Desobediência

| 20 Nov 2022

“Essa desobediência da não submissão, da resposta firme e nunca agressiva. Essa desobediência gostava muito de saber ensinar à minha filha.” Foto © Inês Patrício

 

Recentemente fui desafiada a algo que não esperava. Provavelmente deveria começar a ensinar a minha filha a prevaricar, disse-me o meu pai. Foi a palavra escolhida. O sentido era o de rebeldia, de desobediência. Eu fiquei a pensar. Pisar o risco é importante. Não se ser sempre acertado ou responsável, claro que sim. Mas de repente senti-me confusa na minha postura. Porque se estou a educar, como ser as duas faces da medalha? Ainda para mais, vivemos na Alemanha. Na Alemanha cumprem-se as regras. Não me parece que seja por amor ao certo, ao correcto. Cumprem-se regras porque as regras são para ser cumpridas. Porque o não cumprir pode trazer descontrolo ou contas para pagar. As crianças são aqui crianças à brava, mas sabem, desde muito pequenas, onde estão as linhas vermelhas. Tentei arrumar o assunto, adiar talvez por uns anos.

Gandhi, para mim, tinha sido um homem pela não-violência, um líder espiritual. Tinha alguma ideia das greves de fome e das prisões durante o processo de independência da Índia. Gandhi tinha sido assim, vagamente para mim, até ver o filme. O filme não é o homem, mas o filme marcou-me. Gandhi foi um homem politicamente muito envolvido e combativo. Ele viveu determinado a conseguir a Justiça, a não exploração, a igualdade. Os direitos defendidos com firmeza, com dignidade e com desobediência. “Não lutaremos mas não sucumbiremos.” Pacificamente, sem violência, mas sem cooperação. A prática da resistência civil. Podiam prendê-lo, tirar-lhe tudo o que tinha, partir-lhe os ossos, mas não teriam a sua obediência. Terá chegado a dizer que acreditava que seria possível enfrentar Hitler com não violência, mas não sem muito sofrimento. Mas com a guerra não estava também a haver muito sofrimento?

Passou mais de um ano e eu continuo a pensar muito naquela forma de luta. Um mundo cheio de guerras, cheio de vítimas. E medo. Até medo das vítimas. Um mundo de exaltações febris, instantâneas e irracionais. Mais medo e mais ódio e mais morte. Nos nossos dias comuns também não faltam pessoas com vontade de agredir. Falta desobedecer. Não apenas resistir, desobedecer mesmo. A brutalidade deve ridicularizar-se na falta de resposta bruta.

Há alguma dúvida de que as guerras não servem nenhum povo? Há alguma dúvida de que as guerras não são políticas ou ideológicas? As guerras são negociatas aos mais altos níveis, para enriquecer um punhado de homens e mulheres de negócios. Porque aceitamos? Porque patrocinamos? Porque obedecemos?

E o negócio da saúde? E o negócio do ensino? E o negócio da Natureza? Podemos obedecer? Vamo-nos deixar agarrados aos ecrãs? Já dizia magoado o José Mário Branco “Entretém-te filho, entretém-te.”

Precisamos de inteligência. Precisamos de irreverência. A “Garota não” escreve: “Podem decretar o fim da arte/ E a gente faz uma canção sobre isso.”

Essa desobediência da não submissão, da resposta firme e nunca agressiva. Essa desobediência que se aprende com a arte e o respeito profundo por todas pessoas. Essa desobediência gostava muito de saber ensinar à minha filha.

 

Inês Patrício é médica, vive em Berlim com o marido de olhos de mar e uma filha solar.

 

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas novidade

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres novidade

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres novidade

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum

América Latina

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum novidade

Depois da Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) e da Rede Eclesial Ecológica Mesoamericana (REGCHAG), nasce agora a Rede Eclesial Gran Chaco e Aquífero Guarani (REGCHAG), com o objetivo de proteger os territórios que lhe dão nome e as respetivas comunidades, face a ameaças como o desmatamento, a contaminação e o desrespeito pelos modos de vida.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This