Deputados de cinco países juntam-se para lutar contra o antissemitismo online

| 6 Out 20

cartaz antissemitismo covid-19

Um cartaz de combate ao antissemitismo, jogando com a covid-19: “Se tiver o bicho, dê um abraço; espalhe a gripe a todos os judeus.”

 

Políticos de cinco países e diferentes filiações partidárias constituíram um grupo de trabalho para combater o antissemitismo online. O grupo inclui deputados do Reino Unido, Estados Unidos da América, Israel, Austrália e Canadá, e pretende responsabilizar em particular as redes sociais pelo seu papel na luta contra os discursos de ódio, noticiou nesta segunda-feira, 5 de outubro, o Jewish News.

Twitter, Tik Tok e Facebook, além da gigante das pesquisas Google, são algumas das empresas que, de acordo com o grupo, deveriam reconhecer uma maior responsabilidade na erradicação do antissemitismo.

“Nos últimos anos, assistimos a um aumento preocupante do ódio antissemita online”, afirmou ao Jewish News o deputado conservador britânico Andrew Percy. “Essa tendência preocupante foi observada aqui no Reino Unido e em todo o mundo. É, portanto, importante que trabalhemos em conjunto com aliados em todo o mundo para enfrentar o aumento desse preconceito vil”.

A deputada israelita Michal Cotler-Wunsch acrescenta: “Ao trabalhar com aliados multipartidários em parlamentos de todo o mundo, esperamos criar melhores práticas e uma mudança real na quota de responsabilidade que os gigantes dos media sociais têm no ódio que se manifesta nas suas plataformas. É imperativo que trabalhemos juntos para expor esta regra de dois pesos, duas medidas”.

Este grupo interparlamentar, cuja ideia de criação surgiu durante o Fórum Mundial do Holocausto, realizado no início deste ano em Jerusalém, pretende divulgar pareceres regulares sobre o tema e contribuir para a definição de uma política a nível mundial de responsabilização das empresas no combate ao antissemitismo.

 

Investigação sobre Goa e catolicismo oriental distingue Ângela Xavier na Índia

Infosys premeia historiadora

Investigação sobre Goa e catolicismo oriental distingue Ângela Xavier na Índia novidade

O Prémio Infosys 2021 em Humanidades, da prestigiada fundação indiana Infosys Science Foundation, foi atribuído à historiadora portuguesa Ângela Barreto Xavier “pela sua profunda pesquisa e sofisticada análise da conversão e violência no Império Português na Índia, especialmente em Goa”. O júri destaca a contribuição significativa da galardoada para a “história social e cultural do colonialismo português”, concretizando uma voz “importante e original” no que à história colonial e imperial diz respeito.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Novo arcebispo de Braga quer “portas abertas” para todos novidade

O novo arcebispo de Braga, D. José Cordeiro, saudou a sua nova diocese manifestando a vontade de construir uma “Igreja em saída” missionária e “uma Igreja sinodal samaritana de portas abertas para todos”. O até agora bispo de Bragança-Miranda propõe as atitudes de escuta, conversão, confiança, comunhão, coragem criativa e oração como “caminhos sempre a percorrer no processo sinodal para uma Igreja de hoje”.

Dois terços dos jovens adultos católicos não vão à missa

EUA

Dois terços dos jovens adultos católicos não vão à missa novidade

Mais de um terço (36%) dos jovens adultos católicos americanos nunca frequentava a missa e quase um terço (31%) raramente o fazia, revela um inquérito realizado pelo centro de estudos CARA e divulgado esta quinta-feira, 2 de dezembro. Os dados recolhidos dizem respeito às práticas deste grupo anteriores à pandemia.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This