Papa dirige-se à comunidade LGBT

“Deus não repudia nenhum dos seus filhos”

| 9 Mai 2022

Conferência de imprensa do Papa Francisco no voo de regresso a Roma, vindos de Malta. Foto © Vatican Media

Conferência de imprensa do Papa Francisco no voo de regresso a Roma, vindos de Malta. Foto © Vatican Media

 

A Igreja não rejeita nenhuma pessoa por ser LGBT, há é “pessoas na Igreja” que o fazem, mas “Deus é pai e não repudia nenhum dos seus filhos” escreve o Papa Francisco dirigindo-se à comunidade LGBT através do sítio Outreach, a cujas perguntas acedeu responder.

As respostas do Papa Francisco foram divulgadas no dia 9 de maio no sítio Outreach – um sítio animado pelo padre jesuíta James Martin e dirigido à comunidade LGBT – em língua inglesa e espanhola, acompanhadas por foto da nota manuscrita pelo punho de Francisco.

James Martin enviou a 5 de maio uma carta ao Papa Francisco perguntando-lhe se estaria disposto a responder a algumas das perguntas mais frequentes que os católicos LGBT e as suas famílias lhe fazem. No texto, escrito em espanhol, o P. Martin enviava três perguntas, à laia de uma minientrevista. Três dias depois, recebeu uma nota manuscrita pelo Papa Francisco que começava assim: “Em relação às suas perguntas, ocorre-me uma resposta muito simples.”

Reproduzimos, na íntegra as perguntas e respostas da minientrevista:

“Outreach: O que é mais importante as pessoas LGBT saberem sobre Deus?
Papa Francisco: Deus é Pai e não repudia nenhum dos seus filhos. E ‘o estilo’ de Deus é ‘proximidade, misericórdia e ternura’. Ao longo deste caminho cada um encontrará Deus.

Outreach: O que gostaria que as pessoas LGBT soubessem sobre a igreja?
Papa Francisco: Eu gostaria que eles lessem o livro dos Atos dos Apóstolos. Lá encontrarão a imagem da igreja viva.

Outreach: O que tem a dizer a um católico LGBT rejeitado pela igreja?
Papa Francisco: Faria com que visse isso não como ‘rejeição da Igreja’, mas sim de ‘pessoas na Igreja’. A igreja é mãe e convoca todos os seus filhos. Tomemos como exemplo a parábola dos convidados para a festa: ‘os justos, os pecadores, os ricos e os pobres, etc’. [Mateus 22:1-15; Lucas 14:15-24]. Uma igreja ‘seletiva’, de ‘sangue puro’, não é a Santa Madre Igreja, mas sim uma seita.”

A 27 de junho de 2021 numa carta [ver 7MARGENS] que ficou célebre por ter sido a primeira vez que um Papa abençoou explicitamente este tipo de trabalho pastoral de um padre, Francisco agradeceu a James Martin a sua dedicação à comunidade LGBT: “Quero agradecer-te pelo teu zelo pastoral e pela tua capacidade de estar perto das pessoas, com essa proximidade que Jesus tinha e que reflete a proximidade de Deus”, escreveu então, pelo seu próprio punho, Francisco, tratando Martin por “querido irmão”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This