Protesto em Paris

Crentes de diferentes religiões contra nova exploração de petróleo em África

| 25 Mai 2023

Dois rabinos, dois pastores protestantes, um mestre e uma monja budistas, um padre jesuíta, um bispo católico (emérito de Troyes) e um pensador muçulmano acorrentaram-se juntos de um lado ao outro da passagem, sendo imitados por mais dez filas de manifestantes igualmente acorrentados de igual modo.Clément Foto © Tissot / GreenFaith

Em protesto contra o oleoduto que a petrolífera Total pretende construir na África Oriental, cerca de sete dezenas de manifestantes liderados por nove conhecidos representantes de várias religiões e espiritualidades, bloquearam em Paris, na manhã desta quinta-feira, 25 de maio, durante uns simbólicos 24 minutos, a passagem pedonal sobre o rio Sena que liga o Museu d’Orsay ao Jardim das Tulherias.

Dois rabinos, dois pastores protestantes, um mestre e uma monja budistas, um padre jesuíta, um bispo católico (emérito de Troyes) e um pensador muçulmano acorrentaram-se juntos de um lado ao outro da passagem, sendo imitados por mais dez filas de manifestantes igualmente acorrentados de igual modo.

O gesto durou 24 minutos, ou seja, 1.443 segundos, para simbolizar os 1.443 quilómetros do projetado Oleoduto da África Oriental (EACOP, na sigla inglesa) que ligará o novo campo de petróleo de Tilenga (Uganda) ao porto de Tanga (Tanzânia). Cerca de 400 km do seu percurso estão desenhados sob a bacia do Lago Vitória, cujas águas são vitais para 40 milhões de pessoas. O protesto decorreu no dia anterior à assembleia geral da petrolífera Total que terá lugar em Paris nesta sexta-feira, 26 de maio.

O abandono de novos projetos petrolíferos no Uganda e em alguns dos países limítrofes tem vindo a ser exigido por várias vozes ecologistas que alegam estar-se em presença de um ataque à justiça climática (provocando a emissão de 379 milhões de toneladas de CO2), aos direitos humanos (expropriando mais de 100.000 pessoas de forma inadequada, sob pressão e sem esclarecimento capaz) e à biodiversidade (nomeadamente no parque natural de Murchison Falls).

O protesto foi organizado pela ONG inter-religiosa GreenFaith em parceria com a Extinction Rebellion Spiritualités (XR Spi), ramo da Extinction Rebellion e os manifestantes usaram correntes e cadeados para impedir a passagem de peões e bicicletas naquela passagem que é conhecida por estar ‘forrada’ de ‘cadeados de amor’ em ambos os seus lados. De acordo com a Greenfaith, “graças à crescente pressão pública, 25 bancos e 23 companhias de seguro já anunciaram que não se envolverão no financiamento e na concretização do EACOP”.

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This