Um jesuíta em Timor

De barbas e batina branca, no meio dos escombros

| 15 Jun 21

P. João Felgueiras com alunos da Escola Amigos de Jesus, em Díli (Timor)

O padre João Felgueiras com alunos da Escola Amigos de Jesus, por ele criada. Foto © Carla Araújo

 

A família dos Felgueiras, das Taipas, deu a Portugal e ao mundo nove filhos. A maioria deles consagrou-se a Deus em diversas famílias religiosas e missionárias: Carmelitas, Franciscanas Missionárias de Maria, Espiritanas, Espiritanos, Jesuítas. Só um (o dr. Vasconcelos) casou para dar descendência à família. Tive a honra de ter tido como confrade espiritano o padre José Maria e ter conhecido a Irmã Maria José, das Irmãs Espiritanas (foi a primeira Espiritana de Portugal) e o padre João, jesuíta. Só este está entre nós e celebrou a 9 de junho, em Timor, o seu centenário de nascimento (como se referiu aqui no 7MARGENS).

Os manos que já partiram

O padre Francisco Nogueira da Rocha, antigo ecónomo geral da congregação dos Missionários Espiritanos, escreveu uma biografia do padre José Maria Felgueiras, em 1986, com o título: P. José Maria Felgueiras, mártir da caridade, falando da vida e missão deste espiritano, irmão de João Felgueiras, jesuíta centenário em Timor. 

O padre José Maria faleceu em Espanha na sequência de um acidente de comboio quando saltou para a linha a fim de salvar um jovem seminarista que ia ser atropelado pelo comboio. Viveu o jovem, morreria ele 54 dias mais tarde.  

Escreve Adélio Torres Neiva na História dos Espiritanos em Portugal: “A 26 de novembro de 1956, depois de 54 dias de doloroso sofrimento, com as pernas amputadas em consequência de um grave acidente de comboio (4 de outubro), sofrido quando tentava salvar um dos estuantes do seminário de Paredes de Nava, faleceu no hospital de Palência o P. José Maria Felgueiras, sempre recordado com saudade por quantos o haviam conhecido” (p. 900). E conclui: “A 27 de dezembro de 1957, o Ayuntamiento de Jodar (Jaén) deu a uma das ruas da terra donde era originário o seminarista Lino Diaz, (…) o nome do P. José Maria Felgueiras [que o salvou]. A 15 de janeiro de 1959, o Ministério do Governo conceder-lhe-ia, a título póstumo, a Ordem Civil da Beneficência de Espanha” (p. 901).

A irmã Maria José Felgueiras (1915-1993), enfermeira, deu a sua vida à missão como irmã da Congregação do Espírito Santo. Foi a primeira espiritana portuguesa. Fez a sua formação em França e foi missionária nos Camarões entre 1936 e 1941. 

Regressou a Portugal para integrar a equipa de Irmãs que lançou a presença das Espiritanas no nosso país neste ano de 1941. Partiria, em 1951, na primeira equipa de cinco Espiritanas que rumaram a Angola. A primeira Missão foi no Cuíma, Nova Lisboa [hoje, Huambo], onde funcionavam um dispensário e uma famosa escola de formação de professores. Dali as irmãs seguiriam para as cidades de Nova Lisboa e Sá da Bandeira [agora, Lubango], abrindo, posteriormente, comunidades noutras províncias e dioceses de Angola. Regressou definitivamente a Portugal em 1974, trabalhando no Hospital de Guimarães até à reforma. Depois, em 1978, integrou a comunidade de Fraião (Braga) onde viveu e trabalhou até à morte, em 1993.

Missão em Timor
P. João Felgueiras (centro)Em Dare, com bispo de Timor D. José Joaquim Ribeiro

Padre João Felgueiras (ao centro), com o então bispo de Timor, D. José Joaquim Ribeiro.

 

Foi a tragédia que vitimou Timor que me fez conhecer o padre João. A invasão indonésia e os massacres que flagelaram os timorenses ávidos de independência, levaram-me a abraçar este povo, de alma e coração. 

Um dos momentos mais gratos deste tempo foi o encontro com o padre João Felgueiras que me visitou, em 2000, em Lisboa, para conversarmos sobre um projecto que, de forma clandestina, apoiávamos: bolsas para jovens timorenses ajudados pelos jesuítas em Timor. 

Foi um encontro de família, pois o padre João era irmão do padre José Maria e da irmã Maria José, ambos da Família Espiritana. Desse encontro, de que guardo gratíssima memória, surgiu a necessidade de escrever um editorial para o jornal Ação Missionária de que, naquele tempo, eu era director. Transcrevo a seguir o texto:

Por Timor

De barbas e batina branca a andar pelo meio dos escombros de Díli, de ar cansado, arrasado pela situação, o P. João Felgueiras está em Timor há muitos anos, viveu o drama de um povo massacrado, ficou ali de pedra e cal a partilhar a desgraça de um povo. A idade que avança e os dramas vividos não lhe apagaram a garra de olhar o futuro.

Conversei com ele algumas horas. Diz dever a sua vocação missionária aos Espiritanos. Ele tinha um irmão e uma irmã espiritanos. Ambos faleceram, tendo sido figuras de renome.

Está feliz com o governo de transição. Está contente com a maneira como a situação evolui. Já sonha com a reconstrução das casas do povo, com o regresso dos jovens às escolas e universidades.

É uma voz de experiência. Todos o querem ouvir: presidentes da República, ministros, diplomatas, bispos… a profundidade das suas análises e a lucidez das perspetivas de futuro que apresenta não se podem deitar fora. O P. Felgueiras tem consciência de que os timorenses não vão nunca querer ser indonésios, após os massacres de setembro de 99. Ele recorda sempre, com um misto de emoção e serenidade, aquelas imagens que correram o mundo e nos encheram os olhos de horror. Para escapar, teve de se refugiar nas montanhas. Está convencido de que os estudantes universitários devem estudar em Timor. Elogia os compromissos das ONGs, mas pede menos ostentação e melhor conhecimento da realidade. Vê os valores cristãos como pilares éticos da nova nação Lorosae.

É um homem sem medo, com grande sentido de missão. Para ele, correr riscos não mete medo. O importante é dizer e fazer o que acha mais importante.

Parabéns P. Felgueiras, para bens Timor Lorosae’. 

(Lisboa, jornal Ação Missionária, agosto-setembro de 2000. Publicado em 2005 na coletânea Crónicas com Missão, p. 48).

Acerca do padre João Felgueiras, além do texto que o 7MARGENS publicou, o PontoSJ divulgou também o testemunho de uma sobrinha-neta, a par de outras memórias.

 

Tony Neves é padre católico e trabalha em Roma como responsável do Departamento da Justiça e Paz dos Missionários do Espírito Santo (CSSp, Espiritanos), de cuja congregação é membro.

 

Facebook está a apostar na evangelização

Líderes evangélicos nos EUA já trabalham com a multinacional

Facebook está a apostar na evangelização novidade

A rede social Facebook está a entrar na área da evangelização. Nos Estados Unidos da América, os pastores evangélicos estão a apostar nas redes sociais como forma de expandir o seu ministério, e exemplo disso é o pastor Sam Collier, que revelou, em entrevista, que meses antes de a mega-igreja Hillsong abrir seu novo posto avançado em Atlanta, procurou conselhos sobre como construir uma igreja em uma pandemia. Do Facebook.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Derrota no estádio, pancada em casa

[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

Breves

Responsável também pelas obras no Mar da Palha

José Sá Fernandes preside a Grupo de acompanhamento da JMJ 2023 novidade

O governo português anunciou a criação de um Grupo de Projeto com vista a acompanhar e agilizar todas as questões relacionadas com o “acompanhamento, em termos operacionais, dos trabalhos de preparação deste evento”. “Considerando a diversidade, a complexidade, a natureza e a dimensão das ações a desenvolver no âmbito da preparação da JMJ 2023, o Governo, através Resolução do Conselho de Ministros n.º 45/2021, criou um Grupo de Projeto para assegurar o acompanhamento”, pode ler-se no comunicado de imprensa a que o 7Margens teve acesso.

Cidadãos vítimas de spyware

Amnistia exige resposta do governo húngaro ao escândalo Pegasus

Uma investigação publicada esta terça-feira, 20 de julho, pelo Direkt36 (órgão de comunicação húngaro sem fins lucrativos) revelou que os telefones de mais de 300 cidadãos daquele país foram identificados como possíveis alvos do software de vigilância Pegasus, comercializado pela empresa israelita NSO Group. Peritos da Amnistia Internacional (AI) confirmaram que, em inúmeros casos, este software tinha, de facto, sido instalado, e a organização exige agora uma reação da parte das autoridades húngaras.

Mulheres na mudança

Duas leigas espanholas nomeadas para comissões do Sínodo

Duas leigas espanholas foram nomeadas para participarem nos trabalhos preparatórios do Sínodo dos Bispos de 2023: Carmen Peña García, professora de direito canónico, vai integrar a comissão de teologia e Cristina Inogés, formada em teologia pela Faculdade de Teologia Protestante de Madrid, fará parte da comissão de metodologia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

É notícia

Sínodo dos Bispos 2023

Quem é quem nas comissões preparatórias novidade

Estão constituídas as três comissões preparatórias do Sínodo dos Bispos católicos de 2023, cujo início será já no próximo mês de outubro, em todas as dioceses do mundo. As pessoas escolhidas indiciam a vontade de mudança introduzida pelo Papa Francisco, conforme o 7MARGENS explica noutro texto. Fica a seguir a lista completa.

Especulação imobiliária

Docas de Liverpool já não são património da humanidade

As docas vitorianas de Liverpool nas margens do rio Mersey perderam nesta quarta-feira, 21 de julho, o estatuto de Património da Humanidade por causa da especulação imobiliária que levou à construção de novos edifícios, os quais causaram “perdas irreversíveis” que destruíram o “valor universal excecional” das antigas docas.

Entre margens

Jesus Cristo tinha uma agenda liberal? novidade

Dizer apenas que todas as vidas são importantes é uma tirada lapalissiana. É óbvio que sim, mas o problema é que nem todas as vidas estão em risco devido a fenómenos sociais como o racismo, a xenofobia, a violência sobre mulheres e crianças, o abuso sexual e o tráfico de pessoas, já para não falar nesta economia que mata, no dizer do Papa Francisco.

Mulheres, aptas para o ministério sacerdotal

No ano de 2020, na Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana), das 591 pessoas recomendadas para a formação ao ministério ordenado e assumirem funções ministeriais a tempo inteiro, a maioria dos candidatos são do género feminino.

Como regressar à vida?

Num recente inquérito à opinião pública, as pessoas consideram que as medidas contra a Covid-19 foram positivas, mas queixam-se que a democracia se viu limitada. É um julgamento natural. Importa, porém, compreender que fomos surpreendidos por uma enfermidade que continuamos a desconhecer.

Cultura e artes

Lançamento

Um livro para entender o imaginário católico de Sting

Evyatar Marienberg, historiador da religião na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, escreveu um livro sobre a imaginação católica de Sting e de como ela alimentou a sua criatividade. Antes de ser quem é na cena do rock internacional como o principal compositor e vocalista do Police, Sting (nascido Gordon Sumner em 1951) cresceu na cidade de Wallsend, Inglaterra, e frequentou escolas católicas. Recebeu o Crisma aos 14 anos e casou-se com sua primeira esposa na Igreja Católica aos 25 anos.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This