Desafia-te a viver positiva(mente)!

| 12 Jul 20

Perscrutar, propor, potenciar são verbos que sintetizam muito do trabalho pedagógico que sou chamada a realizar através da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC). É na atenção aos pequenos detalhes que, na maioria das vezes, se revelam grandes interpelações e questões tão profundas capazes de transformar toda uma vida. Foi numa destas aulas, aparentemente (in)comum, que uma aluna do secundário revelava a sua inquietação e busca, com esta interrogação para a qual ansiava uma resposta: “No meio de tudo o que estamos a passar, onde encontrar força, coragem e entusiasmo para continuar a acreditar que é possível ficarmos bem?”. Foi precisamente este o mote que originou a proposta de promover um encontro à volta do tema “desafios para viver positivamente”. A orientação deste encontro esteve a cargo da psicóloga Helena Marujo, que procurou ancorar a sua abordagem em quatro aspetos-chave potenciadores do viver positivo: o olhar sobre a pessoa, a experiência significada, a dinâmica da relação e a ação transformadora.

Não podendo, neste texto, dar conta de toda a riqueza e grandeza dos desafios ali colocados, gostaria de sublinhar alguns aspetos que constituem verdadeiros reptos pedagógicos e ilustrar com alguns testemunhos que fazem eco disso mesmo.

Partiu-se de um conjunto de questões/ preocupações que constituem, se assim podemos designar, o “lugar comum” da própria experiência quotidiana marcada pela pandemia: Quão frágeis ou quão fortes podemos sair desta experiência de confinamento? Como transformamos fatores de adversidade em forças de crescimento pessoal? O que nos leva a pensar e a agir para que tudo fique bem?

A partir daí, o encontro foi dando ênfase às inúmeras possibilidades que estão ao nosso alcance, num olhar que ajude a viver as próprias contrariedades de uma forma diferente e a cimentar, a partir delas, uma visão resiliente e criativa do presente.

Cientes de que estamos a viver tempos difíceis e sem menosprezar a consciência da fragilidade e da relatividade da experiência humana, importa arriscar formas de ser mais radicais e compreender que a forma como olhamos para a realidade tem algo de pessoal e, portanto, de decisão própria.

Assim, viver positivamente deverá impulsionar-nos a transcender essa visão ontológica do ser humano que tende a acentuar mais aquilo que é negativo ou que não funciona, procurando antes focar o olhar naquilo que cada circunstância oferece como aprendizagem, caminho necessário à mudança e ao crescimento, assim como naquilo que no mundo e no ser humano há de melhor.

Por isso, este convite a viver positivamente lembra-nos que precisamos de lidar com a ambiguidade da experiência humana que atesta que, na mesma realidade, podemos ver coisas positivas e coisas negativas, desenvolvendo o treino de emoções positivas, a capacidade de ser espelho do que está certo, de ver o que funciona, de dar espaço às virtudes e de exercitar a vida espiritual.

Estaremos também mais preparados para viver mais positivamente se nos posicionarmos de forma diferente perante o mundo e os bens materiais e percebermos verdadeiramente a importância dos bens relacionais. Perante o repto de não dissociar o bem de cada pessoa do bem coletivo (repto lançado repetidas vezes durante o confinamento), torna-se crucial repensar a felicidade pública, assente num desenvolvimento económico capaz de se conciliar com uma sociedade promotora de virtudes e de bens relacionais, compreendendo progressivamente que a felicidade é um bem comum e não um bem individual (eu estarei melhor se todos à minha volta estiverem bem!). Ao dedicar atenção ao que funciona e ao que há de bom, tornamo-nos amplificadores do bom e do belo e facilitadores da transformação. O maior desafio educativo de hoje é combater os elevados níveis de indiferença, desconfiança, ceticismo e consumismo, libertando as pessoas dos seus múltiplos “confinamentos” (em vidas nas quais não existe prazer ou orgulho no que se faz), para que passem a apreciar e a ver algo de virtuoso em si, nos outros, no seu quotidiano.

A interioridade, a gratidão e a simplicidade foram algumas das âncoras sugeridas pela Dr.ª Helena Marujo, para levar a cabo uma verdadeira ação transformadora, que passe por:

  1. Cultivar a gratidão e os bens relacionais (recíprocos, gratuitos e fraternos);
  2. compreender que a história humana é cíclica e que, na maioria das vezes, saímos melhor e mais preparados das situações de crise;
  3. o positivo gera felicidade, cultivando os 3 B (bem, bom, belo);
  4. a visão positiva requer treino e uma linguagem que alimente a possibilidade;
  5. aquilo a que damos atenção cresce;
  6. é muito importante que se criem espaços onde as pessoas continuem a sentir-se bem (alimentar as emoções positivas);
  7. buscar construir ambientes educativos que mostrem que a vida vale a pena ser vivida; para tal temos de educar a sensibilidade para depois ter a visibilidade (se eu não me deixar emocionar com o belo ou com o bom, não consigo vê-lo);
  8. A felicidade não é isenta de contrariedades;
  9. as coisas aparentemente mais simples e insignificantes da nossa vida têm um potencial enorme de transformação;
  10. viver positivamente é abraçar esta tarefa de, diariamente, despertar a capacidade de criar horizontes de esperança.

A pertinência dos testemunhos relatados pelos jovens que participaram no encontro conferem razão de ser aos três verbos enunciados no início deste artigo, numa missão que pretende servir, humanizar e contribuir para ajudar a viver positivamente!

 

Dina Pinto é professora de Educação Moral e Religiosa Católica no Agrupamento de Escolas Abade de Baçal, de Bragança.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Líderes religiosos pedem fim dos crimes contra os uigures na China

Os cardeais de Myanmar e da Indonésia, os principais rabis do Reino Unido, o representante do Dalai Lama na Europa e diversos líderes muçulmanos estão entre os 76 signatários de uma carta divulgada este domingo, 9 de agosto, a pedir o fim de “uma das mais egrégias tragédias humanas desde o Holocausto: o potencial genocídio dos Uigures e outros muçulmanos na China”, divulga o semanário católico britânico “The Tablet”.

Assassinado reitor do Seminário Romero, em El Salvador

O padre Ricardo Cortez, reitor do Seminário Santo Óscar Arnulfo Romero e pároco da povoação de San Francisco Chinamequita, em El Salvador, foi assassinado na passada sexta-feira, 7 de agosto. A diocese de Zacatelouca, à qual pertencia, emitiu um comunicado onde pede a investigação do crime, que considera “inexplicável” e “execrável”, avança o Vatican News.

Primeira tradução ecuménica da Bíblia editada no Brasil

Uma ampla equipa de biblistas, exegetas e estudiosos de diversas confissões cristãs e do judaísmo esteve envolvida no projeto inédito de tradução ecuménica da Bíblia para a língua portuguesa, que chega agora às livrarias brasileiras através das Edições Loyola.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Navio de resgate apoiado pela Igreja Protestante prestes a partir para o Mediterrâneo

Navio de resgate apoiado pela Igreja Protestante prestes a partir para o Mediterrâneo

Chegaram esta terça-feira, 11 de agosto, ao navio de resgate de migrantes Sea Watch 4 os últimos membros da tripulação. Os treinos e exercícios já começaram, e ainda esta semana será dada a partida do porto de Burriana (Valencia, Espanha) para o centro do Mediterrâneo, numa missão tornada possível devido à iniciativa da Igreja Protestante Alemã e ao apoio de mais de 500 organizações que participaram na campanha de recolha de fundos (crowdfunding) #WirSchickenEinSchiff (“Nós enviamos um navio”).

É notícia

Entre margens

Plano de recuperação… Também social? novidade

Deste modo, corre-se o risco de persistir a subalternidade dos problemas e dinamismos sociais perante a força da economia. Talvez se atenuasse, ou infletisse, a subalternidade se fosse cumprida a Constituição da República no articulado relativo aos planos de desenvolvimento económico e social (artºs. 90º.-91º.); e, melhor ainda, se fosse promovido o desenvolvimento local, a partir da freguesia e do protagonismo de cada pessoa e instituição.

Esta crise das lideranças é dramática

Mesmo na velha Europa o que vemos são indivíduos muito pequeninos, em dívida para com a ética política, a moral pessoal e desprovidos de sentido de estado. A corrupção ronda estas figuras e contam-se pelos dedos das mãos as que conseguem manter uma postura decente. Temos ainda os grupos extremistas de direita e de esquerda que ameaçam os regimes democráticos, os quais por sua vez se vão deixando colapsar aos poucos por dentro.

Que filosofia pretendemos ensinar aos adolescentes?

Ensinar filosofia implica necessariamente filosofar, ou seja, não nos podemos limitar a transmitir, reconstituir e explicar o pensamento dos filósofos. Depois de um primeiro passo que é compreender as teorias e os problemas, interessa apropriarmo-nos deles, ou seja, trazê-los para a nossa vida, examinando-os, questionando-os ou deles nos demarcando com opiniões fundamentadas.

Cultura e artes

A carne, a história e a vida: uma viagem fascinante

A tradição espiritual cristã, radicada na Boa-notícia gerada pelo Novo Testamento, permanece ainda um continente a explorar para muitos dos discípulos de Jesus. A expressão mística contém uma carga associada que não ajuda a visitar o seu espaço: associamo-la a uma elite privilegiada, a fenómenos extraordinários, a vidas desligadas dos ritmos e horários modernos.

Manuel Cargaleiro oferece painel de azulejos a paróquia de Lisboa

Foi como “escrever uma oração” ou fazer “o ramo mais bonito para Deus”. Assim definiu o pintor e ceramista Manuel Cargaleiro o seu mais recente trabalho: um painel de azulejos, que ofereceu à Paróquia de São Tomás de Aquino, em Lisboa. A cerimónia de inauguração e bênção decorreu esta segunda-feira e contou com a presença do autor, avança o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Sopas do Espírito Santo dão a volta ao mundo em novos selos de correio

Um “teatro”, um bodo e uma coroa para a circulação de âmbito nacional; foliões, um “balho” e uma pomba para a Europa; e uma bênção do bodo, as sopas e uma rosquilha de massa sovada para o resto do mundo. O culto do Paráclito, ou seja, “aquele que ajuda, conforta, anima, protege, intercede” está desde a última quinta-feira, 30 de Julho, representado numa emissão filatélica dos Correios de Portugal, dedicada às festas do “Senhor Espírito Santo”, como é habitualmente designada nos Açores a terceira pessoa da Santíssima Trindade cristã.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco