“Des-samaritanização”, em processo dialético?

| 8 Mai 2021

Máscara, Pandemia, Voluntariado, Solidariedade, Braga, Catarina Soares Barbosa

 “Os grupos paroquiais  de ação social ainda são tratados como “assistencialistas” e não promotores de desenvolvimento social”. Foto:  associação Virar a Página, em Braga. © Catarina Soares Barbosa.

 

No artigo publicado em 21 de janeiro, sobre “re-samaritanização”, foi assinalado que a encíclica Fratelli Tutti defende a “re-samaritanização” da ação-intervenção social, com dois objetivos: assumir que o exemplo do “bom samaritano” (cf. Lc 10, 25-37) é intemporal (nºs. 67-68 da encíclica); e afirmar que ele não se limita às relações interpessoais, mas também se aplica à ação-intervenção estrutural (nºs. 186-189, 67, 71, 75, 77-78, 165, 180, 182-183 e 193-197). Dir-se-á que a ajuda direta do Samaritano ocorre nessas relações, e que o recurso ao estalajadeiro simboliza a esfera estrutural: sejam empresas, instituições particulares ou o próprio Estado, com os seus órgãos próprios e inúmeras organizações, bem como a própria ordem internacional.

O alerta de Francisco para três patamares de ação – interpessoal, institucional e estatal –  justifica-se plenamente, atendendo à evolução ocorrida a  partir, pelo menos, da Idade Média. De facto, no seio da Igreja, foram criadas inúmeras instituições de ação social e quase se fixaram duas imagens bastante discutíveis sobre a missão dela própria no domínio social: a primeira imagem consistiu na substituição da relevância do Samaritano pela do estalajadeiro; a segunda, porventura mais grave, consistiu na visão da Igreja como instância de respostas sociais e não tanto como entidade inserida na humanidade fragilizada, cooperando, com ela e com cada pessoa, na procura das soluções possíveis para os seus males e influenciando os centros de decisão política ou de outra natureza.

O posicionamento da Igreja, no lado da oferta de serviços e não tanto da procura, dificultou-lhe a aceitação do Estado social que, até certo ponto, foi considerado seu competidor; ao mesmo tempo, deu origem a que fosse descurado o desenvolvimento e a qualificação dos grupos paroquiais de ação social, em contraste com a importância atribuída aos centros sociais paroquiais, às santas casas da misericórdia e a outras instituições.

Provavelmente, o número daqueles grupos, com o mínimo de organização, qualificação e enquadramento, é inferior ao de instituições eclesiais de ação social; mas, enquanto eles se constituem e funcionam quase sem encargos financeiros, as instituições requerem vultosos recursos. O menosprezo dos grupos, face às instituições, não fica por aqui: eles ainda são tratados como “assistencialistas” e não promotores de desenvolvimento social; quase são condenados à dispensabilidade por se dedicaram aos casos e problemas sociais não resolvidos pelas instituições, eclesiais ou outras, nem pelo Estado central, regional e autárquico nem pela sócioeconomia no seu todo.

Sabemos que esta evolução factual, em desfavor dos grupos de ação social, não resultou de opções doutrinárias, mas da própria inércia histórica. Por isso, uma das grandes orientações estratégicas, para a ação-intervenção social cristã no futuro, deveria consistir na assunção consequente dos três patamares de ação atrás referidos: o básico, próprio das relações interpessoais, onde atuam os grupos paroquiais e as conferências vicentinas; o intermédio, próprio das instituições; e o estatal, próprio dos diferentes órgãos e organizações de natureza estatal.

Há que assumir os três patamares, em pé de igualdade, visando sempre os três objetivos da missão da Igreja no domínio social: o cuidado direto e permanente às pessoas necessitadas; as respostas necessárias e possíveis através das instituições particulares – “corpos intermédios”; e a intervenção nas estruturas políticas ou de outra natureza (cf.: Bento XVI, Deus Caritas Est, 2005, nº. 29; Conferência Episcopal Portuguesa, Instrução Pastoral A Ação Social da Igreja, 1997, nºs. 1, 6, 11-13, 24 e 30; e Pastoral Social – Que Objetivos? – Textos da II Semana Nacional de Pastoral Social (Fátima – 1984).

 

Acácio Catarino é consultor social

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This