Demissão das mulheres de “Donne Chiesa Mondo” provoca perplexidades e ameaça ideia de reforma

| 29 Mar 19 | Destaques, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Religiões e Mulheres, Últimas, Vaticano/Santa Sé

(Ilustração de abertura © Sara Naves)

Um espelho das lutas pelo poder no Vaticano? Mais um sinal de que a oposição interna ao Papa Francisco não o larga? Manifestações de idiossincrasias pessoais e incompatíveis? Um empurrão a alguém que os seus detractores dizem não ser pró-Francisco? Um sinal de que o Papa está a perder a batalha da reforma? Tudo isso e ainda outros factores escondidos? A demissão de Lucetta Scaraffia e da equipa editorial da revista Donne Chiesa Mondo (“Mulheres Igreja Mundo”) provoca várias perplexidades e pode não estar ainda completamente clarificada em todos os seus contornos.

 

Só a decisão sobre a continuidade da publicação de Donne Chiesa Mondo (DCM) e a constituição da equipa que substituirá as redactoras que agora saíram permitirão retirar conclusões mais acertadas sobre o caso que esta semana abalou a Santa Sé. É mesmo de prever que, no próximo domingo, ao regressar a Roma da viagem a Marrocos, o Papa seja confrontado com o tema e ajude a esclarecer mais algum pormenor.

Há sete anos (ainda com o Papa Bento XVI) que Donne Chiesa Mondo (DCM) agitava as águas do Vaticano e do jornal oficial, L’Osservatore Romano (L’OR), com o qual era publicada na primeira quinta-feira de cada mês. A historiadora, que dirigia a revista, era amiga pessoal e colega na Universidade do então director do L’OR, Giovanni Maria Vian,e o Papa Bento XVI aceitou a ideia da edição desta revista feminina.

Desde o início, a nova publicação destacou-se como uma pedrada no charco da “neutralidade” cinzenta com que muitas publicações católicas são escritas e produzidas. Como dizia a ex-directora na carta de demissão que dirigiu ao Papa, ali se tratavam questões como a ciência, a política ou o papel das mulheres na sociedade. Também houve textos sobre o contributo de mulheres para a teologia – Hildegarda de Bingen, Teresa d’Ávila, Juliana de Norwich ou Edith Stein, por exemplo; acerca do papel feminino no anúncio cristão ou nas acções de pacificação no mundo; sobre as pensadoras religiosas muçulmanas que a tradição islâmica esqueceu; ou textos deinterpretação bíblica, que deram origem a três livros acerca do papel das mulheres referidas no Antigo Testamento, nos Evangelhos e nas cartas de São Paulo.

Apesar de tudo isso, foi quando tocou em questões de poder que DCM terá agitado demais algumas águas inquinadas: a revista publicou vários artigos sobre a exploração sexual de freiras por membros do clero e acerca do trabalho não remunerado de muitas religiosas em estruturas eclesiásticas ou como funcionárias de padres e bispos.

“Nestes sete anos, o nosso objetivo foi dar voz às mulheres que, como Igreja, trabalham na Igreja e pela Igreja, abrindo-se ao diálogo com mulheres de outras religiões”, escrevia Lucetta Scaraffia na carta que escreveu ao Papa anunciando que ela e a sua equipa tinham decidido “atirar a toalha ao chão”. Apesar disso, a ex-editora do suplemento do L’OR destaca que a equipa trabalhou “no coração do Vaticano e da comunicação da Santa Sé, com inteligência e coração livres, graças ao consentimento e apoio de dois papas”.

 

“Clima de desconfiança”

Lucetta Scaraffia

 

Agora, no entanto, as mulheres de DCM sentiram-se “cercadas por um clima de desconfiança e deslegitimação progressiva”, escrevia ainda na carta dirigida ao Papa, queixando-se do actual director do L’OR, Andrea Monda. Este, no cargo desde Dezembro, não apoiou a linha do suplemento, queixa-se Scaraffia, e lançou iniciativas que pareciam competir com o suplemento, para “colocar as mulheres umas contra as outras”.

Monda reagiu negando as acusações e afirmando que garantiu ao DCM a mesma “autonomia e liberdade” que caracterizaram a publicação desde o início, recusando interferir na sua linha editorial e limitando-se a sugerir temas e pessoas para os abordar. O director do L’OR afirma ainda que manteve o orçamento, que incluía a tradução para as diferentes edições estrangeiras: em espanhol, com a revista Vida Nueva; em francês, com La Vie; e em inglês, numa versão digital. E acrescenta que procurou sempre uma linha de abertura e debate, na linha do magistério do Papa Francisco: “Posso assegurar que o futuro do suplemento mensal do L’Osservatore Romano nunca esteve em discussão; e por isso, que a sua história continuará ininterrupta. Sem clericalismo de qualquer espécie”, conclui.

Numa análise publicada no Il Fatto Quotidiano e traduzida no Brasil pela Unisinos, o jornalista Marco Politi chama a atenção para o facto de episódios como este poderem ajudar a espalhar a ideia de que as reformas preconizadas pelo Papa não avançam. “Não há razão para acreditar que o novo diretor, Andrea Monda, queira retroceder em relação à linha do Papa Francisco sobre a promoção do papel feminino na Igreja. Mas é preciso ficar com os ouvidos abertos” quando a historiadora diz o que disse ao Papa. Sente-se a reacção “da Cúria profunda, que nunca tolerou a independência do caderno feminino e entrou em alerta quando, no DCM apareceu a denúncia aberta dos abusos de poder cometidos na Igreja contra as mulheres”, escreve.

 O analista do Vaticano acrescenta: “Scaraffia, que sempre foi uma moderada, enfatizou fortemente nos últimos meses que as mulheres na Igreja não importam e não são ouvidas. E muitíssimas católicas – até mesmo teólogas de orientações diferentes da sua ou fiéis comprometidas em atividades eclesiais – pensam como ela. O ano de 2019 realmente não começou nada bem.”

 

Uma “reaccionária” na bioética

É precisamente sobre a “moderação” de Scaraffia que surgiram outros contornos na história: várias fontes romanas contactadas pelo 7MARGENS apontam a Scaraffia uma linha moral conservadora. Recentemente, no DCM, a historiadora publicou um texto defendendo a encíclica Humanae Vitae, de Paulo VI, que marcou a ruptura silenciosa de muitos católicos com a instituição. E por várias vezes Scaraffia afirmava a sua oposição ao sacerdócio das mulheres, como fez de novo, já depois da demissão, em entrevista ao Corriere della Sera.

Um investigador católico italiano é muito crítico para com Scaraffia. Num depoimento enviado ao 7MARGENS, ele recorda que a historiadora era uma das mais fortes apoiantes de posições católicas intransigentes, por vezes mesmo “reacionárias”, no campo da bioética, além de ser crítica da “revolução sexual” da década de 1960 e do feminismo.

Há outros pormenores: várias fontes asseguram também que o actual director do L’OR é próximo do padre jesuíta Antonio Spadaro, que tem sido um conselheiro do Papa na área da comunicação. Mas, apesar de Spadaro, esta área tem estado sujeita a convulsões várias, com demissões e mudanças sucessivas na Sala Stampa, na Rádio Vaticana e no Conselho Pontifício da área, sem se perceber porque não acertam os responsáveis do Vaticano (e o Papa) nas nomeações feitas.

Em Portugal, a irmã Luísa Almendra, das Religiosas do Sagrado Coração de Maria, tomou conhecimento da demissão “com surpresa e tristeza”. Professora de Sagrada Escritura na Faculdade de Teologia da Universidade Católica, Luísa Almendra escreveu um texto para o DCM em Março de 2017, num convite feito por uma das pessoas da redacção. “Foi então que tomei conhecimento deste suplemento e passei a ler sempre com muito interesse a publicação mensal”, diz ao 7MARGENS. A revista “oferecia-nos um rosto feminino, que percorria diversos âmbitos: social, bíblico, eclesial, histórico… e demarcava-se pela oportunidade e diversidade temática, e ainda pela colaboração que solicitava a mulheres de Igreja oriundas de diversas partes do mundo”, acrescenta. Agora, a religiosa portuguesa espera que a publicação continue, sem perder a riqueza de perspetiva que ofereceu até ao momento. 

Na próxima quinta-feira, 4 de Abril, estará na rua o número 78 de Donne Chiesa Mondo, o último dos dirigidos por Lucetta Scaraffia. O futuro?…

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Cultura e artes

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco