“Deus quer, o homem sonha, a obra nasce”: temos que fazer constar

| 15 Out 19

Em função de um estudo que li sobre uma das culturas moçambicanas, a macua, um povo de Nampula, escrito por Helena Assunção, em 2018, comecei a delinear um sonho: o dia no qual mais elementos do Património Cultural Imaterial do meu país ascendam, à semelhança da timbila e do nyau, à categoria de Património Cultural Imaterial da Humanidade (PCIH).

Recordo que existem, em Moçambique, considerando a tipologia mais recente que encontrei sobre estudos moçambicanos, referente ao ano de 2010, os seguintes grupos étnicos: Bitonga, Tsonga e shopi, Nguni, Tsonga, Complexo Zambeze, Shona, Maconde, Macua-lomwé, Yao, Marave, Swahili. Devo referir também que é óbvio que a capulana, embora seja oriunda de fora de Moçambique, é moçambicana, além de que é dos poucos objectos culturais comuns a todos os moçambicanos. Mas não é sobre a capulana que faço a apologia de elevação a PCIH. Faço-o considerando os seus modos de utilização pelo grupo étnico macua, que certamente diferem dos dos outros povos.

O estudo a que me referi no início deste texto, descrevia como é que, a partir de modos de amarrar a capulana ou de a colocar em determinados lugares, se poderia obter diferentes tipos de informação sobre o estado da mulher, nomeadamente, se ela é casada, viúva, virgem, recém-menstruada, se se encontra em período de menstruação, em conflitos conjugais ou com filhos nos ritos de iniciação. Os modos de colocar a capulana também podem revelar acontecimentos sociais, designadamente cerimónias fúnebres (tratamento de cadáver, antes do seu enterro), festas, ritos de iniciação ou outros tipos de celebração de alegria. Aprendi, a partir desse trabalho, inúmeros valores simbólicos e identitários que podem ser transmitidos com recurso a formas de utilizar a capulana.

Considerando o estudo e a definição sobre o que é Património Cultural, percebi o quão espantoso é ter-se através de práticas sociais tão comuns no dia-a-dia, informações imensas, intensas e distintas. Aliás, devo dizer que o que tem sido elevado a PCIH são bens sui generis, aqueles que, do ponto de vista histórico e do ponto de vista da ancestralidade, são susceptíveis de preservar a identidade dos povos e, por isso, devem ser guardados para as gerações vindouras.

Isso levou-me a ir ler sobre a timbila e sobre o nyau, para perceber as razões que tinham sido consideradas para essas manifestações culturais serem classificadas como Património Cultural da Humanidade. Só para deixar claro, a timbila é composta por orquestra musical, com dança e música de instrumentos de produção artesanal e materiais especiais. Há ainda poesia recitada através de canções que, na maior parte das vezes, dão instruções para a vida em comunidade. É também uma manifestação artística lúdica, característica do povo chope. Foi elevada a PCIH em 2005. O nyau é composto por dança ao ritmo de instrumentos musicais de produção artesanal, poesia cantada, que instrui para a vida em comunidade (práticas ancestrais, ritos de iniciação, rituais fúnebres, etc). É ainda um meio de diversão e de contestação política. É típico património cultural de três países vizinhos (Zâmbia, Malawi e Moçambique) e foi elevada a PCIH, também, em 2005.

A partir das aulas sobre Cultura Moçambicana que lecciono, tenho verificado o quão os alunos se sentem sedentos de ter mais convívio com exemplos dos nossos valores culturais mas não os conhecem ou, por termos passado, como país, por inúmeros anos de negação das nossas culturas, chega-se ao ponto de haver uma confusão em perceber o que é ou não cultura e que bens podem ser “patrimonializáveis” ou elevados à tão desejável categoria de bem da humanidade.

Disse-lhes um dia que devemos ousar sonhar o nosso país, colocá-lo em patamares internacionais através da nossa cultura. Perguntaram-me eles que bens poderiam ser tão bem comercializáveis, a ponto de renderem tanto para a economia e o turismo e contribuírem para o desenvolvimento deste país. Referindo-me ao estudo sobre os modos de amarrar e de colocar a capulana, ora mencionado, disse-lhes: temos de fazer trabalhos de campo sobre os povos de Moçambique; façam uma pesquisa etnográfica, mas eu cá por mim vos asseguro que já posso considerar que os modos de amarrar e de colocar a capulana dos macuas já podem ser elevados à categoria de PCIH, dada a diversidade de informação que transmitem, a partir das suas práticas de utilização. Precisamos é de fazer uma distinção clara ou de verificar se são as mesmas práticas, tanto no litoral, quanto no interior da província de Nampula.

Eles perguntaram-me se não estaria a ser ousada, porque na óptica deles, esse trabalho deveria ser realizado pelo Ministério da Cultura e Turismo. Respondi-lhes que os cidadãos tinham o direito de sonhar, pesquisar e depois sugerir ao ministério da tutela, para que tratasse dos trâmites legais, após todas as consultas necessárias. Claramente, percebi que tinham relutância em acreditar e tive que percorrer com eles toda a legislação sobre a cultura no país, para perceber se eu tinha o direito a sonhar.

Nessa pesquisa, encontrámos três leis, duas resoluções, dezasseis decretos e sete diplomas, dentre as quais, a resolução n.º 12/97 de 10 de Junho que, no seu artigo 8.1.2, fala sobre o papel da sociedade civil na promoção da cultura. Aí, sim, os alunos disseram-me: “Podemos sonhar, professora”, sonhemos! Recordei-lhes uma parte do nosso hino nacional que fala em sonhos e que diz assim: “Na memória de África e do mundo/ pátria bela dos que ousaram lutar, Moçambique o teu nome é liberdade ….” e, depois disso, alguns deles disseram: sonhemos, coloquemos o nome do nosso país no mapa, no mundo!

É nesse sentido que acredito poder iniciar um trabalho, a partir do qual possamos sugerir a classificação da prática cultural dos modos de amarrar e de colocar a capulana como PCIH, à semelhança da timbila e do nyau. Atrevo-me, sem preconceitos, a sugerir que essas práticas sejam elevadas a tão alta categoria. Temos imensos bens culturais, materiais e não materiais, mas sem um tombo, sem os registar, sem os classificar, não podemos constar no mundo. Ficamos à mercê do desconhecimento que, para além de ser entre nós próprios, é entre nós e os de fora.

Existem estudos sobre o Património Cultural Imaterial, mas poucos. Destaco dois de abrangência nacional: um realizado entre 1975 e 1985, no qual são anotados alguns dos bens do património cultural imaterial moçambicano e o outro, a partir de uma reunião nacional realizada em 1993, na qual os relatórios das diferentes províncias moçambicanas destacavam a necessidade de que, a nível nacional, se começasse a valorizar as culturas moçambicanas, nomeadamente o vestuário, a gastronomia, as danças, canções, etc.

Em síntese, tal como a timbila e o nyau, que pela multiplicidade de performances, pela sua originalidade e pela sua ancestralidade são manifestações culturais que foram mapeadas, descritas e documentadas, depois classificadas como PCIH, auguro o dia no qual os modos de amarrar e de colocar a capulana, prática do povo macua, possam ser, após o devido mapeamento e classificação, elevados à Património Cultural Imaterial da Humanidade. Temos que constar!

 

Sara Jona Laísse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica de Maputo e membro do Graal (Movimento Internacional de Mulheres Cristãs) – Moçambique. Contacto: saralaisse@yahoo.com.br

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco