Relatório 2021 da Amnistia Internacional

Desigualdade durante a pandemia é “uma das maiores traições dos nossos tempos”

| 28 Mar 2022

vacina covid 19 foto pexels

A pandemia agravou o fosso ente os países mais ricos e mais pobres. Foto © Pexels

 

A Amnistia Internacional (AI) publicou na noite desta segunda-feira, 28, o seu relatório anual, acusando os países mais ricos de não protegerem a igualdade entre países durante a crise pandémica. A forma como os países geriram a distribuição de vacinas, diz a organização, foi uma “forma de acumularem poder e lucro”.

O “Relatório Amnistia Internacional 2021/22: O Estado dos Direitos Humanos no Mundo” conclui que estes Estados, em conjunto com as grandes empresas, “aprofundaram a desigualdade global”. O relatório detalha as causas fundamentais, como a “ganância corporativa prejudicial e o egoísmo nacional abusivo, bem como a negligência da saúde e das infraestruturas públicas por parte dos governos de todo o mundo”. “O ano de 2021 deveria ter sido de cura e recuperação. Em vez disso, tornou-se terreno fértil para desigualdades mais profundas e maior instabilidade, um legado cáustico para os próximos anos”, afirmou Agnès Callamard, secretária-geral da AI.

Esta responsável defendeu que “líder após líder prometeu ‘reconstruir melhor’ para fazer face às desigualdades enraizadas que agravaram o impacto da pandemia. Em vez disso, desempenharam uma trágica fábula de traição e ganância, num secreto plano conjunto com grandes empresas. Enquanto o mundo inteiro foi afetado, foram as comunidades mais marginalizadas, incluindo as da linha da frente da pobreza endémica, que suportaram o peso das consequências”.

O relatório denuncia ainda os “lucros assombrosos” da Pfizer, BioNTech e Moderna, de “até 54 mil milhões de euros”, tendo apenas fornecido “menos de 2% das suas vacinas a países de baixo rendimento”.

Quem também não escapa às críticas são as empresas de redes sociais, que “proporcionaram espaço para a desinformação sobre a covid-19, permitindo o crescimento da hesitação das pessoas em vacinar-se. Alguns líderes políticos também disseminaram informação falsa, alimentando a desconfiança e o medo para seu próprio ganho político”, pode ler-se no comunicado que sintetiza o relatório, enviado ao 7MARGENS.

 

Conflitos mundiais e condicionamento da liberdade de expressão

Mas não é só de pandemia que fala o relatório. No que diz respeito aos conflitos mundiais, a AI traça um retrato de “danos colaterais, milhões de deslocados, milhares de mortos, centenas sujeitos a violência sexual, e os sistemas de saúde e económicos já frágeis foram levados ao limite”.

Perante isto, acusa a organização de defesa dos direitos humanos, “esta inércia vergonhosa, a paralisia continuada de órgãos multilaterais e a ausência de responsabilização de Estados poderosos, ajudaram a abrir o caminho para a invasão da Ucrânia pela Rússia, que tem violado, de forma flagrante, o Direito Internacional”. “Muito poucos casos geraram a necessária resposta internacional; muito poucos viram a justiça e a responsabilização ser providenciadas. Em vez disso, os conflitos expandiram-se. Prolongando-se no tempo, os seus impactos agravaram-se. Os números e a diversidade de partes intervenientes aumentaram. Abriram-se novos cenários de conflito. Foram testadas novas armas. Aumentou o número de pessoas mortas e feridas. A vida foi desvalorizada. A estabilidade global foi levada ao limite”, explica Agnès Callamard.

Sobre a liberdade de expressão, o relatório dá nota de que “a tendência global para silenciar vozes críticas e independentes ganhou fôlego em 2021”. “Defensores de direitos humanos, ONG, meios de comunicação social e líderes da oposição foram alvos de detenções ilegítimas, tortura e desaparecimento forçado, muitos deles sob a cortina de fumo da pandemia”, afirma o relatório, que mostra que, “em 2021, pelo menos 67 países introduziram novas leis para restringir a liberdade de expressão, de associação ou de reunião”.

 

E Portugal?

O relatório traça um retrato global de cada país, e Portugal está também na lista, com destaque para a polémica que envolveu as autoridades municipais de Lisboa, lideradas por Fernando Medina, que enviaram dados pessoais de manifestantes que haviam protestado contra a Rússia à frente da sua embaixada.

Além disso, a AI refere medidas como a “nova lei que reforça a proteção das crianças que assistem ou são expostas à violência doméstica” e a condenação de três inspetores do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras por “ofensa à integridade física grave qualificada, agravada por ter resultado na morte de um cidadão ucraniano sob custódia do SEF”, bem como o “acolhimento de 764 afegãos que procuravam segurança” como mais positivas.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This