Demissão das mulheres de “Donne Chiesa Mondo” provoca perplexidades e ameaça ideia de reforma

| 29 Mar 19

(Ilustração de abertura © Sara Naves)

Um espelho das lutas pelo poder no Vaticano? Mais um sinal de que a oposição interna ao Papa Francisco não o larga? Manifestações de idiossincrasias pessoais e incompatíveis? Um empurrão a alguém que os seus detractores dizem não ser pró-Francisco? Um sinal de que o Papa está a perder a batalha da reforma? Tudo isso e ainda outros factores escondidos? A demissão de Lucetta Scaraffia e da equipa editorial da revista Donne Chiesa Mondo (“Mulheres Igreja Mundo”) provoca várias perplexidades e pode não estar ainda completamente clarificada em todos os seus contornos.

 

Só a decisão sobre a continuidade da publicação de Donne Chiesa Mondo (DCM) e a constituição da equipa que substituirá as redactoras que agora saíram permitirão retirar conclusões mais acertadas sobre o caso que esta semana abalou a Santa Sé. É mesmo de prever que, no próximo domingo, ao regressar a Roma da viagem a Marrocos, o Papa seja confrontado com o tema e ajude a esclarecer mais algum pormenor.

Há sete anos (ainda com o Papa Bento XVI) que Donne Chiesa Mondo (DCM) agitava as águas do Vaticano e do jornal oficial, L’Osservatore Romano (L’OR), com o qual era publicada na primeira quinta-feira de cada mês. A historiadora, que dirigia a revista, era amiga pessoal e colega na Universidade do então director do L’OR, Giovanni Maria Vian,e o Papa Bento XVI aceitou a ideia da edição desta revista feminina.

Desde o início, a nova publicação destacou-se como uma pedrada no charco da “neutralidade” cinzenta com que muitas publicações católicas são escritas e produzidas. Como dizia a ex-directora na carta de demissão que dirigiu ao Papa, ali se tratavam questões como a ciência, a política ou o papel das mulheres na sociedade. Também houve textos sobre o contributo de mulheres para a teologia – Hildegarda de Bingen, Teresa d’Ávila, Juliana de Norwich ou Edith Stein, por exemplo; acerca do papel feminino no anúncio cristão ou nas acções de pacificação no mundo; sobre as pensadoras religiosas muçulmanas que a tradição islâmica esqueceu; ou textos deinterpretação bíblica, que deram origem a três livros acerca do papel das mulheres referidas no Antigo Testamento, nos Evangelhos e nas cartas de São Paulo.

Apesar de tudo isso, foi quando tocou em questões de poder que DCM terá agitado demais algumas águas inquinadas: a revista publicou vários artigos sobre a exploração sexual de freiras por membros do clero e acerca do trabalho não remunerado de muitas religiosas em estruturas eclesiásticas ou como funcionárias de padres e bispos.

“Nestes sete anos, o nosso objetivo foi dar voz às mulheres que, como Igreja, trabalham na Igreja e pela Igreja, abrindo-se ao diálogo com mulheres de outras religiões”, escrevia Lucetta Scaraffia na carta que escreveu ao Papa anunciando que ela e a sua equipa tinham decidido “atirar a toalha ao chão”. Apesar disso, a ex-editora do suplemento do L’OR destaca que a equipa trabalhou “no coração do Vaticano e da comunicação da Santa Sé, com inteligência e coração livres, graças ao consentimento e apoio de dois papas”.

 

“Clima de desconfiança”

Lucetta Scaraffia

 

Agora, no entanto, as mulheres de DCM sentiram-se “cercadas por um clima de desconfiança e deslegitimação progressiva”, escrevia ainda na carta dirigida ao Papa, queixando-se do actual director do L’OR, Andrea Monda. Este, no cargo desde Dezembro, não apoiou a linha do suplemento, queixa-se Scaraffia, e lançou iniciativas que pareciam competir com o suplemento, para “colocar as mulheres umas contra as outras”.

Monda reagiu negando as acusações e afirmando que garantiu ao DCM a mesma “autonomia e liberdade” que caracterizaram a publicação desde o início, recusando interferir na sua linha editorial e limitando-se a sugerir temas e pessoas para os abordar. O director do L’OR afirma ainda que manteve o orçamento, que incluía a tradução para as diferentes edições estrangeiras: em espanhol, com a revista Vida Nueva; em francês, com La Vie; e em inglês, numa versão digital. E acrescenta que procurou sempre uma linha de abertura e debate, na linha do magistério do Papa Francisco: “Posso assegurar que o futuro do suplemento mensal do L’Osservatore Romano nunca esteve em discussão; e por isso, que a sua história continuará ininterrupta. Sem clericalismo de qualquer espécie”, conclui.

Numa análise publicada no Il Fatto Quotidiano e traduzida no Brasil pela Unisinos, o jornalista Marco Politi chama a atenção para o facto de episódios como este poderem ajudar a espalhar a ideia de que as reformas preconizadas pelo Papa não avançam. “Não há razão para acreditar que o novo diretor, Andrea Monda, queira retroceder em relação à linha do Papa Francisco sobre a promoção do papel feminino na Igreja. Mas é preciso ficar com os ouvidos abertos” quando a historiadora diz o que disse ao Papa. Sente-se a reacção “da Cúria profunda, que nunca tolerou a independência do caderno feminino e entrou em alerta quando, no DCM apareceu a denúncia aberta dos abusos de poder cometidos na Igreja contra as mulheres”, escreve.

 O analista do Vaticano acrescenta: “Scaraffia, que sempre foi uma moderada, enfatizou fortemente nos últimos meses que as mulheres na Igreja não importam e não são ouvidas. E muitíssimas católicas – até mesmo teólogas de orientações diferentes da sua ou fiéis comprometidas em atividades eclesiais – pensam como ela. O ano de 2019 realmente não começou nada bem.”

 

Uma “reaccionária” na bioética

É precisamente sobre a “moderação” de Scaraffia que surgiram outros contornos na história: várias fontes romanas contactadas pelo 7MARGENS apontam a Scaraffia uma linha moral conservadora. Recentemente, no DCM, a historiadora publicou um texto defendendo a encíclica Humanae Vitae, de Paulo VI, que marcou a ruptura silenciosa de muitos católicos com a instituição. E por várias vezes Scaraffia afirmava a sua oposição ao sacerdócio das mulheres, como fez de novo, já depois da demissão, em entrevista ao Corriere della Sera.

Um investigador católico italiano é muito crítico para com Scaraffia. Num depoimento enviado ao 7MARGENS, ele recorda que a historiadora era uma das mais fortes apoiantes de posições católicas intransigentes, por vezes mesmo “reacionárias”, no campo da bioética, além de ser crítica da “revolução sexual” da década de 1960 e do feminismo.

Há outros pormenores: várias fontes asseguram também que o actual director do L’OR é próximo do padre jesuíta Antonio Spadaro, que tem sido um conselheiro do Papa na área da comunicação. Mas, apesar de Spadaro, esta área tem estado sujeita a convulsões várias, com demissões e mudanças sucessivas na Sala Stampa, na Rádio Vaticana e no Conselho Pontifício da área, sem se perceber porque não acertam os responsáveis do Vaticano (e o Papa) nas nomeações feitas.

Em Portugal, a irmã Luísa Almendra, das Religiosas do Sagrado Coração de Maria, tomou conhecimento da demissão “com surpresa e tristeza”. Professora de Sagrada Escritura na Faculdade de Teologia da Universidade Católica, Luísa Almendra escreveu um texto para o DCM em Março de 2017, num convite feito por uma das pessoas da redacção. “Foi então que tomei conhecimento deste suplemento e passei a ler sempre com muito interesse a publicação mensal”, diz ao 7MARGENS. A revista “oferecia-nos um rosto feminino, que percorria diversos âmbitos: social, bíblico, eclesial, histórico… e demarcava-se pela oportunidade e diversidade temática, e ainda pela colaboração que solicitava a mulheres de Igreja oriundas de diversas partes do mundo”, acrescenta. Agora, a religiosa portuguesa espera que a publicação continue, sem perder a riqueza de perspetiva que ofereceu até ao momento. 

Na próxima quinta-feira, 4 de Abril, estará na rua o número 78 de Donne Chiesa Mondo, o último dos dirigidos por Lucetta Scaraffia. O futuro?…

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?” novidade

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco