Deus é silêncio

| 12 Mar 19

“Mesmo antes da Palavra, no princípio era o Silêncio. Talvez por isso, quando nos adentramos no silêncio, há uma pacificação e uma passividade que nos confortam.” Foto © Gellert/Pixabay

Cada vez me sinto mais entusiasmado com o silêncio. Numa ida à livraria, pesquisando pelos livros de religião, esoterismo ou desenvolvimento pessoal, facilmente se percebe que é um tema de moda. Retiros, yoga, meditação, propostas de orações, etc., etc. Para os cristãos, o silêncio não é a perceção de uma ausência, como se o vazio da mente fosse uma meta desejável, mas é antes a contemplação de uma Presença. O silêncio torna-nos conscientes de que há uma ‘vida interior’, que o coração se faz ouvir e que o devemos escutar porque aí radica a nossa originalidade como cristãos que percebem e pressentem a habitação de Deus em cada um. No silêncio não ‘sou-sozinho’, como se de um ente solitário se tratasse,mas sinto uma comunhão silenciosa com o Universo, com a Natureza, com Deus e com os Outros.

A Tradição cristã sempre valorizou o silêncio. Vemo-lo a partir da experiência de Jesus, mas também na procura da Igreja nascente. Sempre foram surgindo homens e mulheres buscadores do silêncio através da meditação e da contemplação. As comunidades monásticas, os eremitas, os padres e madres do deserto. A busca pelo silêncio ultrapassa a simples procura do silêncio dos lugares sossegados, mas é a exploração que fazemos de nós próprios… e de Deus em nós. Tolentino Mendonça diz que o silêncio é “uma disciplina do coração”, um lugar de luta, de procura e de espera. Por isso, a meditação pode ser vista como uma escola de vida, de participação rotineira e regular, uma escola onde aprendo a escuta e confiança.

Entrega. Abandono. Confiança. São talvez as três atitudes que, pela meditação, a nossa vida vai adquirindo. A meditação cristã molda-nos ainda na atenção vigilante e cultiva no nosso coração a dádiva de vida. Este é, talvez, o nosso grande património meditativo: não medito para estar apenas bem comigo e com o ambiente que me circunda, mas para cultivar atitudes que me moldam, em Cristo, na dádiva de nós. E o melhor que podemos dar é o Deus que nos habita, naquilo que sou e naquilo que tenho.

Mesmo antes da Palavra, no princípio era o Silêncio. Talvez por isso, quando nos adentramos no silêncio, há uma pacificação e uma passividade que nos confortam. No silêncio, existe o princípio criador de Deus que inunda o vazio do universo e, por isso, no silêncio também nos sintonizamos com toda a Criação. O silêncio não é uma mera procura técnica para facilitar a meditação ou criar clima de oração. O silêncio é, em si, oração de comunhão. Deus fala tanto pela Palavra como pelo Silêncio. Mesmo quando, na Bíblia, Deus não responde, Deus fala. O silêncio que Jesus procurava precede todas as palavras e toda a Palavra.

Deus é Silêncio. O silêncio não é Deus, mas também nos manifesta o ser-de-Deus. Talvez o silêncio nos exprima melhor Deus, não cria barreiras nem limites lexicais, não exige interpretações ou semânticas. O silêncio não se compra. Num tempo em que se procura cada vez mais, ter mais, o silêncio revela algo absolutamente simples de Deus: a Sua pura e absoluta gratuidade. No silêncio todos podem entrar em Deus e em Comunhão com todos e com tudo. Por isso, no princípio também era a Palavra, porque ela dá ser, forma e conteúdo ao silêncio. E a Palavra também era Deus.

João Alves é padre católico da diocese de Aveiro e pároco da paróquia da Vera-Cruz

Artigos relacionados

Breves

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Afeganistão

Talibãs obrigam mulheres a cobrir-se

O Ministério afegão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício colocou cartazes por toda a capital, Cabul, ordenando às mulheres que se cobrissem. “O que eles estão a tentar fazer é espalhar o medo entre as pessoas”, disse uma estudante universitária, defensora dos direitos das mulheres.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Viver no ritmo certo novidade

Enquanto pensava no que iria escrever este mês, havia uma palavra que não saía da minha mente: “descanso”. Obtive a confirmação desta quando, por coincidência ou não, este foi o tema escolhido pela Aliança Evangélica Europeia para a sua semana universal de oração, realizada de 9 a 16 de janeiro de 2022. Os líderes evangélicos apelam a que todos possam viver no ritmo de Deus porque estamos a ser engolidos por uma onda de homens e mulheres sobrecarregados, completamente esgotados e sem força para lutar mais pela vida.

Uma Teofania nos corações humanos

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

2022: aprender a construir a paz

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

Cultura e artes

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This