[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

| 21 Jul 2021

adeptos futebol foto direitos reservados

Um estudo da London School of Economics constatou que a violência em casa vai crescendo após o fim dos jogos de futebol, atingindo o ponto máximo dez horas depois. Foto: Direitos reservados.

 

Tinha o título de “Paizinho” um sintomático fado de Manuel Dias, com letra de António Fonseca, incluída num disco editado há 54 anos pela Ofir. Em oito tercetos, contava-se uma história que se julgaria banalíssima, exceptuando porventura o desfecho: “Certa noite desditosa / No meu lar abençoado / Esta cena se passou // Zanguei-me com minha esposa / E no momento irado / Bati-lhe e ela chorou. // Nesse momento por fim / Depois que tudo acabou / Entre lágrimas e ais // Alguém se abraçou a mim / E me pediu a chorar / Paizinho não batas mais! // Tive tanta piedade / Quando ouvi dizer também / Olha que se ouve na rua // Paizinho por caridade / Não batas na minha mãe / Tem pena, recorda a tua // Dor igual nunca senti / Quando vi na criancinha / Tão nobre sentir aquele // Com mil beijos prometi / Não bater mais na mãezinha / Chorando abraçado a ele.”

Lidos hoje, estes versos parecem ser apenas os ridículos vestígios de uma cultura miserável em que era comum um homem bater na mulher. A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

O diário catalão La Vanguardia noticiava na terça-feira passada que o National Centre for Domestic Violence do Reino Unido tinha vindo a alertar, durante os dias anteriores, para o risco de aumento da violência machista à medida que a Inglaterra avançava no campeonato europeu de futebol [1]. E a circunstância de a equipa inglesa ir progredindo nem era propriamente a pior notícia porque as agressões aumentam 38% quando a selecção do país perde. “Quando a Inglaterra é batida, ela também o é”, dizia um cartaz do organismo que luta contra a violência doméstica. Indicando igualmente qual o aumento percentual da brutalidade não havendo derrotas, 26%, a instituição inglesa explicava que o exacerbamento da crueldade se devia ao elevado consumo de álcool dos agressores.

La Vanguardia citava a existência de vários estudos sobre o dramático problema, tendo o mais recente sido publicado este mês de Julho por um centro de investigação da London School of Economics. Após analisar durante oito anos os dados de violência doméstica em Manchester relacionados com a disputa de jogos de futebol, o estudo constatou que a violência em casa vai crescendo após o fim do jogo, atingindo o ponto máximo dez horas depois. Como a pesquisa apurou que a hostilidade é consequência do consumo de álcool, isso significará que os bêbedos precisam de dez horas para caírem para o lado.

O jornal catalão referia ainda que uma mulher colocou no Twitter uma mensagem a oferecer alojamento a qualquer mulher da zona Este de Londres que se sentisse ameaçada. Como era limitado o espaço que ela disponibilizava, pedia que houvesse outras ofertas de um lugar seguro a quem necessitasse de escapar à fúria conjugal. A notícia dava conta das repercussões do apelo, indicando que centenas de mulheres abriram as portas de casa em Londres, Cambridge, Leeds, Manchester, por exemplo, não só para acolher as potenciais vítimas como também, sendo necessário, para as ir buscar. As ofertas de hospedagem não se circunscreviam às mães; elas incluíam, claro, também os filhos.

Pelo menos por uma noite, a solidariedade manifestava-se através de iniciativas concretas. As imagens televisivas dos vândalos enfurecidos após a derrota perante a Itália permitiram imaginar o quão úteis elas terão sido. É preciso fazer muito mais contra a violência machista, mas um gesto no momento certo pode ser também, por vezes, particularmente significativo.

 

[1] “Juega Inglaterra, te refugio en casa”. La Vanguardia, 13 Jul. 2021

 

Autonomia, protagonismo e concorrência

[Debate 7M: A Igreja e os média–7]

Autonomia, protagonismo e concorrência novidade

É evidente que nem sempre a relação entre a hierarquia católica e os jornalistas leva em consideração o papel fundamental que estes profissionais desempenham no atual contexto de desinformação em massa. Isso não invalida que se reconheça uma melhoria na forma de projetar a comunicação, com maior profissionalismo nas estruturas católicas, apesar da sistemática dispersão de recursos e ausência de sinergias significativas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo impedido de entrar na Cúria da sua diocese, na Nicarágua

Pressões para calar Igreja

Bispo impedido de entrar na Cúria da sua diocese, na Nicarágua novidade

O bispo de Matagalpa, Nicarágua, Rolando Alvarez, que se tinha refugiado numa paróquia dos arredores de Manágua, no dia 19 de maio, devido a perseguição de forças policiais e que, nos dias seguintes, foi impedido de entrar na Cúria da sua diocese, reatou já a atividade pastoral normal. O bispo conseguiu sair na última segunda-feira, 23, para a sua diocese na parte noroeste do país, mas deparou com a sede da Cúria diocesana bloqueada, pelo que foi obrigado a alojar-se no seminário local.

Os jacarandás já estão em flor

[Nas margens da filosofia – XLV]

Os jacarandás já estão em flor novidade

Nos noticiários que diariamente nos informam da guerra não vemos campos de trigo nem flores – vemos feridos, famílias destroçadas, crianças e adolescentes que viajam sozinhos. Um dos meus netos que foi à Ucrânia buscar refugiados levou-os à praia, quando chegaram a Portugal. Vou sugerir que os leve a ver os jacarandás em flor pois, como diz o poeta (que traduzo livremente), “tudo quanto é belo é uma fonte perene de alegria.”

Tríptico e eco

Tríptico e eco novidade

É nesse momento de suspensão, de silêncio, em que deixamos de procurar activamente, entrando delicadamente no espaço-sem-espaço e no tempo-atemporal, que “mergulhamos com ele até ao fundo” e nos aproximamos do clarão do farol que dissolve as trevas ao varrer a noite [não fosse este jogo de escondidas e pensaríamos nós um dia ter já um domínio total e um conhecimento perfeito daquele que nos procura] para que, pelos vislumbres da beleza da sua presença, nos sintamos chamados a ir procurando mais e sempre de modo renovado.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This