Deus é americano?

| 19 Mai 2021

A religião americana privilegia o “ser americano” antes do ser cristão e o nacionalismo antes do universalismo da fé. Só que tal mentalidade faz tábua rasa da figura de Jesus Cristo, seu discurso e obra.

América. Imigrantes

“O problema é que esse pretensioso favoritismo divino diminui todos os outros povos, desumanizando-os, e revela o mais pernicioso egoísmo face a todos aqueles que são alheios a essa identidade nacional, rotulando-os como estranhos e inimigos potenciais.” Foto © Nitish Meena / Unsplash

 

Atendendo a alguns discursos por vezes parece que Deus tem um fraquinho especial pelos Estados Unidos. Dá ideia de que as Escrituras devem ser interpretadas exclusivamente segundo o quadro mental norte-americano, e que o Deus da Bíblia vive para abençoar aquela nação e suportar os seus interesses em desfavor de todas as outras. Como alguém disse: “As nossas guerras foram as mais justas, os pais fundadores foram os mais santos, o nosso governo é o mais favorecido por Deus e a nossa terra é a mais divinamente abençoada e protegida.”

Se no salazarismo se pensava que quem não fosse católico não era bom português (o que será isso?), querendo significar pessoa séria e confiável, com base numa espécie de avaliação com resquícios medievais, o americano bom é caucasiano e cristão, como atestam os supremacistas brancos e a prática política trumpista.

É o patriotismo que molda a teologia em terras do tio Sam e abre caminho para que o nacionalismo desvirtue por completo a genuína visão do evangelho, de modo que mesmo quando a política americana provoca nos bastidores a queda de governos estrangeiros democraticamente eleitos ou apoia e arma até aos dentes os ditadores mais sanguinários o país quase nem hesita em apoiar tais desmandos e premiar os seus autores.

O problema é que esse pretensioso favoritismo divino diminui todos os outros povos, desumanizando-os, e revela o mais pernicioso egoísmo face a todos aqueles que são alheios a essa identidade nacional, rotulando-os como estranhos e inimigos potenciais. Não que essa atitude seja nova em termos históricos, mas neste caso é justificada em nome de Deus. No fundo é como se o Deus cristão mantivesse com a América uma aliança como a que Iavé estabeleceu com o povo hebreu há milhares de anos, tornando-se um Deus exclusivo e étnico, ligado a um povo que era o seu agente na terra.

Só que tal mentalidade faz tábua rasa da figura de Jesus Cristo, seu discurso e obra. O orgulho americano impede o reconhecimento dos indivíduos de outros países do mundo como seus iguais, irmãos e irmãs em Cristo, não permitindo considerar que também são criados à imagem de Deus, fazendo com que os valores americanos se coloquem em conflito frequente com o evangelho.

Stephen Mattson diz que o estilo de vida americano leva a que as comunidades e organizações religiosas ponham a tónica numa cultura de poder, controlo, popularidade, luxo, riqueza, prestígio, entretenimento e conforto. Até inventaram uma teologia da prosperidade em consonância com o american way of life.

Usam-se os textos bíblicos para defender submissão às autoridades governamentais, mas já “não achamos que esses mesmos versículos se apliquem a outros governos, em especial aos inimigos.” E depois o medo faz o resto e abre caminho para a produção de leis excludentes que assegurem a supremacia do homem branco.

A religião americana privilegia o “ser americano” antes do ser cristão e o nacionalismo antes do universalismo da fé plasmado no Novo Testamento. A tentativa de criar uma religião tipicamente americana esteve quase sempre na ordem do dia durante os últimos dois séculos. É o caso dos russelistas, mais conhecidos como Testemunhas de Jeová, organização criada em 1881 na Pensilvânia, por Charles Taze Russell, e muito especialmente da Igreja de Jesus Cristo dos Santos do Últimos Dias, uma ideia restauracionista de Joseph Smith Júnior levada à prática em 1820, já para não falar de inúmeros grupos religiosos quase desconhecidos e sem tradução internacional.

Cada um acredita no que quer, mas são mais do que óbvias as inúmeras tentativas de “americanizar” a prática religiosa fazendo deslocar a tradição cristã para o continente, pois assim ainda fará mais sentido a narrativa de um país abençoado por Deus e colocado acima de todos os outros.

Apesar disso nem todos os pais fundadores eram cristãos, e o princípio do estado laico está claramente inscrito no documento fundacional do país. Uma vez que o rei em Windsor era o líder máximo da Igreja Anglicana, e porque os fluxos migratórios que iam chegando à Nova Inglaterra traduziam já uma notória diversidade confessional, decidiu-se não haver igreja de estado mas antes ampla liberdade religiosa. Liberdade que hoje parece estar em causa quando parte do campo cristão se coloca numa trincheira, na luta contra o melting pot de um grande país como a América.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This