveses – foi o primeiro debate de sábado. Algumas das restantes intervenções relacionam-se com um dos temas fortes da poesia do autor de Dos Líquidos: a Bíblia e os fundamentos bíblicos da sua poesia. “Quem não souber Bíblia, tem dificuldade em ler a poesia dele, porque por trás das metáforas da linguagem está um grande conhecimento bíblico”, diz Carlos Azevedo.

Além de uma intervenção na manhã de sábado sobre as raízes bíblicas da poesia de Daniel Faria, a manhã deste domingo prevê outras três abordagens relacionadas com os temas referidos, incluindo a última, sobre o corpo e a morte (a cargo de José Rui Teixeira, responsável da cátedra Poesia e Transcendência).

Outro tema da obra de Daniel Faria é a morte. “O facto de ele morrer com 28 anos e ter deixado, apenas com essa idade, uma obra poética extraordinária onde fala muitas vezes do tema, faz as pessoas dizer, talvez apressadamente, que ele estaria a prever que ia morrer novo”, diz o bispo Azevedo. “A palavra morte, para ele, é espiritual, é evangélica. Trata-se de morrer para as lógicas do sistema, para viver na lógica do que Deus quer.”

Na noite de sábado, o colóquio incluiu ainda um concerto na Igreja Matriz de Tabuaço, com a peça Lado Aberto – Uma leitura musical e intertextual da poesia de Daniel Faria, composta por Alfredo Teixeira e interpretada pelo Entre Madeiras Trio e pelo Coro e Ensemble São Tomás de Aquino.

A inovação da obra de Daniel Faria percebe-se na forma de o poeta “encontrar palavras e uma forma poética: ele leu Herberto Hélder e Eugénio de Andrade, gostava de Sophia, vemos que há alguns apadrinhamentos, mas ele sai fora deles, tem estrutura poética e uma forma de dizer que é nova e profundamente rica, cheia de visão mística…”, regista Carlos Azevedo.

A sua obra, por outro lado, não se reduz à devoção, acrescenta o bispo: “Ele quase nunca fala de Deus e não cita o seu nome, mas é a profundidade da relação com o Transcendente que está verdadeiramente presente na sua poesia de uma forma sublime. Às vezes Deus prima pela ausência e pelo silêncio e esse desafio de silêncio e ausência é muito marcante.”

Num dos raros poemas, ainda inédito em livro, em que o nome de Deus está presente (No país de Deus, publicado na revista Viragemdo Metanoia, nº 39, Setembro 2001), Daniel reza uma espécie de litania:

“Eis o outono/ Trazendo os homens/ Para pisar
/ As folhas
/ Pisar as uvas

O outono/ Para pisar/ O sol

O outono para descalçar/ As mulheres/
 Para as prender/
 No meio do areal

Para desprender/ As suas ladainhas:

deus do mar /dai-nos mais ondas

deus da terra /dai-nos mais mar

deus das nuvens / dai-nos mais céu (…)

deus da pedra /dai-nos as margens

deus do outono /dai-nos nascentes

deus do menino /dai-nos regresso

deus do fim /dai-nos acenos

deus da morte /somos pequenos.

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Formação avançada em património religioso lançada na Católica novidade

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Cinco cristãos libertados na Índia depois de 11 anos presos por acusações falsas

Cinco cristãos indianos que tinham sido presos em 2008 com acusações falsas, na sequência da morte de Swamy Laxmananda Saraswati em Kandhamal (distrito de Orissa, a quase 700 quilómetros de Calcutá) foram agora libertados, onze anos depois das condenações e quatro anos depois de, em 2015, testemunhos apresentados por dois polícias terem levado à consideração da falsidade das acusações.

Igreja Católica em Espanha tem de “relançar compromisso” com os migrantes, pede responsável das Migrações

O diretor da Comissão de Migrações da Conferência Episcopal Espanhola, José Luis Pinilla, pediu o “relançamento do compromisso” da Igreja Católica em Espanha com os migrantes, fazendo frente à “xenofobia”. Numa conferência sobre Juan Antonio Menéndez, o antigo bispo e presidente desta comissão que morreu em maio de 2019, Pinilla afirmou que é necessária uma Igreja mais comprometida com os migrantes e lembrou os ensinamentos de Menéndez.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Aprender a dizer amor

Jorge Jesus, treinador do Flamengo, o mais falado clube nos últimos dias, afirmou: “No Brasil aprendi a dizer amor… Em Portugal é uma complicação para dizer amor. Quero desfrutar desse amor”. Sim, mas porque será tão difícil aos portugueses dizê-lo?

Cultura e artes

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

A primeira poetisa da Europa

Comparada a Homero; segundo Platão, a décima Musa. Era «a Poetisa», tal como Homero era «o Poeta». Manuscritos, nunca os vimos. Provavelmente, queimados, devido ao fanatismo de eclesiásticos bizantinos. Só alguns poemas inteiros chegaram até nós; o resto são fragmentos. Porque nos fascina ainda, uma frase, um verso, passado 2600 anos?…

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
9
Seg
Falar de vida e fé – Leonor Xavier conversa com Maria Antónia Palla @ Capela do Rato
Dez 9@18:30_19:45
Dez
10
Ter
Apresentação do livro “Os dons do Espírito Santo”, de frei João de São Tomás @ Livraria da Universidade Católica Portuguesa
Dez 10@17:30_18:30

O livro será apresnetado por Manuel Cândido Pimentel, professor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

Dez
11
Qua
Apresentação do livro “John Henry Newman”, de Paolo Gulisano @ Capela do Rato
Dez 11@21:15_22:15

O cardeal Newman testemunhou, na Inglaterra do século XIX, uma prodigiosa aventura intelectual e espiritual de diálogo ecuménico (entre a Igreja Católica e a Igreja Anglicana). Reclamava uma fé lúcida, inteligente, em diálogo com a cultura e a tradição patrística (o passado). Antecipou o Vaticano II com a sua compreensão da soberania da consciência. Foi um motivar da intervenção dos leigos na sociedade do seu tempo. A sua recente canonização, em 13 de Outubro, pelo Papa Francisco, é estimulo para se aprofundar o seu pensamento e a novidade do seu testemunho.

O livro será apresentado pelo padre António Martins (Faculdade de Teologia/Capela do Rato) e Artur Mourão, filósofo, tradutor de Newman e membro do Centro de EStudos de Filosofia. O debate é moderado por Nuno André.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco