Das (des)virtudes da culpa

| 3 Fev 2022

O destino de Caim depois de matar o seu irmão Abel na escultura de Henri Vidal, Jardin des Tuileries em Paris – França. © PickPik

 

É um facto inegável que a religião contribui de certa maneira para a saúde, felicidade e bem-estar de muitas pessoas, especialmente para aquelas que se têm envolvido ativamente com alguma instituição religiosa e que assistem regularmente aos seus ofícios. De acordo com inquérito efetuado em 2019, chegou-se ainda à conclusão de que o sentimento de pertença a uma igreja, a boa comunhão e os laços afetivos com outras pessoas, a prática de rituais e participação ativa nos cultos, são fatores que contribuem positivamente para a saúde psíquica, emocional e até física.

Mas a religião pode igualmente provocar danos emocionais e psíquicos na vida de muitas pessoas. Alguns psicólogos têm estudado aquilo que adjetivam de Síndrome do Trauma Religioso (RTS, Religious Trauma Syndrome), ou seja, um conjunto de sintomas, incluindo o da culpa, que surge em muitos fiéis decorrentes da sua experiência no seio de grupos religiosos caracterizados por terem certos sistemas de crenças autoritários, dogmáticos e controladores. Muitas dessas pessoas acabarão de sofrer durante décadas de sintomas do tipo stress pós-traumático, incluindo ansiedade, dúvidas de si próprios e sentimentos de desadequação social.

Talvez a génese destas desordens emocionais e psíquicas na vida de muitas pessoas tenham a sua origem numa falsa imagética acerca de Deus e que é igualmente fruto da adoção de uma extrema visão antropológica negativa agostiniana: os seres humanos têm uma natureza totalmente depravada como consequência da sua rebeldia e desobediência a Deus, sendo por isso culpados e totalmente carentes da Sua graça. Mais tarde, o próprio Calvino e os seus seguidores irão colocar a tónica no determinismo que assenta na total soberania de Deus e que retira aos seres humanos o livre arbítrio.

Mesmo para aqueles que Deus predestinou a serem salvos, acentuar-se-á sempre a sua natureza caída e o seu estado de culpa herdada e propagada desde Adão. O uso e imposição dessa culpa desvirtuada estará sempre presente e apetecível por detrás de cada púlpito à espera de poder ser usada a fim de lembrar a todos a sua natureza pecadora, podendo até ser instrumento de controlo sobre os fiéis. Por vezes, confrontados com essa imagética de um Deus tremendamente irado, vingativo e punitivo, arriscamo-nos a perder o Seu amor perante a exposição das nossas culpas. Conforme afirmou Paul Tournier, famoso psiquiatra suíço cristão, “O homem, em todas as épocas, projetou em Deus precisamente esta ideia. Imagina que Deus vai amá-lo somente se for bom e que irá recusar o seu amor se for culpado. O medo de perder o amor de Deus – esta é a essência do problema da humanidade e da psicologia. Mesmo aquele que não acredita em Deus teme perder o Seu amor. Foi exatamente dessa falsa ideia de Deus, tão difundida ainda hoje pelo Seu povo, que Jesus veio nos libertar. Jesus mostra-nos que Deus ama-nos incondicionalmente. Ama-nos, não pela nossa espiritualidade ou pelas nossas virtudes, mas sim pela nossa miséria e nossa culpa.” (Paul Tournier. Culpa e Graça. Uma análise do sentimento de culpa e o ensino do evangelho. Editora Ultimato)

É verdade que a consciência de nos sentirmos culpados é uma grande constante da vida humana. Mas a própria culpa em si, tem também o seu lado saudável e virtuoso, uma vez que potencia o fator de arrependimento, cuja origem no grego imprime a ideia de mudança de pensamento e que pode conduzir, obviamente, a alteração de comportamentos, de atitudes, maneira de ser e de viver. Não necessitamos de viver constantemente debaixo do peso da culpa, seja por consciência própria ou por imposição de outros, até porque o teor da mensagem do Evangelho é essencialmente uma boa nova libertadora e sempre constante ao longo da vida de cada um.

Afinal, segundo as palavras e ações do próprio Jesus, é-nos apresentada essa imagem tremendamente revolucionária que nos liberta de muitas das culpas tóxicas que nos aprisionam por vezes a alma, a de um Deus que é infinitamente amoroso, gracioso e que nos ama independentemente daquilo que somos, possamos fazer, pensar ou sentir. Finalizo citando de novo Paul Tournier: “a verdadeira culpa é, principalmente, não ousarmos ser nós mesmos. É o medo do julgamento dos outros que nos impede de sermos nós mesmos, de nos mostrarmos tal como somos, de manifestarmos os nossos gostos, desejos e convicções, de nos desenvolvermos, de nos expandirmos segundo a nossa própria natureza, livremente. É o medo do julgamento dos outros que nos esteriliza, que nos impede de produzir todos os frutos que somos chamados a produzir.”

 

Vítor Rafael é investigador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo, da Universidade Lusófona. Contacto: vitorraf@gmail.com

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

A “nuvem escura que nunca larga” as vítimas de abusos sexuais

338 casos já validados

A “nuvem escura que nunca larga” as vítimas de abusos sexuais

17 casos já entregues ao Ministério Público, todos de padres que podem estar ainda no activo; 338 testemunhos validados, com um peso importante de situações ocorridas no confessionário. Uma maioria de vítimas que, ainda assim, continua a considerar-se como católica. Após quase seis meses de trabalho, a Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa fez um novo balanço. E apresentou três depoimentos de vítimas que querem ajudar a que outras como elas também falem e que pedem à Igreja um gesto de reparação.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This