[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

| 21 Jul 21

adeptos futebol foto direitos reservados

Um estudo da London School of Economics constatou que a violência em casa vai crescendo após o fim dos jogos de futebol, atingindo o ponto máximo dez horas depois. Foto: Direitos reservados.

 

Tinha o título de “Paizinho” um sintomático fado de Manuel Dias, com letra de António Fonseca, incluída num disco editado há 54 anos pela Ofir. Em oito tercetos, contava-se uma história que se julgaria banalíssima, exceptuando porventura o desfecho: “Certa noite desditosa / No meu lar abençoado / Esta cena se passou // Zanguei-me com minha esposa / E no momento irado / Bati-lhe e ela chorou. // Nesse momento por fim / Depois que tudo acabou / Entre lágrimas e ais // Alguém se abraçou a mim / E me pediu a chorar / Paizinho não batas mais! // Tive tanta piedade / Quando ouvi dizer também / Olha que se ouve na rua // Paizinho por caridade / Não batas na minha mãe / Tem pena, recorda a tua // Dor igual nunca senti / Quando vi na criancinha / Tão nobre sentir aquele // Com mil beijos prometi / Não bater mais na mãezinha / Chorando abraçado a ele.”

Lidos hoje, estes versos parecem ser apenas os ridículos vestígios de uma cultura miserável em que era comum um homem bater na mulher. A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

O diário catalão La Vanguardia noticiava na terça-feira passada que o National Centre for Domestic Violence do Reino Unido tinha vindo a alertar, durante os dias anteriores, para o risco de aumento da violência machista à medida que a Inglaterra avançava no campeonato europeu de futebol [1]. E a circunstância de a equipa inglesa ir progredindo nem era propriamente a pior notícia porque as agressões aumentam 38% quando a selecção do país perde. “Quando a Inglaterra é batida, ela também o é”, dizia um cartaz do organismo que luta contra a violência doméstica. Indicando igualmente qual o aumento percentual da brutalidade não havendo derrotas, 26%, a instituição inglesa explicava que o exacerbamento da crueldade se devia ao elevado consumo de álcool dos agressores.

La Vanguardia citava a existência de vários estudos sobre o dramático problema, tendo o mais recente sido publicado este mês de Julho por um centro de investigação da London School of Economics. Após analisar durante oito anos os dados de violência doméstica em Manchester relacionados com a disputa de jogos de futebol, o estudo constatou que a violência em casa vai crescendo após o fim do jogo, atingindo o ponto máximo dez horas depois. Como a pesquisa apurou que a hostilidade é consequência do consumo de álcool, isso significará que os bêbedos precisam de dez horas para caírem para o lado.

O jornal catalão referia ainda que uma mulher colocou no Twitter uma mensagem a oferecer alojamento a qualquer mulher da zona Este de Londres que se sentisse ameaçada. Como era limitado o espaço que ela disponibilizava, pedia que houvesse outras ofertas de um lugar seguro a quem necessitasse de escapar à fúria conjugal. A notícia dava conta das repercussões do apelo, indicando que centenas de mulheres abriram as portas de casa em Londres, Cambridge, Leeds, Manchester, por exemplo, não só para acolher as potenciais vítimas como também, sendo necessário, para as ir buscar. As ofertas de hospedagem não se circunscreviam às mães; elas incluíam, claro, também os filhos.

Pelo menos por uma noite, a solidariedade manifestava-se através de iniciativas concretas. As imagens televisivas dos vândalos enfurecidos após a derrota perante a Itália permitiram imaginar o quão úteis elas terão sido. É preciso fazer muito mais contra a violência machista, mas um gesto no momento certo pode ser também, por vezes, particularmente significativo.

 

[1] “Juega Inglaterra, te refugio en casa”. La Vanguardia, 13 Jul. 2021

 

Facebook está a apostar na evangelização

Líderes evangélicos nos EUA já trabalham com a multinacional

Facebook está a apostar na evangelização novidade

A rede social Facebook está a entrar na área da evangelização. Nos Estados Unidos da América, os pastores evangélicos estão a apostar nas redes sociais como forma de expandir o seu ministério, e exemplo disso é o pastor Sam Collier, que revelou, em entrevista, que meses antes de a mega-igreja Hillsong abrir seu novo posto avançado em Atlanta, procurou conselhos sobre como construir uma igreja em uma pandemia. Do Facebook.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

“Mãe, pai, tirei um 20!”

[Segunda leitura]

“Mãe, pai, tirei um 20!”

Há um colégio no Porto que é barra no ensino da Educação Física. Sabia-se já há tempos e recordou-se por estes dias, pelas notícias. Há dois anos, nenhum dos alunos do 10º ano desse colégio teve menos de 18 valores a Educação Física. Grandes ginastas… Mas ainda os houve mais grandes, por assim dizer: metade desses alunos concluiu a disciplina com nada menos que 20 valores

Breves

Responsável também pelas obras no Mar da Palha

José Sá Fernandes preside a Grupo de acompanhamento da JMJ 2023 novidade

O governo português anunciou a criação de um Grupo de Projeto com vista a acompanhar e agilizar todas as questões relacionadas com o “acompanhamento, em termos operacionais, dos trabalhos de preparação deste evento”. “Considerando a diversidade, a complexidade, a natureza e a dimensão das ações a desenvolver no âmbito da preparação da JMJ 2023, o Governo, através Resolução do Conselho de Ministros n.º 45/2021, criou um Grupo de Projeto para assegurar o acompanhamento”, pode ler-se no comunicado de imprensa a que o 7Margens teve acesso.

Cidadãos vítimas de spyware

Amnistia exige resposta do governo húngaro ao escândalo Pegasus

Uma investigação publicada esta terça-feira, 20 de julho, pelo Direkt36 (órgão de comunicação húngaro sem fins lucrativos) revelou que os telefones de mais de 300 cidadãos daquele país foram identificados como possíveis alvos do software de vigilância Pegasus, comercializado pela empresa israelita NSO Group. Peritos da Amnistia Internacional (AI) confirmaram que, em inúmeros casos, este software tinha, de facto, sido instalado, e a organização exige agora uma reação da parte das autoridades húngaras.

Mulheres na mudança

Duas leigas espanholas nomeadas para comissões do Sínodo

Duas leigas espanholas foram nomeadas para participarem nos trabalhos preparatórios do Sínodo dos Bispos de 2023: Carmen Peña García, professora de direito canónico, vai integrar a comissão de teologia e Cristina Inogés, formada em teologia pela Faculdade de Teologia Protestante de Madrid, fará parte da comissão de metodologia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

É notícia

Sínodo dos Bispos 2023

Quem é quem nas comissões preparatórias novidade

Estão constituídas as três comissões preparatórias do Sínodo dos Bispos católicos de 2023, cujo início será já no próximo mês de outubro, em todas as dioceses do mundo. As pessoas escolhidas indiciam a vontade de mudança introduzida pelo Papa Francisco, conforme o 7MARGENS explica noutro texto. Fica a seguir a lista completa.

Especulação imobiliária

Docas de Liverpool já não são património da humanidade

As docas vitorianas de Liverpool nas margens do rio Mersey perderam nesta quarta-feira, 21 de julho, o estatuto de Património da Humanidade por causa da especulação imobiliária que levou à construção de novos edifícios, os quais causaram “perdas irreversíveis” que destruíram o “valor universal excecional” das antigas docas.

Entre margens

Jesus Cristo tinha uma agenda liberal? novidade

Dizer apenas que todas as vidas são importantes é uma tirada lapalissiana. É óbvio que sim, mas o problema é que nem todas as vidas estão em risco devido a fenómenos sociais como o racismo, a xenofobia, a violência sobre mulheres e crianças, o abuso sexual e o tráfico de pessoas, já para não falar nesta economia que mata, no dizer do Papa Francisco.

Mulheres, aptas para o ministério sacerdotal

No ano de 2020, na Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana), das 591 pessoas recomendadas para a formação ao ministério ordenado e assumirem funções ministeriais a tempo inteiro, a maioria dos candidatos são do género feminino.

Como regressar à vida?

Num recente inquérito à opinião pública, as pessoas consideram que as medidas contra a Covid-19 foram positivas, mas queixam-se que a democracia se viu limitada. É um julgamento natural. Importa, porém, compreender que fomos surpreendidos por uma enfermidade que continuamos a desconhecer.

Cultura e artes

Lançamento

Um livro para entender o imaginário católico de Sting

Evyatar Marienberg, historiador da religião na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, escreveu um livro sobre a imaginação católica de Sting e de como ela alimentou a sua criatividade. Antes de ser quem é na cena do rock internacional como o principal compositor e vocalista do Police, Sting (nascido Gordon Sumner em 1951) cresceu na cidade de Wallsend, Inglaterra, e frequentou escolas católicas. Recebeu o Crisma aos 14 anos e casou-se com sua primeira esposa na Igreja Católica aos 25 anos.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This