Desobediência

| 20 Nov 2022

“Essa desobediência da não submissão, da resposta firme e nunca agressiva. Essa desobediência gostava muito de saber ensinar à minha filha.” Foto © Inês Patrício

 

Recentemente fui desafiada a algo que não esperava. Provavelmente deveria começar a ensinar a minha filha a prevaricar, disse-me o meu pai. Foi a palavra escolhida. O sentido era o de rebeldia, de desobediência. Eu fiquei a pensar. Pisar o risco é importante. Não se ser sempre acertado ou responsável, claro que sim. Mas de repente senti-me confusa na minha postura. Porque se estou a educar, como ser as duas faces da medalha? Ainda para mais, vivemos na Alemanha. Na Alemanha cumprem-se as regras. Não me parece que seja por amor ao certo, ao correcto. Cumprem-se regras porque as regras são para ser cumpridas. Porque o não cumprir pode trazer descontrolo ou contas para pagar. As crianças são aqui crianças à brava, mas sabem, desde muito pequenas, onde estão as linhas vermelhas. Tentei arrumar o assunto, adiar talvez por uns anos.

Gandhi, para mim, tinha sido um homem pela não-violência, um líder espiritual. Tinha alguma ideia das greves de fome e das prisões durante o processo de independência da Índia. Gandhi tinha sido assim, vagamente para mim, até ver o filme. O filme não é o homem, mas o filme marcou-me. Gandhi foi um homem politicamente muito envolvido e combativo. Ele viveu determinado a conseguir a Justiça, a não exploração, a igualdade. Os direitos defendidos com firmeza, com dignidade e com desobediência. “Não lutaremos mas não sucumbiremos.” Pacificamente, sem violência, mas sem cooperação. A prática da resistência civil. Podiam prendê-lo, tirar-lhe tudo o que tinha, partir-lhe os ossos, mas não teriam a sua obediência. Terá chegado a dizer que acreditava que seria possível enfrentar Hitler com não violência, mas não sem muito sofrimento. Mas com a guerra não estava também a haver muito sofrimento?

Passou mais de um ano e eu continuo a pensar muito naquela forma de luta. Um mundo cheio de guerras, cheio de vítimas. E medo. Até medo das vítimas. Um mundo de exaltações febris, instantâneas e irracionais. Mais medo e mais ódio e mais morte. Nos nossos dias comuns também não faltam pessoas com vontade de agredir. Falta desobedecer. Não apenas resistir, desobedecer mesmo. A brutalidade deve ridicularizar-se na falta de resposta bruta.

Há alguma dúvida de que as guerras não servem nenhum povo? Há alguma dúvida de que as guerras não são políticas ou ideológicas? As guerras são negociatas aos mais altos níveis, para enriquecer um punhado de homens e mulheres de negócios. Porque aceitamos? Porque patrocinamos? Porque obedecemos?

E o negócio da saúde? E o negócio do ensino? E o negócio da Natureza? Podemos obedecer? Vamo-nos deixar agarrados aos ecrãs? Já dizia magoado o José Mário Branco “Entretém-te filho, entretém-te.”

Precisamos de inteligência. Precisamos de irreverência. A “Garota não” escreve: “Podem decretar o fim da arte/ E a gente faz uma canção sobre isso.”

Essa desobediência da não submissão, da resposta firme e nunca agressiva. Essa desobediência que se aprende com a arte e o respeito profundo por todas pessoas. Essa desobediência gostava muito de saber ensinar à minha filha.

 

Inês Patrício é médica, vive em Berlim com o marido de olhos de mar e uma filha solar.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This