Após relatório preocupante

Debate sobre crimes contra uigures chumbado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU

| 7 Out 2022

Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra Foto Facebook UN Geneva

Esta foi a segunda vez, em 16 anos de história do conselho, que uma moção foi chumbada. Foto © UN Geneva.

 

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), em Genebra, recusou esta quinta-feira, 6, debater os abusos contra a minoria muçulmana uigur que estarão a acontecer na região chinesa de Xinjiang e que, de acordo com um relatório divulgado em agosto pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, corresponderão a “crimes contra a humanidade”.  A moção tinha sido apresentada por dez países ocidentais, entre os quais os Estados Unidos da América e o Reino Unido, mas foi rejeitada com 19 votos contra (da própria China e de aliados habituais como Cuba e a Venezuela, mas também do Paquistão e da Indonésia, dois grandes países muçulmanos).

Esta foi a segunda vez, em 16 anos de história do conselho, que uma moção foi chumbada, num resultado que “protege os responsáveis por violações dos direitos humanos, em vez de proteger as vítimas”, ao mesmo tempo que coloca o Conselho de Direitos Humanos numa “posição ridícula”, por ignorar as conclusões de um relatório recente, em que era mesmo utilizado o termo “genocídio”, afirmou a secretária-geral da Amnistia Internacional, Agnes Callamard. “Os interesses políticos e económicos não deveriam triunfar perante as graves dúvidas sobre direitos humanos, e nenhum país deveria poder livrar-se do escrutínio do Conselho”, lamentou num comunicado.

Entre os 47 Estados-membros do Conselho de Direitos Humanos da ONU, votaram a favor do debate a República Checa, Finlândia, França, Alemanha, Honduras, Japão, Lituânia, Luxemburgo, Ilhas Marshall, Montenegro, Países Baixos, Paraguai, Polónia, Coreia do Sul, Somália, Reino Unido e Estados Unidos da América. Opuseram-se a Bolívia, Camarões, China, Costa do Marfim, Cuba, Eritreia, Gabão, Indonésia, Cazaquistão, Mauritânia, Namíbia, Nepal, Paquistão, Qatar, Senegal, Sudão, Emirados Árabes Unidos, Uzbequistão e Venezuela. A Argentina, Arménia, Benin, Brasil, Gâmbia, Índia, Líbia, Malawi, Malásia, México e Ucrânia optaram pela abstenção.

Resultados da votação, publicados na página oficial de Facebook do Escritório das Nações Unidas em Genebra.

 

O embaixador da China havia alertado pouco antes da votação para o facto de a moção criar um “atalho perigoso” para examinar registos de direitos humanos de outros países. “Hoje, a China é o alvo. Amanhã, qualquer outro país em desenvolvimento será o alvo”, disse Chen Xu.

Já a embaixadora dos EUA na ONU, Michele Taylor, disse estar “decepcionada” com a votação, e referiu, citada pelo The Jerusalem Post, que “nenhum país deve ficar imune a uma discussão no conselho”. Os EUA, prometeu, “continuarão a trabalhar” para “obter justiça e responsabilização pelas vítimas de abusos e violações de direitos humanos, incluindo os uigures em Xinjiang”.

Também Simon Manley, embaixador do Reino Unido na ONU, defendeu que um debate no Conselho de Direitos Humanos era “o mínimo” que se podia fazer face à descoberta de crimes que “incluem tortura, violência sexual e de género, esterilizações forçadas, severas restrições à liberdade de religião e crença e desaparecimentos forçados em grande escala” na China. “E o que é ainda mais significativo é que muitas dessas descobertas são baseadas em informações públicas oficiais das autoridades chinesas – corroboradas por outras fontes”, sublinhou.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This