Iniciativa JMJ em todo o país

Desemprego, habitação, guerra e abusos evocados nas estações da Via-Sacra dos jovens

| 25 Fev 2023

Mais de cinco mil pessoas marcaram presença no Parque Eduardo VII. Foto © Elsa Vitorino | JMJ Lisboa 2023

Mais de cinco mil pessoas marcaram presença no Parque Eduardo VII. Foto © Elsa Vitorino | JMJ Lisboa 2023

 

O cardeal-patriarca de Lisboa presidiu esta sexta-feira à celebração da Via-Sacra no Parque Eduardo VII, local onde milhares de jovens estiveram com o Papa João Paulo II e onde vão estar, no próximo mês de agosto, com o Papa Francisco.

D. Manuel Clemente recordou a “imensidão” que enchia o parque central da cidade de Lisboa, na celebração com o Papa João Paulo II, em 1982, apontando para a juventude de todo o mundo que vai estar entre os dias 1 e 6 de agosto, numa noite em que as “cruzes” da atualidade foram evocadas nas estações da Via-Sacra, em torno da cruz de Cristo.

“Esta noite foi uma celebração da vida, da vida que cada um de nós ganha juntando a sua cruz à cruz de Jesus e levando connosco a cruzes dos outros com a cruz de Jesus”, afirmou o cardeal-patriarca de Lisboa na mensagem que dirigiu aos participantes na Via-Sacra, registada pela rádio Amparo.

D. Manuel Clemente referiu-se às “cruzes de guerras que nunca mais acabam”, de “abusos de todo o género sobre os mais frágeis”, de “gente que vive sem habitação nem sítio onde se recolher nestas noites frias de inverno” e de quem “que não tem o suficiente para comer, que não tem trabalho para levar uma vida digna”.

“Cruzes de gente que sai da sua a terra à procura de uma terra que nunca mais chega; cruzes de gente que vive só, e nesta cidade de Lisboa há muita gente a viver só e na sua solidão, sem razões para existir quase; cruzes de doenças que nunca mais acabam; mais aquelas cruzes que levamos no nosso coração e que só nós sabemos”, lembrou D. Manuel Clemente.

O cardeal-patriarca lembrou a “aproximação cada vez maior” à realização da JMJ Lisboa 2023, quando jovens do mundo inteiro estarão em Lisboa “atraídos pela grande cruz” de Jesus Cristo.

Iniciativa repetiu-se em quase todas as dioceses portuguesas. Foto © Elsa Vitorino | JMJ Lisboa 2023

Iniciativa repetiu-se em quase todas as dioceses portuguesas. Foto © Elsa Vitorino | JMJ Lisboa 2023

 

Em declarações à Agência ECCLESIA, o responsável pelo Serviço da Juventude do Patriarcado de Lisboa referiu-se à Via-Sacra celebrada em todas as dioceses como um “marco importante no caminho de preparação para a JMJ”, a pouco mais de cinco meses da jornada. “Foi bonito ver os jovens unidos, a Igreja de Lisboa unida, as várias pastorais – universitária, vocacional, familiar, catequese – e foi bonito ver a Igreja de Lisboa reunida para rezar junto da cruz com o seu bispo, com a JMJ no horizonte”, afirmou João Clemente.

O responsável pelo Comité Organizador Diocesano (COD) da JMJ, em Lisboa, disse que “todas as meditações foram ao encontro dos jovens” e os “textos foram pensados, foram rezados por jovens, em conjunto várias congregações e movimentos juvenis, que ajudaram na vivência da celebração”.

“Durante as estações foram lembrados muitos jovens perseguidos por guerras, por falta de bens, por não terem acesso à habitação, pelo desemprego, por terem de emigrar das suas terras, tocou-se a questão de todos os jovens, todas as crianças que foram feridas na sua intimidade… Colocamos junto desta cruz o que são as cruzes de tantos jovens”, lembrou João Clemente.

De acordo com o COD de Lisboa, mais de cinco mil participantes percorreram as estações da Via-Sacra no Parque Eduardo VII, local onde estará o Papa para viver, com os jovens de todo o mundo, a mesma celebração, no dia 4 de agosto de 2023.

Por proposta do Comité Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, as dioceses de todo o país uniram-se na celebração da Via-Sacra, na primeira sexta-feira do tempo da Quaresma, como forma de preparação do encontro de jovens de todo o mundo com o Papa, no próximo mês de agosto.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This