De joelhos os grandes sistemas económicos

| 6 Jul 20

É necessária uma mudança radical da nossa sociedade que assegure uma economia da Vida baseada na justiça e na dignidade de todos, nem que “seja necessário pôr de joelhos alguns desses sistemas gigantescos”, parafraseando o artista conservacionista David Shepherd. Assim se refere o documento que o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Comunhão Mundial de Igrejas Reformadas (CMIR), a Federação Luterana Mundial (FLM) e o Conselho para a Missão Mundial (CMM), no seu apelo a uma “Economia de Vida em Tempos de Pandemia”.

Esta declaração é publicada na sequência da covid-19 e de especialistas das várias igrejas, naquela que é chamada a “Declaração de São Paulo: Transformação Financeira Internacional para uma Economia da Vida” (NIFEA, na sigla inglesa).

As igrejas signatárias do documento mostram a sua preocupação pela “crise da pandemia de covid-19” e as fragilidades humanas e sistémicas, nomeadamente os sistemas económicos opressivos e exploradores que obtém os seus lucros através de desigualdades económicas e sociais, uma total indiferença ambiental e ainda com os legados coloniais presentes.

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa. E se em tantos países a bondade e a generosidade existem é porque aqueles e aquelas que nada têm, são os que mais dão, porque dão tudo.

Apelam, por isso, à construção de uma Nova Criação, baseada no apelo urgente à disponibilização de recursos para a saúde pública e proteção social, ao perdão das dividas dos países mais pobres e a impostos cobrados aos mais ricos, que não serão mais que a devolução daquilo que os outros “sem-nada” produziram. Apelam à salvaguarda dos bens públicos dos processos neoliberais de “privatização e mercantilização”. As crises serão superadas quando juntos cuidarmos da “Nossa Casa Comum”, nas suas diversas vertentes, culturais, económicas, ambientais e sociais, através da solidariedade e cooperação onde todos os países sejam incorporados e os sistemas de governação global baseados na justiça, assistência e sustentabilidade.

Esta declaração também foi proclamada pelas igrejas do Conselho Português de Igrejas Cristãs (Copic), a que pertencem as Igrejas Metodista, Presbiteriana, Luterana e Lusitana (Comunhão Anglicana). Vindo, como se disse, de reflexões feitas desde 2012, onde formaram o New International Finantial and Economic Architecture (NIFEA), tem consonância com os apelos lançados pela Igreja Católica Romana, através nomeadamente da Laudato Si’ e Querida Amazónia. Queiram por si ser fautores da unidade em Jesus, para superar não só a covid-19 mas colocar os povos e todos os seres vivos no centro de uma Nova Criação, afinal aquela que Deus – no poema mítico da Criação – deu ao homem e à mulher, para viverem bem e cuidarem do jardim do paraíso.

 

Joaquim Armindo é diácono católico da diocese do Porto, doutorado em Ecologia e Saúde Ambiental

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade novidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This