Detenção de activistas pró-democracia em Hong Kong agrava situação dos direitos humanos no território

| 30 Nov 20

Agnes Chow na Tim Mei Avenue, Hong Kong

Agnes Chow, um dos rostos do movimento pró-democracia em Hong Kong, presa na semana passada: “A esperança para Hong Kong está agora na prisão ou no exílio”, diz Benedict Rogers. Foto: Honcques Laus/Wikimedia Commons – Outubro de 2019.

 

A detenção de três jovens activistas pró-democracia, na semana passada, em Hong Kong, traduz o cada vez maior cerceamento das liberdades e autonomia de Hong Kong: Joshua Wong, Agnes Chow e Ivan Lam foram detidos sob a acusação de reunião ilegal relacionada com os protestos da lei anti-extradição, promulgada no ano passado. Habitualmente, os três teriam sido libertados sob fiança, ficara, agora detidos em prisão preventiva aguardando julgamento. Enfrentam, pelo menos, até cinco anos de prisão, escreve Benedict Rogers, jornalista e activista dos direitos humanos baseado em Londres, numa crónica na UCA News, agência especializada em assuntos da Ásia.

Agnes Chow, de 23 anos, católica, enfrenta mesmo a possibilidade de uma pena de prisão muito mais longa, uma vez que já tinha sido presa em Agosto ao abrigo da nova lei draconiana de segurança nacional de Hong Kong. Acusada de “conivência com forças estrangeiras”, pode ser condenada a largos anos na cadeia.

Joshua Wong, por seu lado, está alegadamente mantido em isolamento e confinado à sua cela, sem poder sequer sair para fazer exercício, porque foi encontrado um “objecto estranho” no seu estômago num raio-X. Ainda mais chocante, descreve o jornalista Benedict Rogers, é a notícia de que Wong tem de recorrer às máscaras cirúrgicas que deveriam protegê-lo da covid-19 como vendas para dormir, porque os guardas prisionais não apagam as luzes da cela durante a noite. O que pode constituir privação de sono e ameaça para a saúde, equivalendo a maus-tratos, nota Rogers, que lidera também a equipa do Extremo Oriente na Christian Solidarity Worldwide, uma organização de direitos humanos especializada na liberdade de religião e de crença.

A detenção dos jovens activistas ocorreu três dias após a prisão de Alexandra Wong, 64 anos, acusada de agressão a um segurança em Janeiro passado. Conhecida como “Avó Wong”, ela tem sido “uma incansável manifestante solitária” em defesa da liberdade em Hong Kong, escreve o jornalista. Alexandra regressou a Hong Kong em Outubro, depois de ter estado 14 meses presa na China continental.

Durante esse tempo, a Avó Wong estado 45 dias presa numa cela de 18 metros quadrados com outras pessoas (chegaram a ser 26), sujeitas a interrogatório. Wong foi forçada a “confessar” e a prometer não se envolver em mais manifestações ou falar com os media, bem como a renunciar ao seu activismo por escrito e a declarar perante as câmaras que não tinha sido torturada. “Tive medo de morrer naquele centro de detenção”, disse ela.

Depois de cinco dias de “educação patriótica” na província de Shaanxi (Nordeste da China), em que foi obrigada a cantar o hino nacional chinês diante da bandeira da República Popular, foi libertada sob fiança e colocada sob prisão domiciliária. Deputados britânicos do All Party Parliamentary Group on Hong Kong, composto por membros de diferentes partidos, propôs o seu nome para o Prémio Nobel da Paz. O vice-presidente do grupo, o católico Lord Alton, de Liverpool, disse que a avó Wong era destemida e “encarna a bravura, determinação e resiliência dos manifestantes de Hong Kong que inspiraram o mundo”.

 

“Marionetas de borracha”

Benedict Rogers coloca em contraste a atitude dos jovens e de Alexandra Wong com a da chefe executiva de Hong Kong, Carrie Lam, que, no seu discurso político anual perante o Conselho Legislativo, este ano só teve legisladores pró-Pequim diante dela. “A desqualificação feita por Pequim de quatro legisladores pró-democracia, e a demissão de todos os outros democratas em protesto, há duas semanas atrás, não fez da legislatura mais do que um espectáculo de marionetas de borracha pró-Pequim, inteiramente subserviente aos desejos do Partido Comunista Chinês”, critica o analista.

No seu discurso, Lam elogiou a nova lei de segurança nacional de Pequim como “notavelmente eficaz” na restauração da estabilidade da cidade, e elogiou a polícia “altamente confiante” – apesar dos relatos de observadores internacionais, incluindo das Nações Unidas, sobre as graves violações de direitos humanos que estão a ser cometidas.

Os relatores especiais da ONU e organizações como a Amnistia Internacional, acusam a polícia de Hong Kong de usar gás lacrimogéneo, gás pimenta e outros químicos em áreas densamente povoadas, perto de escolas e jardins de infância, “de forma indiscriminada, desnecessária e desproporcionada, em violação dos princípios internacionais e de Hong Kong sobre o uso da força”.

Assédio, prisão e abuso de profissionais médicos, patrulhamento de hospitais “em equipamento completo, com escudos, bastões e armas de fogo carregados com munições de saco de feijão e balas de borracha”, ataques a jornalistas, espancamento de manifestantes e violência sexual são outras acusações feitas à polícia da cidade.

 

Presente natalício devolvido ao remtente

No seu discurso, Lam prometeu restaurar a ordem constitucional e o sistema político de Hong Kong, afirmação que Rogers considera um “sinal da distopia orwelliana”, pois “Pequim rasgou a Constituição de Hong Kong, a Lei Básica, quebrou as suas promessas ao abrigo da Declaração Conjunta Sino-Britânica, um tratado internacional registado nas Nações Unidas, e destruiu as liberdades prometidas a Hong Kong”. Lam, acrescenta, “não está a restaurar nada; ela está – por ordem dos seus senhores fantoches – a substituir um sistema vibrante e semi-democrático pelo controlo total do Partido Comunista Chinês”.

O jornalista conta ainda que, após o Natal do ano passado, escreveu em privado à líder do poder executivo de Hong Kong, manifestando o seu reconhecimento por ela estar “numa posição desafiadora” e oferecendo-lhe um livro que escreveu dedicado ao seu percurso católico (o jornalista foi baptizado em 2013). Como resposta, recebeu a devolução do livro e da carta, com uma explicação da secretária: “Para defender os princípios da simplicidade e economia, Carrie Lam] não pode aceitar o livro como um presente (…) Se desejar recomendar qualquer publicação à Chefe Executiva para a sua leitura no futuro, por favor informe-nos os nomes das publicações que deseja recomendar para que possamos considerar a aquisição das publicações como apropriado.”

“Um ano depois, gostaria de recomendar a Lam três publicações – a Bíblia Sagrada, o Catecismo da Igreja Católica e o Compêndio da Doutrina Social da Igreja – mas as versões originais, não as novas traduções de Pequim”, escreve o analista, que termina acusando: “Nunca é possível servir dois mestres, e Lam deixou clara a sua escolha – servir os seus mestres em Pequim em vez de servir Deus ou o povo. Como escrevi há um ano neste site, Lam tem sangue nas suas mãos – muito mais agora – e a destruição do modo de vida de uma cidade inteira.  A esperança para Hong Kong está agora na prisão ou no exílio.”

 

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares novidade

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres novidade

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

O poder no feminino, nas histórias de seis portuguesas negras

O programa Poder no Feminino, que estreia às 19h30 deste domingo, 10 de Janeiro, na RTP África, dará voz a seis mulheres de ascendência africana, portuguesas ou que residem em Portugal, que fizeram o seu percurso profissional na academia, nos negócios, na política, no jornalismo, na psicologia, em Portugal e no mundo.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Indonésia: Paróquias acolhem 15 mil desalojados após terramoto

Na sequência do violento terramoto que atingiu a Ilha de Sulawesi, na Indonésia, na noite de quinta para sexta-feira, dia 15, a Cáritas local criou um centro de emergência para apoio à população afetada, tendo acolhido em duas paróquias um total de 15 mil pessoas que ficaram sem casa. A Conferência Episcopal Italiana (católica) doou, por seu lado, 500 mil euros para ajudar as famílias mais atingidas.

“Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, apela o arcebispo de Manaus

Com o aumento vertiginoso de casos de covid-19 no Estado do Amazonas (Brasil), particularmente na capital Manaus, e com as principais unidades de saúde já sem oxigénio disponível, o arcebispo da diocese, Leonardo Ulrich Steiner, gravou um vídeo apelando à solidariedade de todos. “Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, pediu na mensagem divulgada esta sexta-feira, 15 de janeiro, pelo Vatican News, sublinhando que a região se encontra “num momento de pandemia, quase sem saída”, em que as pessoas estão a morrer “por falta de oxigénio, por falta de camas” nas unidades de cuidados intensivos.

Bangladesh: Incêndio em campo de refugiados rohingya deixa 3.500 sem casa

Um incêndio devastou esta quinta-feira, 14 de janeiro, o campo de refugiados da cidade portuária de Cox’s Bazar, no sul do Bangladesh, tendo destruído mais de 550 casas que abrigavam cerca de 3.500 pessoas da minoria rohingya. Não são conhecidas até ao momento quaisquer vítimas mortais ou feridos graves, mas este incidente “terá roubado a muitas famílias o abrigo e dignidade que lhes restava”, afirmou o diretor da ONG Save the Children no país, Onn van Manen.

Papa Francisco e Bento XVI vacinados, e em breve toda a população do Vaticano

A primeira dose da vacina contra a covid-19 já foi administrada ao Papa Francisco e ao emérito Bento XVI, confirmou esta quarta-feira o porta-voz da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni. Depois de terem chegado ao Vaticano, no início desta semana, dez mil doses da vacina fabricada pela Pfizer, dentro de poucos dias todos os 4.730 residentes, trabalhadores e religiosos afetos ao pequeno estado estarão imunizados. O Vaticano será assim o primeiro estado do mundo a ter toda a sua população vacinada.

Bispos portugueses determinam suspensão de batismos, crismas e matrimónios

Apesar de as orientações governamentais para o novo período de confinamento permitirem a celebração de cerimónias religiosas com a presença física de fiéis, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) anunciou esta quinta-feira, 14 de janeiro, que deverão ser “suspensas ou adiadas para momento mais oportuno” as celebrações de batismos, crismas e matrimónios.

Entre margens

Euforia, esperança ou amnésia coletiva novidade

2020 foi um ano em que, em boa parte, nos perdemos. Alguns arriscaram, mas, perante as consequências do destemor inicial, recuaram e reposicionaram a sua forma de vida. Outros não aprenderam nada e exibiram-se heróis, como se os riscos comprovados não existissem, como se as ameaças fossem coisa de fracos e de gente fora de moda. Pois é mesmo disso que tenho medo – de uma amnésia coletiva.

Educados por fantasmas

Aliás, se as crianças e os jovens são hoje educados por fantasmas, os adultos estão longe de ser imunes ao seu fascínio. É como se a envolvência de tal mundo, que afecta ambos, não permitisse um pensamento a frio sobre ele. Ainda que o, por assim dizer, crime de pensar, seja precisamente a única forma possível de nos colocarmos ainda diante desse mundo. À distância que nos permite o pensamento crítico verificamos que estes fantasmas falam. São veículos de ideologia.

E se confinássemos?

Inclinado, como é meu hábito, a confiar nas explicações científicas, e até mesmo na humilde incerteza que toda a séria certeza tem, aceito, evidentemente, que estamos a percorrer o caminho mais seguro para limitar a tragédia e assegurar, tanto quanto possível é prever, uma evolução favorável. Igualmente convicto da boa-fé, rectidão de motivos e sentido do serviço público de quem, em tempos tão difíceis, tem conduzido o país, não me resta qualquer paciência para opiniões avulsas ou teorias da conspiração.

Cultura e artes

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Auscultar a expressão de um Povo

A chamada Caixa de Correio de Nossa Senhora constitui um arquivo do santuário de Fátima no qual se conservam as mensagens ali enviadas de todo o mundo, a partir da década de 40 do século passado, dirigidas à Mãe de Jesus. Trata-se de cartas, bilhetes, postais, ex-votos, num número que atinge os milhões e que constituem uma expressão de devoção íntima e pessoal de inúmeros católicos de todas as origens sociais, económicas e familiares.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This