Descatolização do Brasil

| 1 Fev 21

Jair Bolsonaro (aqui, numa fotografia de 24 de Abril de 2019): “O Presidente afirmou que às Forças Armadas cabe a escolha entre ditadura e democracia. Como nos situamos?” Foto: Isac Nóbrega/PR/Wikimedia Commons.

 

No final dos anos 70 no Brasil que conheci, os evangélicos eram designados crentes. As chamadas Assembleias de Deus, maioritariamente batistas, tinham altifalantes alastrando cânticos pelos subúrbios das grandes cidades ou pelos destinos da moda, em temporadas de verões, festas, feriados.

Em São Paulo, lembro-me de ouvir conversas mundanas sobre empregadas domésticas. As crentes eram as preferidas como internas para servir em casas de família, de carteira de trabalho assinada. Usavam cabelo comprido preso na cabeça, não fumavam, não bebiam, não pintavam as unhas, usavam saias e não calças. Não ouviam programa de rádio nem viam programas de auditório na tv. Não deixavam entrar homem no quarto dos fundos, raramente namoravam. Saíam para o culto na igreja e pouco mais.

Quando nele fui iniciada, todo esse universo foi para mim conhecimento, estranheza, espanto. Na distância que nos separa, o contexto de brasilidade era extraordinário, tão diferente daquele, católico, em que por cultura e tradição fui formada.

A situação atual da Igreja Católica no Brasil dá que pensar, quando revisitamos a memória dos padres Nóbrega e Anchieta, em percurso de catequização. Ou se retomarmos a figura do Padre António Vieira, como se não tivesse deixado palavra e obra, marca e traço, doutrina universal. Situação a pensar mais ainda agora, a propósito das notícias constantes, com a incidência da investigação científica, o enunciado de falhas no cenário de catástrofe em Manaus e Roraima. A cultura de morte, a criminosa omissão do governo federal, o apelo de socorro pelo amor de Deus, na angústia dos bispos da Amazónia e dos Estados do Norte.

Descatolização é hoje palavra expressiva na inteligência brasileira, quando se fala de vivência religiosa e ou experiência de espiritualidade, em identidade reconhecida de invocação ao sagrado, ao mistério, aos desígnios de Deus. No povo flagelado por desigualdades, excessos, agressões, acidentes, a fronteira entre vida e morte é invisível, a morte matada ou a morte morrida de João Cabral de Melo Neto e Guimarães Rosa acontecem, sem cuidado, motivo ou previsão. Desencadeados pela exuberância da própria natureza, os destinos de cada um e cada qual não se anunciam por lógica ou razão.

A que atualidade assistimos no plano estratégico, social, político, se tentarmos seguir o curso dos interesses, dos poderes, das influências? Nas peripécias da crise, é raro o dia em que não haja surpreendente espetáculo. Uma frase. Uma atitude. Um desconcerto. Uma grosseria. Uma afronta. Uma ameaça. Como essa, recente, em que o Presidente Bolsonaro afirmou que às Forças Armadas cabe a escolha entre ditadura e democracia. Como nos situamos?

As transformações de vivência religiosa naquele em que 95% da população consagrava o Brasil como maior país católico do mundo são bom tema de atenção para a velocidade dos acontecimentos. Hoje, as religiões evangélicas ampliam-se nas favelas e municípios metropolitanos. Crescem as igrejas nos subúrbios, onde os moradores, retirantes, migrantes não têm acesso a paróquias, onde a Igreja Católica é formal, demorada, distante.

Já em 2009, uma investigação da Fundação Getúlio Vargas observava a perda da Igreja Católica para igrejas pentecostais nas periferias das grandes cidades. Em 2018, segundo avaliação da Datafolha, numa população de 210 milhões, o Brasil tinha 56% de católicos, 30% de evangélicos 7% sem religião, 7% de praticantes de outras confissões. De acordo com resultados atuais do IDP, Instituto Data Popular, nos Estados do Sul, só 44% de jovens de 16 a 24 anos se dizem católicos. Admite-se a quase certeza de que em 2040 a população evangélica no Brasil seja de mais de 90 milhões de fiéis.

Ainda, a concretizar a expressão poderosa de apoio político para eleição do Presidente Jair Bolsonaro, texto do Jornal do Commercio registou o número triplicado de assentos com voz na bancada evangélica, 38% dos 513 deputados do Congresso Nacional, apostados em situações de poder, cargos, prestígio, mordomia, privilégios. Estes e também outros, senadores e deputados fiéis de igrejas evangélicas não integrados na bancada, têm influência e força crescente. Defendem os valores mais conservadores de família, recusam propostas de lei para direitos de minorias, mulheres, indígenas, negros, manifestam-se contra todos os possíveis temas de comportamento e sexualidade.

Quando em sequência do Sínodo da Amazónia, foi pelo Papa Francisco adiada a solução para a ordenação de homens casados, mais evidente se tornou a falta de padres, com o aumento crescente das igrejas evangélicas nos Estados do Norte. Entretanto, 56% dos católicos brasileiros dizem-se contra o celibato, 78% a favor da ordenação das mulheres. E, bem explícito no sinal dos tempos, 64% querem que a religião seja assunto excluído da política do Governo.

Criada em 1952, quando o Governo de Getúlio Vargas considerou a Igreja Católica uma mais valia para a cultura brasileira, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) envolveu-se nas grandes questões sociais próprias da época. Depois de 1964, passou por conflitos acesos com a ditadura militar. Em 1968, ano de maior repressão política, alinhou maioritariamente com a Teologia da Libertação, atuando em comunidades eclesiais de base, pela justiça social.

Nos anos 80, censurada pela Santa Sé, a Teologia da Libertação foi sendo sucedida pelos movimentos de Renovação Carismática, menos politizados, mais centrados nos dons do Espírito Santo, incorporando expressões das igrejas pentecostais. Criando personalidades como os padres Marcelo Rossi ou Fábio de Melo, capazes de mobilizar centenas de milhares de fiéis em estádios e espaços abertos de celebrações. Com 300 membros efetivos, a CNBB divide-se entre os bispos tradicionalistas, que admitem a missa em latim e aqueles que contestam fraturas sociais, crescentes na sociedade brasileira.

Importante para a expressão religiosa no plano político, foi a mais atual notícia do movimento explícito de líderes evangélicos, batistas, luteranos, anglicanos e também católicos, que se uniram em favor da destituição, impeachment, do Presidente Jair Bolsonaro, pela sua responsabilidade criminosa, em face da pandemia de covid-19 no país. Vamos esperar a evolução dos acontecimentos. Constantes acontecimentos, na vertiginosa corrida do tempo brasileiro.

 

Leonor Xavier é escritora e jornalista e integra o movimento Nós Somos Igreja – PortugalLaranjeiras em Atenas é o seu último livro.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Socorrer urgentemente Cabo Delgado

Os Dias da Semana – Socorrer urgentemente Cabo Delgado novidade

Moçambique tem um amplo destaque na primeira página da edição de hoje e de amanhã do diário francês Le Monde, por causa dos ataques mortais de jihadistas à cidade de Palma e da instabilidade na província de Cabo Delgado, qualificada como “antigo canto do paraíso”. No interior, as páginas 16, 17 e 18 são integralmente dedicadas ao que se passa na região entalada entre “as ambições da indústria do gás e a pressão jihadista”.

Breves

Vida para lá da Terra? Respondem teólogos e astrónomos novidade

Ciência e Espiritualidade é o mote para um encontro organizado pela Faculdade de Teologia e pelo Departamento de Astronomia da Universidade de Genebra (Suíça). “O homem e o céu: do universo mítico ao universo científico” é o tema que procurará responder a perguntas como: O que é o universo? Vida, aqui e além? De onde vimos? Para que fim?

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

A viagem do vestido de casamento novidade

O cerne da questão das cerimónias de casamento, na minha sociedade, é o vestido de noiva. A existência do vestido de noiva é antecedida pelo anúncio do casamento, que traz felicidade a alguns familiares, tanto da noiva, quanto do noivo. Digo alguns, porque um casamento, para além da graça que carrega, reúne em torno de si muita agrura. Casar e ter filhos ainda é das coisas mais importantes na minha sociedade. Existe muito pouco deleite acima disso.

Dois quadros de Caravaggio

Há dois episódios que recentemente recordámos na liturgia que continuam a deixar-nos cheios de perplexidade. Falo da tripla negação de Pedro e da incredulidade de Tomé. Afinal, somos nós mesmos que ali estamos representados, por muito que isso nos choque. E o certo é que, para que não haja dúvidas, as palavras que pontuam tais acontecimentos são claríssimas. Pedro recusa terminantemente a tentação, quando Jesus lhe anuncia que ele O vai renegar. E nós sentimo-nos aí retratados.

Europa: um Pacto Ecológico para inglês ver?

“O Pacto Ecológico Europeu é … uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos.” (Pacto Ecológico)

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This